domingo, 16 de junho de 2013

Proteção metálica é colocada em frente à estação Faria Lima


Imagem: Rodrigo Coca / Fotoarena
Fonte: Terra


O entorno da estação Faria Lima, da Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo, foi protegido com placas metálicas. No local será realizada a concentração do protesto contra o aumento da passagem no transporte público, o quinto organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL) na cidade.

Segundo a ViaQuatro, que administra a Linha 4-Amarela, a concessionária “adotou como medida preventiva a colocação de tapumes em frente à estação Faria Lima, como forma de proteger o patrimônio público e resguardar a segurança de seus usuários”.

Até a última terça-feira, o Metrô de São Paulo havia contabilizado prejuízo de R$ 109 mil por conta de atos de vandalismo cometidos por manifestantes durante os protestos. 

Cenas de guerra nos protestos em SP A cidade de São Paulo enfrenta protestos contra o aumento na tarifa do transporte público desde o dia 6 de junho. Manifestantes e policiais entraram em confronto em diferentes ocasiões e ruas do centro se transformaram em verdadeiros cenários de guerra. Enquanto policiais usavam bombas e tiros de bala de borracha, manifestantes respondiam com pedras e rojões.

Durante os atos, portas de agências bancárias e estabelecimentos comerciais foram quebrados, ônibus, muros e monumentos pichados e lixeiras incendiadas. Os manifestantes alegam que reagem à repressão opressiva da polícia, que age de maneira truculenta para tentar conter ou dispersar os protestos.

Segundo a administração pública, em quatro dias de manifestações mais de 250 pessoas foram presas, muitas sob acusação de depredação de patrimônio público e formação de quadrilha. No dia 13 de junho, vários jornalistas que cobriam o protesto foram detidos, ameaçados ou agredidos.

As passagens de ônibus, metrô e trem da cidade de São Paulo passaram a custar R$ 3,20 no dia 2 de junho. A tarifa anterior, de R$ 3, vigorava desde janeiro de 2011.

Segundo a administração paulista, caso fosse feito o reajuste com base na inflação acumulada no período, aferido pelo IPC/Fipe, o valor chegaria a R$ 3,40. "O reajuste abaixo da inflação é um esforço da prefeitura para não onerar em excesso os passageiros", disse em nota. 

Haddad havia declarado que o reajuste poderia ser menor caso o Congresso aprovasse a desoneração do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) para o transporte público. A proposta foi aprovada, mas não houve manifestação da administração municipal sobre redução das tarifas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores