sexta-feira, 31 de maio de 2013

Terminal Pinheiros vai receber ônibus a partir de 01/06


Fonte: Estadão

"Inaugurado" pelo ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD) 72 horas antes do fim de seu mandato, em dezembro, o terminal de ônibus ao lado da Estação Pinheiros da Linha 4-Amarela do Metrô e da CPTM, na zona oeste da capital, finalmente vai abrir de verdade. A Prefeitura confirmou ontem o início da operação no próximo sábado, dia 1.º.

Batizado de Terminal Victor Civita, o complexo deve receber pelo menos 60 mil pessoas por dia quando estiver em pleno funcionamento, no fim do mês. A operação, no entanto, será dividida em três fases: a primeira, que começa no sábado, terá sete linhas de ônibus, com uma frequência de 56 coletivos circulando pelo terminal a cada hora e cerca de 15 mil usuários diários.

A nova parada prevê linhas que farão rotas para o Terminal Pedro II, no centro, o Terminal Santo Amaro, na zona sul, e o Terminal Campo Limpo, para citar alguns exemplos. No fim do mês, o terminal vai receber ônibus da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) e deverá fazer a ligação entre a zona oeste e nove cidades da Região Metropolitana de São Paulo.

O terminal deve funcionar 24 horas. A parada foi concebida para reorganizar o fluxo de ônibus na região de Pinheiros, retirando as linhas do Largo da Batata, e ser um ponto intermodal: ali há conexão entre ônibus, trens e metrô, bicicletário e um estacionamento para carros com capacidade para 430 veículos - cuja abertura ainda não tem data divulgada.

Postes. O atraso para abrir o terminal ocorreu porque a Prefeitura deixou de fazer obras necessárias à edificação após fazer a nova parada, no ano passado. Faltaram serviços como o recapeamento de ruas no entorno do terminal - com a troca do asfalto para piso de concreto, por exemplo, mais recomendado para o tráfego pesado de ônibus.

Em sua primeira entrevista após assumir o cargo, o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, afirmou que havia postes no caminho dos ônibus. Eles foram retirados e a fiação elétrica foi removida da rota dos coletivos.

Recarga do Bilhete Único até 1º de junho garante valor antigo após reajuste


Fonte: Terra

Os passageiros que optarem por recarregar o Bilhete Único em São Paulo até o dia 1º de junho, véspera do aumento tarifário para ônibus, trens e metrô, poderão viajar ainda com o valor da tarifa antiga, até o crédito se esgotar. A informação é da São Paulo Transportes (SPTrans), que gerencia o Bilhete Único na capital paulista.

No site da empresa, a principal dúvida levantada pelos passageiros é sobre a mudança de tarifa, que passará de R$ 3 para R$ 3,20 no próximo dia 2 de junho. De acordo com a prefeitura, se a recarga for realizada antes do dia do reajuste, “será debitado o valor da tarifa vigente na data da compra dos créditos, desde que seu cartão não seja substituído”. Em caso de perda, o recadastro de um novo cartão será com a nova tarifa.

Se o passageiro fizer uma recarga de R$ 300 com a tarifa atual, por exemplo, poderá fazer 100 viagens simples, mesmo após a mudança tarifária. Já se a recarga for completada após o dia 2 de junho, será possível fazer apenas 93 viagens.

A tarifa atual vigora desde janeiro de 2011. Segundo a prefeitura, caso fosse feito o reajuste com base na inflação acumulada no período, aferido pelo IPC/Fipe, o valor chegaria a R$ 3,40. "O reajuste abaixo da inflação é um esforço da prefeitura para não onerar em excesso os passageiros", diz a prefeitura em nota, que prevê o pagamento de R$ 1,25 bilhão em subsídios ao sistema de ônibus em 2013.

O Bilhete Único pode ser recarregado nas Lotéricas, estações de metrô, terminais de ônibus e em diversos pontos cadastrados pela prefeitura.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Metrô é destaque em premiação mundial de comunicação

Equipe de blogueiros e tuiteiros, que auxiliam o Metrô com boas idéias para ajudar na operação
Fonte: Portal do Governo do Estado

O Prêmio Crescendo com o Transporte Público - regional América Latina premiou o Metrô de São paulo na categoria "Uso inovador de novas tecnologias de informação: colaboração dos usuários para melhorar a operação de trens e estações". A comunicação do Metrô de São Paulo foi destaque entre mais de 270 cases de 50 países, nas categorias "mundial" e "regional".

Acompanhando a evolução das novas tecnologias, o Metrô é um dos pioneiros entre as empresas de transporte público no uso dessas tecnologias para se relacionar com os seus usuários. Hoje, esses novos canais são utilizados principalmente para melhorar e experiência de viagem dos usuários, em que as mais diversas solicitações são prontamente verificadas e atendidas, muitas em tempo quase real.

Metrô na internet

Pesquisa realizada em setembro de 2012 indica que 86% dos usuários do Metrô acessam a internet regularmente. Desses, 84% fazem uso habitual das redes sociais, indicando que o potencial de crescimento do uso dessas novas mídias para esse fim é imenso.

O Metrô possui perfil no Twitter e página oficial no Facebook, além do serviço de SMS-Denúncia. A companhia também passou a disponibilizar, em seu site, informações sobre a operação das linhas em tempo real - o chamado "Direto do Metrô".

Governo paulista realiza maior obra simultânea da história do Metrô

Obras do Monotrilho da Linha 15-Prata, em frente à estação Vila Prudente
Fonte: Governo do Estado

Para conferir mais agilidade à locomoção diária do cidadão, o Governo do Estado de São Paulo realiza simultaneamente obras em quatro linhas do Metrô. Estão em curso o prolongamento da Linha 5-Lilás, entre Largo Treze e Chácara Klabin; a implantação da Linha 15-Prata, em monotrilho, da Vila Prudente até Cidade Tiradentes; a segunda fase da Linha 4-Amarela (Vila Sônia-Luz); e a implantação da Linha 17-Ouro (Jabaquara-Congonhas), que fará conexão com as estações Morumbi da CPTM e São Paulo-Morumbi de Metrô.

Ao mesmo tempo, 98 trens que formam a primeira frota das linhas 1-Azul e 3-Vermelha estão sendo modernizados. Até agora, 33 trens já foram modernizados e equipados com ar condicionado e câmeras de vigilância. Os demais serão entregues gradativamente. Os investimentos são de R$ 1,75 bilhão.

Dados do Metrô de São Paulo indicam que o sistema recebe diariamente 4,6 milhões de passageiros. Em mais de 38 anos de operação comercial, o Metrô já transportou 22,6 bilhões de passageiros, o que corresponde a três vezes a população mundial, cerca de 15 vezes a população da China e 109 vezes a população de todo o Brasil. São realizadas cerca de 4.500 viagens por dia.

Projeto do novo trem da Linha 5-Lilás

Veja as mudanças em curso:

Linha 5-Lilás
Prolongamento da Linha 5-Lilás irá da Estação Largo Treze, em Santo Amaro, até a Estação Chácara Klabin, na Linha 2- Verde. Quando concluída, a linha terá 19,9 km de extensão, 17 estações e com estimativa de atender 770 mil passageiros diários. 

Linha 15-Prata
A Linha 15- Prata (Ipiranga-Cidade Tiradentes), em sistema monotrilho, atualmente tem o primeiro trecho, entre a Vila Prudente e a futura estação Oratório, em obras. Esta linha, quando pronta, ligará Ipiranga a Cidade Tiradentes, terá 18 estações, 25,8 km de vias elevadas e atenderá cerca de 500 mil passageiros por dia. 

Linha 17-Ouro
A construção da Linha 17- Ouro, em sistema de monotrilho, está com obras em sua primeira fase, entre o aeroporto de Congonhas e a Estação Morumbi, da Linha 9- Esmeralda (Osasco-Grajaú) da CPTM. Este trecho da linha terá 7,7 km de extensão. Ao todo, a Linha 17-Ouro terá, quando concluída, 17,7 km de extensão e 18 estações. 

Linha 4-Amarela
A fase 2 da Linha 4- Amarela contempla a instalação das estações São Paulo-Morumbi, Fradique Coutinho, Oscar Freire e Higienópolis-Mackenzie. A estação Vila Sônia contará com terminal de ônibus integrado e prolongamento da linha em cerca de 1,5 km de extensão até Taboão da Serra. A linha terá 12,8 km de vias, 11 estações e transportará cerca de um milhão de usuários por dia, em média.


Além destas obras, Metrô terá outras ampliações

Estão em processo de licitação e contratação mais três obras: a Linha 6-Laranja (Brasilândia-São Joaquim), a extensão da Linha 2- Verde até a Rodovia Presidente Dutra e 18-Bronze (Tamanduateí-ABC).

Linha 2-Verde
A expansão da Linha 2-Verde, de Vila Prudente à Dutra, terá 13,5 km de extensão e 12 estações. Com o prolongamento, a Linha 2 terá interligação com a Linha 3-Vermelha do Metrô, na estação Penha, com a futura Linha 6-Laranja do Metrô (na estação Anália Franco) e também com mais três linhas da CPTM: 11-Coral, na estação Penha, 12-Safira e a futura 13-Jade, na estação Tiquatira. A demanda prevista para toda a Linha 2-Verde chegará a 1,7 milhão de passageiros/dia, incluindo a atual demanda do trecho existente (Vila Madalena-Vila Prudente).

Linha 6-Laranja
O traçado da Linha 6-Laranja abrange o trecho entre as estações Vila Brasilândia e São Joaquim, onde fará integração com a Linha 1-Azul. A nova linha ampliará a rede metroviária em mais 15,9 km de extensão e 15 estações. A futura linha 6 se integrará com as linhas 7-Rubi e 8-Diamante da CPTM na estação Água Branca, com a Linha 4-Amarela na estação Higienópolis-Mackenzie e com a Linha 1-Azul na estação São Joaquim. A demanda prevista é de 633,6 mil passageiros ao dia.

Linha 18-Bronze
A Linha 18-Bronze fará ligação direta com a região do ABC (Paço Municipal, em São Bernardo do Campo), contemplando as cidades de São Caetano, Santo André e São Bernardo do Campo, e com o sistema metroferroviário de São Paulo (Estação Tamanduateí, da Linha 2-Verde do Metrô e Linha 10-Tuquesa da CPTM). A linha terá extensão aproximada de 14,3 km, 12 estações e deverá transportar em média 304,5 mil usuários por dia.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Metroviários de SP decidem adiar greve para próxima semana; CPTM segue decisão.


Fonte: Estadão

Os trabalhadores do Metrô de São Paulo decidiram, em assembleia realizada na noite desta segunda-feira (27), deixar a decisão de entrar em greve por tempo indeterminado para a semana que vem --inicialmente, a paralisação estava prevista para esta terça (28).

A próxima assembleia será na segunda-feira (3), após uma audiência que reunirá representantes do sindicato dos metroviários e do Metrô (Companhia do Metropolitano de São Paulo) no TRT (Tribunal Regional do Trabalho).

Em audiência realizada na tarde de hoje no TRT, o Metrô aumentou a proposta de correção da inflação de 5,37% para 6,42% --os metroviários pedem 7,3%. O TRT, por sua vez, propôs reajuste de 7,13%, e os representantes do governo ficaram de levar uma proposta melhor na próxima reunião, no dia 3.

"Vamos aumentar a mobilização até o dia 3. Quem não vestiu o colete [do estado de greve], veste o colete agora. No dia 3, ou [o Metrô] faz uma proposta boa ou São Paulo vai parar no dia 4", disse o presidente do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, Altino de Melo Prazeres Júnior.

Mais de 4 milhões de passageiros usam o metrô todos os dias. Em caso de greve, apenas a linha 4 - Amarela continuaria operando, já que foi concedida ao setor privado.

Os servidores de quatro linhas da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) também decidiram, em assembleia, adiar a greve para a próxima semana. A paralisação poderá afetar as linhas 8 –Diamante, 9 – Esmeralda, 11 – Coral e 12 – Safira, ligadas ao Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de Transporte de Passageiros da Zona Sorocabana e ao Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona da Central do Brasil.

De acordo Everson Craveiro, representante da Sorocabana, uma assembleia no dia 3 decidirá se haverá paralisação nas quatro linhas da CPTM no dia 4. Dois sindicatos que são responsáveis por outras duas linhas já descartaram a greve.

Reivindicações
Os metroviários reivindicam reposição da inflação de 7,3% sobre os salários, mais reajuste de 14,16% (aumento real); o Metrô oferece 6,42% de reposição inflacionária.

A categoria também pede reajuste no vale-alimentação (de R$ 218 para R$ 382,71 mensais), aumento de 24,3% no vale refeição, plano de carreira e jornada de 36 horas.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Metrô funcionará normalmente nesta terça-feira


Fonte: Metrô de São Paulo
Em assembleia realizada na noite desta segunda-feira (27/5), o Sindicato dos Metroviários decidiu adiar possível greve prevista para esta terça-feira (28/5). Com isso, o Metrô informa que vai operar normalmente nesta terça-feira. Será feita nova audiência para negociação entre as partes na próxima segunda-feira (3/6) no Tribunal Regional do Trabalho.

O Metrô mantém a negociação com o Sindicato dos Metroviários para evitar uma paralisação que pode prejudicar mais de 4 milhões de usuários do Metrô e toda a população de São Paulo.

A Companhia realizou neste mês seis reuniões com a categoria para negociar o reajuste dos metroviários, que reivindicam, além de reajuste de 8,06%, aumento real de 14,16%. Nos últimos sete anos, a soma de aumentos chegou a 48,84%. Somente acima de inflação, foram 8,8% no mesmo período. A Companhia concede uma série de benefícios aos seus funcionários, como participação nos lucros, vales Refeição e Alimentação, auxílio médico e previdência, além de outras gratificações.

Metroviários decidem hoje se entram em greve


Fonte: R7

O sindicato dos metroviários de São Paulo vai decidir, nesta segunda-feira (27), se entrará em greve a partir da 0h desta terça-feira (28). Uma assembleia dos funcionários está marcada para as 18h30 de hoje.

A categoria decidiu pela greve na última quarta-feira (22). A assembleia desta segunda-feira será feita para ouvir a opinião da categoria novamente.

Os metroviários querem aumento real de salário de 14,16%, 7,30% de reposição salarial, reajuste de 24,3% para vale-refeição e aumento do vale-alimentação para R$ 382,71, entre outras reivindicações.

CPTM
Além do Metrô, funcionários de quatro linhas da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) também devem entrar em greve. Em assembleia de ferroviários, os sindicatos afirmam que irão paralisar as linhas 8, 9, 11 e 12 nesta terça-feira.

Segundo a CPTM, a greve tem como objetivos específicos fazer com que a CPTM continue negociando com o Sindicato da Central do Brasil (linhas 11 e 12), e que inicie o processo negocial com o Sindicato da Sorocabana.  O objeto da negociação é o Acordo Coletivo de Trabalho 2013/14, e que foi assinado com a CPTM de forma unilateral pelo Sindicato dos Ferroviários de São Paulo e pelo Sindicato dos Engenheiros.

Os dois sindicatos afirmaram que vão aguardar, até a tarde desta segunda-feira, uma resposta da empresa. Uma assembleia será realizada às 19h, em frente à estação Brás.

Por dentro da 1ª estação do monotrilho


Fonte: Estadão

Quem imagina o monotrilho que está sendo construído na zona leste de São Paulo como um "minimetrô", um meio de transporte mais modesto do que os metrôs convencionais, poderá se surpreender quando entrar nas estações da futura Linha 15-Prata. O Estado visitou a primeira estação do ramal, a Oratório, cuja obra deve terminar até dezembro.

A nova parada não tem nada de pequena. Lembra muito a Estação Tamanduateí, da Linha 2-Verde, distante apenas alguns quilômetros dali: tem bicicletário dos dois lados da Avenida Professor Luís Inácio de Anhaia Melo, três elevadores para deficientes e as plataformas, que ficam a cerca de 20 metros do nível da rua, são divididas em dois pavimentos: o inferior tem a bilheteria e as catracas e o superior, as plataformas.

A ressalva é a praticamente certa formação de filas que a nova parada vai ter. Há só um guichê na bilheteria. "Poxa, todo mundo que vem aqui acha que é pouco", deixou escapar um dos engenheiros da obra que acompanhou a visita da reportagem. "Mas a gente não faz o projeto, só executa", brinca.

A falta de mais bilheterias, no entanto, é explicada pelo perfil dos usuários. A maior parte da venda de passagens do sistema atualmente é pelo bilhete único, cujas cabines ainda não estão instaladas na estação.

Suporte. Os pilares que sustentam o trilho de concreto do monotrilho já avançam quase até o bairro de São Mateus. Eles são projetados para aguentar até impacto de caminhões sem que a circulação dos trens fique comprometida. Já o trilho é formado por vigas de 30 toneladas cada. Poderiam ser até mais pesadas: é que o interior delas é preenchido por 9 toneladas de isopor. Se não fossem, elas poderiam pesar até 75 toneladas cada uma.

"Para nós, engenheiros, é um enorme desafio: a margem de precisão da instalação de cada uma delas é de 3 milímetros de diferença. Pouco, uma vez que estamos acostumados a precisão de alguns centímetros", afirma Luiz Felipe Pacheco de Araújo, coordenador das obras naquele trecho.

Prazos. As obras civis estão entrando na fase de acabamento. Na próxima semana, deve começar a instalação dos três conjuntos de escadas rolantes e das proteções de vidro que vão revestir a estação.

A Estação Oratório será uma das 18 da linha até 2016, quando o ramal vai chegar a Cidade Tiradentes. Até 2015, o monotrilho deve alcançar São Mateus.

sábado, 25 de maio de 2013

Obra da Linha 17-Ouro começa a receber vigas


Fonte: Em.com

Uma cerimônia com direito a queima de fogos, na manhã deste sábado, 24, marcou a instalação da primeira viga de sustentação dos trilhos do monotrilho da Linha 17-Ouro do Metrô, que ligará os bairros de Jabaquara ao Morumbi, na zona sul da capital paulista, passando pelo Aeroporto de Congonhas. A festa, na Avenida Jornalista Roberto Marinho, teve participação do governador Geraldo Alckmin, que não fez um discurso oficial no evento.

A linha já sofreu atrasos no cronograma de obras por causa de demora na emissão de licenças ambientais de instalação e só deve ficar pronta em 2015, depois da Copa do Mundo. Originalmente, o ramal faria a ligação entre o aeroporto e a Linha 9-Esmeralda da CPTM antes da abertura dos jogos.

As duas primeiras vigas, instaladas ontem, foram construídas em Cajamar, na Grande São Paulo, onde uma fábrica foi instalada especialmente para a confecção das vigas. Ao todo, a linha terá mais de 1.000 vigas.

O cronograma é que, daqui em diante, duas vigas sejam instaladas todas as noites da semana para que a obra recupere o tempo perdido. Por isso, a Roberto Marinho terá interdições ao trânsito durante as madrugadas.

A Linha 17-Ouro está orçada em quase R$ 5 bilhões. Quando estiver pronto, o ramal deverá transportar cerca de 500 mil passageiros por dia.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Nos bastidores, Governo projeta tarifa de 2014 em R$ 3,50


Fonte: Estadão

A divulgação do reajuste das tarifas de ônibus e trens de Metrô e CPTM provocou mal-estar entre Prefeitura e Estado no início da tarde de ontem. Isso porque, além de divulgar o valor da nova tarifa do ônibus, a gestão Fernando Haddad (PT) decidiu anunciar também quanto custariam as passagens de trem. A notícia pegou de surpresa a cúpula do governo paulista que, apesar de já ter batido o martelo que seguiria o valor estipulado pelo Município, esperava fazer o anúncio em conjunto. 

A "pressa" de Haddad não foi acompanhada pelo Estado. O reajuste no Metrô e na CPTM só foi confirmado no início da noite, em nota oficial. Muito antes, porém, vereadores petistas já comentavam o novo preço do ônibus e metrô na Câmara Municipal. Para a oposição, mais uma mostra de que o PT quer levar vantagem, mesmo quando há "parceria". O vereador Andrea Matarazzo (PSDB) classificou o caso como outro "ato de esperteza". Para ele, Haddad quis ficar com o crédito que, com a edição da medida provisória, pode ser do governo federal.

Mas, nos bastidores, os comentários apontam para novo reajuste. O tema tarifa está longe de terminar. Isso porque a isenção tributária prevista pela presidente Dilma Rousseff (PT) vai ajudar a reduzir os custos, mas não eliminar a necessidade de um subsídio maior - é preciso levar em conta ainda a promessa de Haddad de criar o bilhete mensal, cujo custo passaria de R$ 400 milhões por ano. Mais uma vez costurado em conjunto, esse segundo reajuste ocorreria em menos de um ano e seria seguido novamente pela gestão Geraldo Alckmin (PSDB). O valor previsto para 2014 é de R$ 3,50. O ônus, nesse caso, será maior para o governador, que disputará a reeleição.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Tarifas de trem, metrô e ônibus de SP subirão para R$ 3,20


Fonte: Folha de São Paulo

A Prefeitura de São Paulo e o governo do Estado enviam nesta quarta-feira, respectivamente para a Câmara Municipal e a Assembleia Legislativa, comunicado com o valor das novas tarifas dos ônibus municipais, do Metrô e dos trens da CPTM, que serão de R$ 3,20. 

O reajuste será de 6,7%. No caso do ônibus, cujo valor da passagem não é corrigido desde janeiro de 2011, o valor ficará bem abaixo da inflação acumulada no período. 

O IPCA, medido pelo IBGE e base da inflação oficial, acumulou 15,5% desde o último aumento da tarifa. O IPC, da Fipe-USP, 12,8%. O IGP-M, da FGV, atingiu 14,4%. Os índices foram calculados até abril --os números de maio não foram fechados. 

Se optassem por repor toda a inflação, os governos teriam de elevar as tarifas para R$ 3,44, mas foi levado em conta o ônus político do reajuste e optaram por uma tarifa menor. 

Da mesma forma, os governos combinaram o anúncio simultâneo dos preços das passagens, e fixar as tarifas no mesmo valor. O novo tarifário do transporte urbano entra em vigor em 2 de junho.

Os dois governos ainda discutem detalhes da recomposição tarifária. Ainda não foi batido o martelo, mas a integração entre mais de um modal por meio do Bilhete Único deve passar dos atuais R$ 1,65 para R$ 1,80.


EVOLUÇÃO DA TARIFA
A tarifa de ônibus da capital é a mesma desde 5 de janeiro de 2011, quando a gestão Gilberto Kassab (PSD) subiu a passagem para R$ 3. O aumento concedido na época foi de 11,11%, bem maior que a inflação do período, de 6,03%.

Como não houve aumento no ano passado, o subsídio às empresas de ônibus foi recorde no ano passado já que o valor da passagem não cobriu todos os custos das viações.

Em 2012, a prefeitura chegou a desembolsar R$ 961 milhões com subsídios. A proposta de Orçamento enviada pela gestão Kassab à Câmara prevê R$ 660 milhões neste ano, o que aponta a necessidade de reajuste da tarifa.

O último aumento da passagem em São Paulo foi em janeiro de 2011. Haddad já pretendia reajustar o preço no começo deste ano, mas segurou a medida a pedido da presidente Dilma Rousseff para ajudar a conter a inflação. O governo do Estado fez o mesmo com trens e metrô.

Metrô de SP vai subir para R$ 3,40, diz sindicato


Fonte: Agência Estado

Em carta aberta à população de São Paulo - e em meio a uma campanha salarial que caminha para nova greve -, o Sindicato dos Metroviários disse que a passagem do Metrô vai ser reajustada para R$ 3,40 no dia 1º.

A informação, segundo os sindicalistas, vem circulando no Metrô desde fevereiro. O índice de reajuste, por esse valor, ficaria em 13,3%, portanto acima da inflação acumulada desde fevereiro do ano passado, que foi de 8,9%.

O Metrô, entretanto, nega que o reajuste já esteja definido - tanto o valor da tarifa quanto a data exata do reajuste. Em nota, a empresa diz que "qualquer especulação sobre um possível valor, neste momento, seria irresponsável e um desrespeito aos usuários". Os estudos técnicos que justificam o reajuste da tarifa, que têm de ser apresentados à Assembleia Legislativa, ainda não estão finalizados segundo o Metrô.

terça-feira, 21 de maio de 2013

Metroviários podem decretar Estado de Greve no dia 22


Fonte: Sindicato dos Metroviários

Os metroviários podem decretar Estado de Greve na assembleia que realizarão na próxima quarta-feira (22), a partir das 18h30, na sede do Sindicato, no Tatuapé.

Em campanha salarial – a data-base da categoria profissional é maio – os metroviários já realizaram cinco reuniões com a empresa, mas o Metrô recusou todas as reivindicações propostas.

No dia 22 de maio, o Metrô comprometeu-se em apresentar suas contrapropostas para os reajustes salariais. A reunião será realizada no Hotel Excelsior (avenida Ipiranga, 770), a partir das 9h30.

As principais reivindicações dos metroviários são reposição salarial de 7,30%, aumento real de 14,16%, reajuste de 24,3% no vale-refeição, aumento do vale-alimentação para R$ 382,71, equiparação salarial (trabalho igual, salário igual) e PR igualitária sem imposição de metas.

Já foram descartadas pela empresa as seguintes reivindicações dos metroviários: equiparação salarial, jornada de 36 horas, plano de carreira e a readmissão dos trabalhadores demitidos em 2007.

Bibliotecas do Metrô de SP têm acervo ocioso há oito meses


Fonte: Folha de São Paulo

Milhares de livros de autores consagrados e de diversos temas, antes disponíveis para empréstimo gratuito em estações do Metrô da CPTM, estão ociosos em prateleiras de bibliotecas do programa "Embarque na Leitura" há quase oito meses.

O acervo ocioso pertence ao Instituto Brasil Leitor, que idealizou e toca o projeto. A Secretaria Estadual de Transportes Metropolitanos cedeu os espaços nas estações. Sem patrocínio há mais de dois anos, três bibliotecas tiveram que fechar as portas em outubro do ano passado: Tatuapé, Santa Cecília e Brás.

Seis funcionários que atuavam nas unidades foram demitidos e os livros --cerca de 12 mil-- ficaram indisponíveis para o público leitor. Após o fechamento, usuários reclamaram e houve até um abaixo-assinado na internet pedindo a reativação das unidades. Sem sucesso.

A única biblioteca que continua aberta fica na estação Paraíso, na linha 2-verde do metrô --tem patrocínio de uma companhia suíça de aço. A unidade, com 22 mil pessoas matriculadas, empresta 1,8 mil livros mensalmente.

Na época do lançamento do projeto, em 2004, o "Embarque na Leitura" foi anunciado pelo governo do Estado com o argumento de que as bibliotecas aproximariam os livros dos usuários da rede de transporte sobre trilhos.

Deu certo: o programa tinha, até o ano passado, cerca de 56 mil inscritos e 3,5 mil empréstimos mensais.

O Instituto Brasil Leitor informou que não tem nenhuma perspectiva de reabrir as bibliotecas. As empresas, diz a instituição, estão mirando patrocínios para outras áreas, como a esportiva. O acervo do "Embarque na Leitura" será levado para outras 70 bibliotecas que o instituto administra no país.

OPORTUNIDADE
A Secretaria de Transportes Metropolitanos diz que apenas cede o espaço para o instituto e que a gestão das unidades cabe ao instituto. "Para mim, era uma ótima forma de aliar a praticidade de ter uma biblioteca em um local de passagem com uma ótima distração, que é a leitura", disse a estilista Karin Martins, 25. Ela pegou livros da saga Harry Potter na unidade da estação Tatuapé.

Martins conta que soube do projeto por sua mãe, que todas as semanas escolhia uma obra no programa.

ESTUDO
Um estudo divulgado pela prefeitura de Londres no ano passado mostrou que, em 2011, cada paulistano pegou, em média, 0,7 livros nas bibliotecas públicas. Em Tóquio, o índice anual chega 8,64; em Nova York, 8,32; em Berlim, 6,8 livros. A pesquisa usou fontes oficiais --no caso de São Paulo, SPTuris e das secretarias da Cultura e do Planejamento.

No total, a capital paulista tem 116 bibliotecas públicas -número muito menor que Paris (830), Xangai (477) e Londres (383). Curiosamente, São Paulo tem mais bibliotecas que Berlim (88).

sábado, 18 de maio de 2013

Metrô vai funcionar sem interrupção na Virada Cultural 2013


Fonte: Metrô

Os trens e estações do Metrô e da ViaQuatro  vão operar de forma ininterrupta a partir das 4h40 do sábado até a meia-noite do domingo. A operação especial é para facilitar os deslocamentos dos usuários pela cidade durante a realização da 9ª edição da Virada Cultural, que acontece neste final de semana, das 18h de sábado (18) até as 18h de domingo (19). 

Para facilitar a entrada nas estações
Todas as 64 estações metroviárias da cidade de São Paulo nas linhas 1-Azul (Jabaquara-Tucuruvi), 2-Verde (Vila Prudente-Vila Madalena), 3-Vermelha (Corinthians/Itaquera-Palmeiras/Barra Funda), 4- Amarela (Butantã-Luz) e 5-Lilás (Capão Redondo-Largo Treze) estarão abertas para embarque e desembarque dos usuários. 

O Metrô e a ViaQuatro, concessionária que opera a Linha 4- Amarela, recomendam aos usuários do sistema metroviário paulistano a compra antecipada dos bilhetes para as suas viagens, para facilitar o acesso às estações. O carregamento de créditos nos bilhetes eletrônicos em máquinas de autoatendimento poderão ser feitos normalmente nos horários de funcionamento de todas as estações, exceto em Vila Madalena, Sumaré, Clinicas, Consolação, Trianon e Chácara Klabin, que farão o atendimento em guichês.

Acesso de ciclistas ao sistema metroviário
Para os ciclistas que quiserem usar o sistema metroviário em seus deslocamentos, o acesso pode ser feito a partir das 14h do sábado e até a meia-noite de domingo, sempre considerando o limite de 4 bikes por trem e o embarque no último vagão.

"Conheça a programação completa da Virada" (http://viradacultural.prefeitura.sp.gov.br/)

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Passagens de metrô, ônibus e trens terão reajuste a partir de 1º de junho


Fonte: Folha de São Paulo

As passagens do metrô, trem e ônibus de São Paulo aumentarão a partir do próximo dia 1º de junho, afirmaram o prefeito, Fernando Haddad (PT) e o governador, Geraldo Alckmin (PSDB), na manhã desta sexta-feira. Eles disseram que o valor do aumento será divulgado até o dia 25 deste mês. 

Haddad disse que o valor não deve subir acima da inflação acumulada desde o último reajuste, realizado em janeiro de 2011. Hoje, a passagem de qualquer um dos meios de transporte público da cidade custa R$ 3.

Haddad disse ter orientado a Secretaria Municipal de Transporte para cumprir sua promessa de campanha e garantir que o reajuste não seja superior à inflação, mas não deu detalhes sobre possíveis valores.
EVOLUÇÃO DA TARIFA
A tarifa de ônibus da capital é a mesma desde 5 de janeiro de 2011, quando a gestão Gilberto Kassab (PSD) subiu a passagem para R$ 3. O aumento concedido na época foi de 11,11%, bem maior que a inflação do período, de 6,03%.

Como não houve aumento no ano passado, o subsídio às empresas de ônibus foi recorde no ano passado já que o valor da passagem não cobriu todos os custos das viações.

Em 2012, a prefeitura chegou a desembolsar R$ 821 milhões com subsídios. A proposta de Orçamento enviada pela gestão Kassab à Câmara prevê R$ 660 milhões neste ano, o que aponta a necessidade de reajuste da tarifa.
O último aumento da passagem em São Paulo foi em janeiro de 2011. Haddad já pretendia reajustar o preço no começo deste ano, mas segurou a medida a pedido da presidente Dilma Rousseff para ajudar a conter a inflação. O governo do Estado fez o mesmo com trens e metrô.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Estado confirma novos locais para estações do Metrô em São Caetano


Fonte: Prefeitura de São Caetano

O prefeito de São Caetano do Sul, Paulo Pinheiro, participou na manhã desta segunda-feira (6/5) de reunião com o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, o chefe de Gabinete da Prefeitura, Eduardo Casonato, e os outros prefeitos da região no Consórcio Intermunicipal do Grande ABC. Durante o encontro foi confirmada a alteração no local onde serão construídas duas das cinco estações da Linha 18 – Bronze do Metrô que servirão a cidade – a mudança atende a um pedido dos técnicos de Mobilidade Urbana da Prefeitura sancaetanense e visa melhorar a fluidez do tráfego na cidade.

“Nós pleiteamos estas alterações para evitar impactos negativos com a obra e fomos atendidos”, comemorou o prefeito Paulo Pinheiro. Com o novo projeto, a Estação Goiás, que ficaria na altura da Avenida Guido Aliberti com a Avenida Almirante Delamare, será transferida para a altura da Avenida Conselheiro Antônio Prado – na margem paulistana do Córrego dos Meninos. Já a Estação Mauá, anteriormente localizada na praça diante do Instituto Mauá de Tecnologia, será deslocada até a altura da Praça Dr. Inácio Rodrigues.

Em relação à Estação Goiás, os técnicos da Prefeitura de São Caetano e do Metrô entenderam que a alteração seria benéfica por aproximar a nova estação do Terminal Rodoviário Nicolau Delic e da estação São Caetano do CPTM. Já a mudança da Estação Mauá se deveu à previsão de impactos negativos no tráfego da região, já bastante movimentado por conta dos acessos a São Bernardo do Campo e à Rodovia Anchieta, e também pelo novo local facilitar o acesso dos estudantes tanto do Instituto Mauá de Tecnologia, em São Caetano, quanto da Universidade Metodista, em São Bernardo.

Além destas duas estações, a população de São Caetano será atendida pelas estações Cerâmica, na altura da Guido Aliberti com a Rua São Paulo; Estrada das Lágrimas, diante da avenida de mesmo nome; e Rudge Ramos, que ficará na altura da Rua Francisco de Melo Palheta, no Jardim São Caetano. As três estações serão construídas na margem paulistana do Córrego dos Meninos, com acessos por São Caetano.

A Linha 18 – Bronze do Metrô ligará a Estação Tamanduateí, em São Paulo, a São Caetano, Santo André e São Bernardo. Ela terá aproximadamente 20 quilômetros de extensão e transportará cerca de 325 mil passageiros por dia. “Os recursos para a construção da linha estão garantidos. A licitação deve ser publicada em julho e as obras devem ser iniciadas no fim de 2013 ou no começo de 2014”, informou o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes. A previsão de conclusão é de dois anos após o início dos trabalhos.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Metrô de SP tem aumento de usuários de baixa renda


Fonte: Terra

O Metrô de São Paulo ganhou usuários de baixa renda entre 2001 e 2012, enquanto os mais ricos da cidade deixaram de usar o sistema. Uma pesquisa inédita do perfil do usuário do Metrô de 2012 mostra que a proporção atual é de quase oito passageiros entre dez que ganham até quatro salários mínimos. Em 2001, havia quase cinco pessoas entre dez na mesma categoria. Em contrapartida, se há mais de dez anos, 23% de usuários que ganhavam mais de oito salários mínimos entravam nas linhas do metrô, hoje, 7% da amostra registrada na pesquisa se enquadra na mesma faixa salarial. As informações foram publicadas no jornal Folha de S. Paulo.

A pesquisa foi feita com 7.320 pessoas. Nenhuma entrevista ocorreu dentro das estações da linha 4-amarela do sistema, que é administrada por outra empresa. Segundo a chefe do departamento de relações com o cliente da companhia, Cecília Guedes, com o crescimento de renda da população, mais pessoas de classes sociais que antes não usavam os trens estão agora no sistema.

O levantamento mostrou ainda que o aumento da rede do Metrô tem feito com que pessoas de outras cidades da região metropolitana optem mais pelo transporte. Além disso, considerado toda a viagem do passageiro, desde a sua casa até o seu destino final, aumentaram as viagens que duram mais de 1h30. O crescimento recorde do Metrô, que transportou 877.171 pessoas em 2012 (mais de 20% em relação ao ano anterior), diminuiu o conforto dos usuários. Por causa da lotação, ainda mais nos horários de pico, parte das pessoas está recorrendo ao carro.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Excesso de garantias na Linha 6 preocupa Metrô


Fonte: Blog Ponto de Ônibus
Texto de Adamo Bazani

As construtoras, fornecedores de equipamentos e materiais ferroviários e operadores pressionaram e o Governo do Estado de São Paulo cedeu. Um negócio que nem o apocalipse daria prejuízo. É assim que será a construção da importantíssima linha 6 Laranja do Metrô. Lucro certo.
Não se trata aqui de discutir a urgência da implementação desta linha, que vai ligar a zona Norte ao Centro da cidade de São Paulo e vai servir a 600 mil pessoas por dia.

Essa linha, assim como as outras sete que o Governo planeja, já deveria estar em plena operação e conectada a corredores de ônibus do tipo BRT – Bus Rapid Transit, pois só um modal de transporte não dá conta da necessidade de deslocamentos. Mas não é porque uma obra é urgente que se deve fazer a qualquer custo. Afinal, o dinheiro é limitado e as necessidades são grandes em toda a cidade. Não se deve concentrar numa região ou obra todo o investimento e garantia.

As construtoras boicotaram o edital anterior exigindo mais garantias de lucro. Até aí, ninguém investe para perder dinheiro ou fazer caridade construindo metrô. Mas os excessos de garantias e contrapartidas do Governo do Estado para esta reedição do edital são no mínimo passíveis de discussão e atenção por parte do contribuinte. Será que o governo está se curvando diante dos investidores, construtores e operadores para fazer a maior PPP – Parceria Público Privada do País?
 
A frase do secretário estadual dos transportes, Jurandir Fernandes, mostra a extrema preocupação do governo em atender o anseio das construtoras e fornecedoras:
“Tudo o que foi possível foi feito para que não houvesse fuga (de empresas)”.
 
O custo inicial da obra será de R$ 8 bilhões, mas com as contrapartidas do Governo do Estado, pode chegar em 25 anos a R$ 20,5 bilhões. O edital garante retorno aos investidores até em caso de “terremoto ou queda de meteoros”.

Além disso, o Governo do Estado vai arcar com custos de desapropriações acima do esperado pelas construtoras. E aí mora outro perigo. Na maior parte das vezes quem possui um imóvel desapropriado contesta na Justiça o valor. Corre-se o risco de pular a parte da Justiça para antecipar as obras e se pagar muito caro. E na pior das hipóteses, pode haver algum acordo entre os donos das propriedades e os parceiros privados?

É incontestável que o Governo Estadual precisa incentivar os investidores no setor de transportes e em qualquer outra área. O Plano Plurianual para a área de transportes até 2015 prevê recursos na ordem de R$ 45 bilhões. O Estado não tem tudo isso em caixa. Até agora, o governo tem R$ 14 bilhões provenientes de empréstimos, há negociações sobre mais R$ 9 bilhões e R$ 10 bilhões estão no Orçamento. Procurar parceiros privados é uma alternativa considerada interessante para fechar a conta.

Mas deve haver uma justiça com o dinheiro público, já que o parceiro privado vai ter lucro com o investimento. Expor o investidor à insegurança não é o que se espera. Mas investidor tem sim de correr risco. Caso contrário, não seria parceiro, não seria investimento.

Afinal, o dinheiro da população precisa ser visto com respeito e ser usado para retornar ao público e não como garantia plena à construtora ou operador. E não se trata de crítica partidária. Afinal, com o trem bala, o Governo Federal está fazendo a mesma coisa.

Seguidores