segunda-feira, 27 de maio de 2013

Por dentro da 1ª estação do monotrilho


Fonte: Estadão

Quem imagina o monotrilho que está sendo construído na zona leste de São Paulo como um "minimetrô", um meio de transporte mais modesto do que os metrôs convencionais, poderá se surpreender quando entrar nas estações da futura Linha 15-Prata. O Estado visitou a primeira estação do ramal, a Oratório, cuja obra deve terminar até dezembro.

A nova parada não tem nada de pequena. Lembra muito a Estação Tamanduateí, da Linha 2-Verde, distante apenas alguns quilômetros dali: tem bicicletário dos dois lados da Avenida Professor Luís Inácio de Anhaia Melo, três elevadores para deficientes e as plataformas, que ficam a cerca de 20 metros do nível da rua, são divididas em dois pavimentos: o inferior tem a bilheteria e as catracas e o superior, as plataformas.

A ressalva é a praticamente certa formação de filas que a nova parada vai ter. Há só um guichê na bilheteria. "Poxa, todo mundo que vem aqui acha que é pouco", deixou escapar um dos engenheiros da obra que acompanhou a visita da reportagem. "Mas a gente não faz o projeto, só executa", brinca.

A falta de mais bilheterias, no entanto, é explicada pelo perfil dos usuários. A maior parte da venda de passagens do sistema atualmente é pelo bilhete único, cujas cabines ainda não estão instaladas na estação.

Suporte. Os pilares que sustentam o trilho de concreto do monotrilho já avançam quase até o bairro de São Mateus. Eles são projetados para aguentar até impacto de caminhões sem que a circulação dos trens fique comprometida. Já o trilho é formado por vigas de 30 toneladas cada. Poderiam ser até mais pesadas: é que o interior delas é preenchido por 9 toneladas de isopor. Se não fossem, elas poderiam pesar até 75 toneladas cada uma.

"Para nós, engenheiros, é um enorme desafio: a margem de precisão da instalação de cada uma delas é de 3 milímetros de diferença. Pouco, uma vez que estamos acostumados a precisão de alguns centímetros", afirma Luiz Felipe Pacheco de Araújo, coordenador das obras naquele trecho.

Prazos. As obras civis estão entrando na fase de acabamento. Na próxima semana, deve começar a instalação dos três conjuntos de escadas rolantes e das proteções de vidro que vão revestir a estação.

A Estação Oratório será uma das 18 da linha até 2016, quando o ramal vai chegar a Cidade Tiradentes. Até 2015, o monotrilho deve alcançar São Mateus.

Um comentário:

Gerson Rigras disse...

Mais que necessária... Desafogará as linhas 3 e 4, para quem pretende ir à Região da Av. Paulista. Não vejo a hora que todas as linhas projetadas pela CPTM e Metrô estejam operando! Abraços e parabéns pelas novidades!!!

Postar um comentário

Seguidores