quinta-feira, 30 de agosto de 2012

ViaQuatro quer bicicletas longe das estações


Fonte: O Estado de São Paulo

Quem na última semana precisou parar a bicicleta nos arredores das Estações Paulista e Faria Lima, na Linha 4-Amarela do Metrô, enfrentou um problema inusitado. Nos postes logo na frente das entradas foram afixadas placas proibindo o estacionamento. "Proibido estacionar bicicletas neste local. Sujeito a apreensão do veículo", diz o aviso, colocado pela ViaQuatro, concessionária que administra a linha.

A medida causou polêmica nas redes sociais e provocou a reação de cliclistas. "O Metrô tem por tradição cuidar do entorno das estações de forma rígida. A melhor opção não é proibir, mas oferecer uma alternativa para que o ciclista não precise usar o poste", afirmou Thiago Benicchio, diretor da Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo.

As duas estações com as placas não têm bicicletários nem paraciclos. "Quando vi, me perguntei: eles são donos do poste? A calçada é de quem? É uma medida muito preguiçosa", disse a educadora e ciclista Evelyn Araripe, de 27 anos.

Duas regras municipais, a Lei 14.266/07 e a 13.995/05, obrigam os locais com grande afluxo de pessoas a instalar bicicletários. Ainda de acordo com as normas, a construção de bicicletários deve ser prioritária em regiões próximas de estações de metrô, trens e corredores de ônibus. Apesar de promulgadas, as leis não foram regulamentadas.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que realizaria uma vistoria nos locais citados. Procurada, a ViaQuatro afirmou que já havia retirado as placas. A empresa foi questionada sobre a construção de bicicletários nas estações em questão, mas não respondeu à pergunta.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Metrô lança edital para instalação de lojas de calçados nas estações


Fonte: R7

O Metrô abriu nesta segunda-feira (27) licitação para cinco espaços distribuídos nas estações Ana Rosa, Palmeiras-Barra Funda, Brás, Santana e Sé, para a instalação de rede de calçados. Os espaços são de 20,00 m² a 49,60 m² e estão disponíveis nas áreas de mezanino das estações.

De acordo com o Metrô, o objetivo é atrair empresas já consolidadas e de grande porte no setor de calçados esportivos e sandálias tipo moda praia. A concorrência é destinada a atingir uma única marca.

Segundo o Estudo de Vocação Comercial, realizado pela Gerência de Negócios da Companhia, o setor de calçados tem uma boa aceitação entre os passageiros, sendo um dos principais itens de atratividade para compras no Metrô.

Mais empreendimentos
A Companhia do Metrô prepara várias licitações para diversos segmentos e os editais serão publicados até o final deste ano. Atualmente, o Metrô possui 54 lojas espalhadas por suas estações. O comércio lojista dentro das dependências da companhia rendeu no último ano R$ 12,4 milhões de receita não-tarifária. Segundo pesquisa realizada pela Gerência de Operações do Metrô, 77% dos usuários entrevistados consideram o comércio dentro das estações muito bom ou bom e 71% o avaliam como boa opção de compra.

Os interessados podem adquirir o edital de “Concessão de licitação para o segmento Calçados Esportivos e Sandálias Tipo Moda Praia” pelo preço de R$10, na Coordenadoria de Gestão do Processo e de Cadastro de Fornecedores, 2º andar do edifício Cidade II, rua Boa Vista, 175, Centro, nos horários das 9h às 11h30 e das 13h30 às 16h30.

A abertura das propostas acontecerá no próximo dia 2 de outubro, na rua Boa Vista, 175, Centro, às 9h.

domingo, 26 de agosto de 2012

Blog visita as obras do Monotrilho da Linha 2-Verde

Maquete em tamanho real exposta na estação Vila Prudente
Por Diego Silva

Ontem, estivemos na estação Vila Prudente, junto com uma equipe de outros blogueiros e amigos que participam de redes sociais, para visitar a maquete exposta pelo Metrô de São Paulo, que reproduz como será o monotrilho da Linha 2-Verde, que irá ligar Vila Prudente à Cidade Tirandentes. Num dia ensolarado, com um bonito céu azul, chegamos por volta das 10h no local. Alguns dos blogueiros já haviam chegado e observavam atentos com suas câmeras na mão.

Maquete está exposta para visitação pública
Uma rápida visita à maquete (que já havíamos visto na Feira Negócios nos Trilhos, em 2011) e alguns cumprimentos e diálogos com blogueiros depois, fomos convidados à ir até a obra da futura estação Oratório, que será entregue já no ano que vem. Segundo dados do Metrô, somente a abertura das estações Vila Prudente e Oratório já irá reunir cerca de 13.500 usuários na continuação da Linha 2. Prevista para operar totalmente em 2016, o novo trecho deverá beneficiar mais de meio milhão de pessoas.

Vigas de sustentação na Av. Anhaia Melo: obra rápida e barata
As obras, em sua primeira parte, estão bastante adiantadas. Durante todo o trajeto, todas os pilares já estão posicionados para receberem as vigas e as barras por onde deslizarão os 54 trens Bombardier Innovia 300, do Monotrilho de São Paulo. O trânsito local é bastante denso e segundo expectativas, essa obra irá desafogar a concentração local, além de propiciar para os usuários uma viagem de até 50 minutos, num trecho que hoje é feito em mais de duas horas de ônibus.

Obra da futura estação Oratório: grande parte já está pronta
Já no canteiro central de obras da futura estação Oratório, pudemos observar a grandeza e a excelência que teremos nessa nova linha: uma estação com linhas harmoniosas, com detalhes e com posição diferenciada. Segundo informações do engenheiro, a obra está em bom andamento e ainda ontem, estavam num ritmo mais acelerado. Trabalhadores estavam em todos os cantos, desde a estrutura do teto da nova estação até as bases, cada um exercendo sua função, para entregar o quanto antes essa nova parada.

Detalhes da nova estação Oratório
Gostaria de agradecer à todos os blogueiros e líderes de redes sociais que participaram do evento, contribuindo com ideias, comentários e com as brincadeiras de sempre. Agradecer também ao Metrô de São Paulo, pela fidelização e pela confiança em nós, que noticiamos diariamente as novidades da Companhia (em especial ao pessoal da operação, comunicação e relacionamento com a comunidade).

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Linha 15 deverá ajudar quase um milhão de usuários


Fonte: Portal Mobilize

Além, disso, Alckmin anunciou também o edital de obras para a construção da Linha 15 - Branca do metrô na capital paulista que, segundo o Governo do Estado, beneficiará 900 mil pessoas.

"No dia 31 de agosto, sexta-feira, nós lançaremos o edital de pré-qualificação de uma nova linha do metrô, que é a Linha 15 - Branca, que sai de Vila Prudente e, com mais de 13 km de extensão, passa por 17 novas estações, como Vila Formosa, Tatuapé, Tiquatira e vai até a Dutra. Vamos ter uma estação na beira da Dutra", afirmou o governador do Estado de São Paulo.

De acordo com Alckmin, hoje em dia, o metrô tem 74 km de linhas, além dos 58 km em obras. São 24 km na Linha 2, outros 4 km na Linha 4, mais 11,5 na Linha 5 e outros 18 km de monotrilho na Linha 17. O governador disse ainda que existem 67 km de obras programados, sendo 34 km na Linha 6, mais 20 km na Linha 18 e outros 13 km na Linha 15.

A ideia do governo paulista é iniciar as obras da Linha 15 - Branca ainda no primeiro semestre de 2013. "Não é PPP (parceria público-privada). É obra pública e esperamos no primeiro semestre do ano que vem dar início às obras. Será a quinta linha em obra do metrô. E esperemos lançar mais duas linhas, a 6 e a 18, mas essas um pouco mais pra frente", explicou Alckmin.

O secretário de transportes do Estado, Jurandir Fernandes, também esteve na inauguração dos trens e disse que a nova Linha Branca deverá ser entregue em 2016, beneficiando 900 mil usuários. "Essa linha vai aliviar muito a Linha 3 - Vermelha. Queremos lançar o mais rápido possível, mas uma obra de metrô é muito demorada. O que já passou foi bem demorado, mas agora vamos contratar a obra. Serão 17 estações enterradas, integrando a Linha 2, a Linha 3, a futura Linha 6 e a Linha 12 da CPTM", afirmou Fernandes.

O secretário disse ainda que o custo total de uma obra desse tipo é orçado em R$ 4 bilhões. "O custo que estamos falando é da obra civil, que é de R$ 1,2 bilhão. Não estamos colocando frota, sinalização, etc. Hoje, uma obra toda enterrada está em torno de R$ 450 milhões, portanto o custo global dela com tudo fica em torno de R$ 4 bilhões", explicou.

Com a entrega desses três novos trens, o número de carros entregues chega a 77. De acordo com o Governo do Estado, outros 28 estarão em uso gradativamente até 2013. "Vamos ter três novos trens todo mês, então completaremos 105 trens, cada um com oito carros e todos zero km", disse Alckmin.

Monotrilho vai passar por linhas de alta tensão


Fonte: Folha de São Paulo

O monotrilho da linha 18-bronze do Metrô, que vai ligar a zona leste da capital ao ABC, tem pela frente no seu traçado, entre outros obstáculos, linhas elétricas de alta tensão em seis lugares.
O trem ainda irá cortar bairros residenciais e desapropriar dois campos de clubes de futebol tradicionais, um deles reformado recentemente por R$ 2 milhões.

As informações estão no EIA-Rima (estudo de impacto ambiental) apresentado pelo Metrô para obter o licenciamento ambiental prévio da obra -ele cita o caso das torres de energia como importante interferência na infraestrutura urbana no ABC.
Como o trem vai circular a uma altura média de 20 metros em todo o trajeto, é impossível que a nova construção e as torres de alta tensão dividam o mesmo espaço.

Os impactos da obra, que deverá ficar pronta, na primeira fase, em 2015, preocupam moradores de São Bernardo do Campo há um ano. A estação Baeta Neves, por exemplo, está projetada sobre a torre de um condomínio de alto padrão, recém-entregue aos compradores. O estudo inicial errou ao apresentar a área como desocupada.
Os moradores da região que temem pelo barulho do futuro trem também não estão totalmente errados, indica o estudo. O texto cita a necessidade de que sejam feitos, pelo governo, constantes programas de monitoramento do barulho do monotrilho.

Outros dois problemas são as possíveis desapropriações do Lavínia Esporte Clube e do Triângulo Esporte Clube. A sede do Lavínia acaba de ser reformada. No ano passado, o próprio prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), inaugurou o centro esportivo. A prefeitura investiu mais de R$ 2 milhões na reforma.

No total, estima o estudo de impacto ambiental, vão ser desapropriados 203 mil m². Quase 40% da área é classificada como residencial.

Outro lado
Por meio de nota, o Metrô informa que "as informações preliminares não podem ser tomadas como definitivas" e que apenas no projeto executivo é que as desapropriações e a solução para as linhas de transmissão de energia serão totalmente definidas.

Mudanças radicais no EIA-Rima, no entanto, podem exigir um novo processo de licenciamento ambiental.

Toda a linha será construída por meio de uma parceria público-privada. As propostas dos consórcios interessados na obra é que terão peso decisivo no trajeto, desapropriações e locais de estações.

SP quer encerrar mandato com R$ 8 bi em metrô e trens


Fonte: Revista Ferroviária

O governo do Estado de São Paulo pretende chegar ao último ano de mandato (2014) com investimentos de pelo menos R$ 8 bilhões no metrô da capital e no sistema de trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

No ano passado, os recursos somaram R$ 2,9 bilhões e neste ano devem ficar próximos de R$ 5 bilhões. As afirmações foram feitas nesta quarta-feira pelo secretário de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, Jurandir Fernandes, que participou de evento no Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo (SEEP). "É um desafio enorme, mas tem de ser feito", disse.

Fernandes disse que hoje o Estado já possui financiamentos contratados de cerca de R$ 14 bilhões para projetos no setor e que até dezembro esse número deve subir para R$ 18 bilhões.

Durante palestra, ele fez uma ressalva sobre o sistema de tarifa integrada para os usuários do metrô e da CPTM. De acordo com ele, no começo da década, 64,2% dos usuários da CPTM eram pagantes diretos do sistema. Hoje, devido à integração com as estações do metrô, esse porcentual recuou para 55,7%. "Há de se rever com muito cuidado a política tarifária", afirmou.

sábado, 18 de agosto de 2012

Concurso cultural 'Tá pintando um novo Metrô'


Na abertura da exposição da maquete do trem do monotrilho da Linha 2- Verde foi feito o lançamento do concurso “Tá Pintando um Novo Metrô”. Pelo site www.tapintandoumnovometro.com.br os interessados em participar podem enviar suas propostas para pintura do trem e também votar em sua preferida. O artista mais votado terá sua criação aplicada nos novos trens do monotrilho da extensão da Linha 2-Verde

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Expansão do Metrô aumenta lucro da CCR


Fonte: Jornal Floripa

A CCR registrou lucro líquido de R$ 224,2 milhões no segundo trimestre, alta de 37% na comparação com o ano passado, puxado principalmente pela expansão do metrô em São Paulo.
A receita líquida foi de R$ 1,31 bilhão, crescimento de 10,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

Contribuiu com a alta da receita a expansão da linha 4-amarela do metrô paulistano. A subsidiária ViaQuatro, que opera a linha, conta agora com mais quatro estações no portfólio.

Com a ampliação, o faturamento saltou de R$ 2,6 milhões para R$ 39,4 milhões.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Maquete em tamanho natural do monotrilho da Linha 2 já poderá ser visitada


Fonte: Metrô de São Paulo

Nesta quinta-feira, dia 16, às 10h, o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, acompanhado pelo diretor-presidente da Companhia do Metrô, Peter Walker, abrirá a exposição de maquete, em tamanho natural, do trem que circulará no prolongamento em monotrilho da Linha 2- Verde, entre Vila Prudente e Cidade Tiradentes.

O módulo, uma réplica dos carros que estão sendo fabricados pela Bombardier na cidade de Hortolândia, no interior paulista, poderá ser visitado de quarta a sábado, das 10 às 19 horas, e aos domingos, das 10 às 17 horas.

São Paulo será a primeira cidade do mundo a receber um monotrilho de alta capacidade. A linha, que está sendo construída pelo Consórcio Expresso Monotrilho Leste, atenderá a uma demanda de até 48 mil usuários por hora e por sentido, o que equivale a meio milhão de pessoas diariamente. Quando ela estiver totalmente implantada, o percurso entre Vila Prudente e Cidade Tiradentes, feito atualmente em mais de duas horas, será percorrido em apenas 50 minutos.

O primeiro trecho da obra, da Estação Vila Prudente à região do bairro do Oratório, tem previsão de entrega para 2013.

SERVIÇO

DATA: 16 de agosto de 2012, quinta-feira

HORÁRIO: 9h30h

LOCAL: Estação Vila Prudente da Linha 2- Verde do Metrô, localizada na Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, nº 1.359, Vila Prudente – São Paulo

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Metrô SP contrata estudos para cinco novas linhas


Fonte: Revista Ferroviária

O Metrô de São Paulo abriu seis processos licitatórios nas últimas semanas para contratar estudos para cinco novas linhas e ampliações em projetos já em execução, totalizando 101,8 novos km. Os novos trajetos fazem parte do programa de desenvolvimento e crescimento do Metrô entre os anos de 2016 e 2030 e contemplam especialmente a Zona Norte da cidade com três linhas além da 6-Laranja, cuja execução já começou.

Se toda essa quantidade de linhas realmente sair do papel, o Metrô poderá dobrar os 100 km de rede que imagina ter em 2014, com inaugurações como a Linha 17-Ouro, na Avenida Jornalista Roberto Marinho - hoje são 74,3 km de linhas na capital.

Os projetos funcionais custarão R$ 22,8 milhões. Eles servem para determinar, por exemplo, o real trajeto da linha e a localização das estações. Durante os estudos, porém, podem ocorrer várias alterações de projeto.

Os novos estudos contemplam regiões que hoje não dispõem de serviços de transporte sobre trilhos. Uma das linhas, a Celeste-19, está prevista para sair de Guarulhos, passar por bairros da Zona Norte como a Vila Maria e chegar até o Campo Belo, na Zona Sul de São Paulo.

A linha servirá à população de Guarulhos e não especificamente aos usuários do aeroporto de Cumbica. Para isso, o governo do Estado mantém em projeto a criação de duas linhas de trem. Uma delas terá poucas paradas e se chamará Expresso Aeroporto, que deverá ser construído em parceria com a iniciativa privada. Segundo o governo do Estado, é preciso primeiro ver como ficará o projeto do trem bala, da União, para saber a viabilidade do projeto estadual.

A Zona Norte de São Paulo poderá receber também a Linha 23, que vai cruzar toda a Zona Norte paralelamente à Marginal Tietê, ligando a Lapa à Rodovia Presidente Dutra. E ainda a Linha 16, que deverá ligar a região do Ipiranga à Cachoeirinha.

O bairro do Ipiranga também deverá ser contemplado mais de uma vez. Isso porque um dos estudos a serem contratados se refere à expansão do monotrilho da Zona Leste até a Estação Ipiranga da CPTM. A previsão anterior era de que terminasse na Estação Vila Prudente, da Linha 2-Verde.

Proximidade
Se as licitações abertas são para linhas que ainda podem demorar para sair, outros projetos do Metrô são mais factíveis e estão mais próximos de sair do papel. É o caso da Linha 6-Laranja, a primeira que passará pela Zona Norte da cidade antes da construção das demais previstas. O governo do estado já decretou diversas desapropriações para a execução dessa obra. A primeira fase da Linha 6-Laranja contempla o trecho de Vila Brasilândia a São Joaquim e tem previsão para entrega após 2014.

O governo do estado já constrói também a Linha 17-Ouro em formato de monotrilho, na Avenida Jornalista Roberto Marinho. O primeiro trecho, ligando a Marginal Pinheiros ao aeroporto de Congonhas, está previsto para ficar pronto em 2014.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Serviço “Direto do Metrô” agora mostra status da operação da Linha 4-Amarela


Fonte: Metrô

O serviço “Direto do Metrô”, que fornece informações sobre a operação das linhas em tempo real no website da Companhia (www.metro.sp.gov.br), agora traz a condição de funcionamento da Linha 4-Amarela, operada pela concessionária privada ViaQuatro. 

Além de acompanhar o status operacional das linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 5-Lilás, operadas pelo Metrô de São Paulo (informações que estão disponíveis desde março de 2011, quando o serviço foi implantado), os internautas também poderão visualizar se a operação da Linha 4-Amarela está normal ou se há alguma alteração ou interrupção da circulação de trens.

O serviço foi disponibilizado por meio de parceria entre o Metrô e a concessionária ViaQuatro para reunir as informações de todas as linhas metroviárias nos dois websites (www.metro.sp.gov.br e www.viaquatro.com.br).  Dessa forma, o site da concessionária ViaQuatro também mostra as condições de operação das quatro linhas operadas pelo Metrô de São Paulo.

O “Direto do Metrô” também possui um “widget”, aplicativo que pode ser baixado no site da Companhia para o desktop do computador: http://www.metro.sp.gov.br/sua-viagem/direto-metro/index.aspx.

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Metrô realiza nova sessão de testes do novo sistema de controle de trens na Linha 2- Verde


Fonte: Metrô

O Metrô dará continuidade no próximo domingo (12 de agosto) aos testes do sistema CBTC (Controle de Trens Baseado em Comunicação) na Linha 2- Verde (Vila Prudente-Vila Madalena). Nesse dia, para a execução dos testes, as estações Vila Prudente, Tamanduateí e Sacomã ficarão fechadas ao público de 4h40 ao meio-dia.
Nesse período, os usuários serão atendidos gratuitamente por ônibus do sistema PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência), que cobrirão o percurso do trecho interrompido.

O CBTC é considerado o sistema de controle de trens mais moderno do mundo e está em operação em linhas de metrôs nas cidades de Nova York, Londres e Paris, entre outras. Quando esse sistema estiver funcionando plenamente, o intervalo entre um trem e outro será reduzido e a capacidade de transporte ampliada em cerca de 20%.

Os dias escolhidos para a realização dos testes são domingos, devido ao menor número de usuários que utilizam os trens e estações metroviárias. Para informar os usuários, o Metrô está divulgando mensagens sonoras pelos sistemas de som das estações e dos trens e também por meio de cartazes.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Metrô SP licita projetos das linhas 16, 19 e 20


Fonte: Revista Ferroviária

A Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô SP) divulgou, na sexta-feira, 03/08, a abertura das concorrências internacionais para a elaboração dos projetos funcionais para as futuras linhas 16-Cinza, 19-Celeste e 20-Rosa.

Os interessados deverão entregar as propostas até os dias: 18 de setembro de 2012 - Linha 20-Rosa; 20 de setembro de 2012 - Linha 19-Celeste; e 21 de setembro de 2012 - Linha 16-Cinza.

A Linha 16-Cinza do Metrô SP está planejada para ter 8 km de extensão e 10 estações, ligando a estação Lapa à futura estação Cachoeirinha, passando pelos bairros de Nossa Senhora do Ó, Vila Dionísia e Jardim Primavera, todos na Zona Norte.

Já a Linha 19-Celeste terá 25,9 km, com 23 estações e vai ligar a futura estação CECAP, em Guarulhos, a estação Água Espraiada, na Zona Sul, onde fará conexão com a Linha 5-Lilás.

Por fim, a Linha 20-Rosa ligará a futura estação Lapa, na Zona Oeste, a estação Moema, na Zona Sul, onde fará integração com a Linha 5-Lilás do Metrô, passando pela futura estação de Juscelino Kubistcheck Linha 19-Celeste, e estação Faria Lima da Linha 4-Amarela. Ao todo a linha terá 12,3 km de extensão e 13 estações.

As três licitações serão do tipo “técnica e preço”, onde serão avaliados os melhores projetos técnicos e o menor preço.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Portas automáticas do metrô não funcionam há dois anos na Vila Matilde


Fonte: Estadão
Texto de Leandro Machado

Previstas incialmente para serem entregues em junho de 2010 para evitar o acesso de usuários à via férrea, as portas automáticas da estação do metrô Vila Matilde (zona leste de São Paulo) ainda não funcionam.
Assim como acontece nas estações da nova linha 4-amarela, as portas de vidro deveriam abrir apenas quando o trem parasse na plataforma. Não é o que acontece em Vila Matilde: apesar de instaladas, elas se mantêm sempre abertas, deixando livre o caminho até a via.

“É uma coisa boa ter essas portas. O problema é que elas não funcionam há anos, não entendo. A segurança só existiria se funcionassem direito”, diz o aposentado José Nardo, 70, morador da região.
Durante os oito meses de instalação em 2010, os usuários da linha 3-vermelha do metrô (Barra Funda-Itaquera) precisavam fazer o percurso entre as estações Penha e Guilhermina-Esperança por um ônibus cedido pela estatal.

“Tive que fazer isso principalmente nos fins de semana, atrapalhava muito”, lembra-se Luan Araújo, 22, estudante e morador de Cidade Tiradentes, também na zona leste.

Em janeiro de 2011, o metrô suspendeu o contrato com a empresa responsável pela instalação, a Trends Engenharia e Infraestrutura, que teve problemas financeiros e por isso atrasou a entrega.

Outras 12 estações da linha ganhariam as portas. O contrato era de R$ 71,4 milhões. Segundo o metrô, a Trends Engenharia foi multada em 10% desse valor.

A previsão da estatal é que as portas entrem em funcionamento em setembro deste ano.

domingo, 5 de agosto de 2012

Pesquisa de Mobilidade da Região Metropolitana de São Paulo 2012 começa amanhã


Fonte: Metrô

A partir da próxima segunda-feira, dia 6, 100 pesquisadores contratados pelo Metrô visitarão os 8.100 domicílios que foram sorteados por amostragem para participar da Pesquisa de Mobilidade da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) 2012.

As visitas, que acontecerão nos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo, terminam no dia 20 de dezembro deste ano, segundo previsão do Metrô.

A pesquisa orientará os investimentos, o desenvolvimento e a estruturação dos transportes e permitirá identificar as viagens diárias da população, traçando uma radiografia dos fluxos de deslocamentos na Região Metropolitana de São Paulo. O resultado obtido, através da análise dos dados, subsidiará o planejamento da rede de transporte metropolitano.

Os pesquisadores estarão identificados por crachá e colete  exclusivos, mas os interessados em mais informações podem ligar para os telefones 3371-7274 ou 3371-7275, de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h30 e das 13h às 16h30.

Av. Jornalista Roberto Marinho é interditada parcialmente para obras do monotrilho da Linha 17-Ouro


Fonte: Metrô

O Metrô informa que, a pedido do consórcio Monotrilho Integração, responsável pelas obras da Linha 17-Ouro em monotrilho, a CET interditará parcialmente, a partir das 17h de domingo (5/8), duas faixas da av. Jornalista Roberto Marinho, junto ao canteiro central, nos dois sentidos, entre a rua Ribeiro do Vale e a av. Portugal.

A interdição ocorrerá de forma gradativa, compreendendo as seguintes etapas:

05/08/2012 (domingo) a partir das 17h00 - interdição das duas faixas de rolamento da esquerda no sentido Jabaquara - Marginal Pinheiros, entre a av. Portugal e rua Califórnia.

06/08/2012 (segunda-feira) a partir das 22h00 - interdição das duas faixas de rolamento da esquerda no sentido Jabaquara - Marginal Pinheiros, entre as ruas Califórnia e Ribeiro do Vale.

07/08/2012 (terça-feira) a partir das 22h00 - interdição das duas faixas de rolamento da esquerda no sentido Marginal Pinheiros - Jabaquara, entre as ruas Gabriel de Lara e Brito Peixoto.

08/08/2012 (quarta-feira) a partir das 22h00 - interdição das duas faixas de rolamento da esquerda no sentido Marginal Pinheiros - Jabaquara, entre a rua Brito Peixoto e av. Portugal.

Essas interdições têm duração estimada de 24 meses e objetivam possibilitar a execução das fundações dos pilares da futura linha do Metrô. Com as ocupações, os veículos que trafegarem pela av. Jornalista Roberto Marinho nessa região serão deslocados para o lado direito da via, passando a circular em três faixas de rolamento.

sábado, 4 de agosto de 2012

Metrô realiza nova sessão de testes do novo sistema de controle de trens na Linha 2-Verde


Fonte: Metrô

O Metrô dará continuidade no próximo domingo (5 de agosto) aos testes do sistema CBTC (Controle de Trens Baseado em Comunicação) na Linha 2- Verde (Vila Prudente-Vila Madalena). Nesse dia, para a execução dos testes, as estações Vila Prudente, Tamanduateí e Sacomã ficarão fechadas ao público de 4h40 ao meio-dia.

Nesse período, os usuários serão atendidos gratuitamente por ônibus do sistema PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência), que cobrirão o percurso do trecho interrompido.

O CBTC é considerado o sistema de controle de trens mais moderno do mundo e está em operação em linhas de metrôs nas cidades de Nova York, Londres e Paris, entre outras. Quando esse sistema estiver funcionando plenamente, o intervalo entre um trem e outro será reduzido e a capacidade de transporte ampliada em cerca de 20%.

Os dias escolhidos para a realização dos testes são domingos, devido ao menor número de usuários que utilizam os trens e estações metroviárias. Para informar os usuários, o Metrô está divulgando mensagens sonoras pelos sistemas de som das estações e dos trens e também por meio de cartazes.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Metrô de SP, sempre na vanguarda da tecnologia



Fonte: Revista Ferroviária
Texto de Peter Alouche

O Metrô de São Paulo sempre acompanhou, na sua tecnologia, o estado da arte do que havia de mais avançado no mundo o que, em grande parte, explica o seu sucesso operacional. É graças à sua tecnologia que o Metrô pode ter uma capacidade de oferta de transporte, considerada uma das mais elevadas do mundo (quase 4,5 milhões de passageiros transportados por dia, numa rede de 75 km com 5 linhas –  incluindo a Linha 4-Amarela).

De fato, é com sua tecnologia avançada que o Metrô consegue atender tantos usuários com um serviço de qualidade e a um preço acessível, garantindo um nível máximo de segurança,  tanto no que se refere à segurança operacional do transporte quanto à segurança pública contra o vandalismo e criminalidade. 

Qualidade do transporte se traduz em regularidade da oferta, com um intervalo entre composições (headway) que chega a 90 seg ou menos nas horas de pico e com uma velocidade comercial (30 a 40 km/h) e tempo de viagem assegurados. Isto requer uma alta confiabilidade e disponibilidade dos equipamentos (material rodante, subestações, equipamentos fixos, bilhetagem, escadas rolantes, etc) exigindo uma manutenção rigorosa, de primeira classe, tanto preventiva quanto corretiva e uma rapidez na atuação e restabelecimento da normalidade em situações de falhas, incidentes ou emergências.

Uma tecnologia que respeita ao máximo o meio ambiente, quanto à poluição ambiental, ruído, vibrações e economia de energia, além de atender a todas as pessoas, independente de suas limitações de mobilidade, garantindo total acessibilidade para idosos ou com alguma deficiência física. Qualidade de transporte significa também conforto na integração física, operacional e tarifária com os outros modos de transporte e um sistema de informações “on line” ao usuário, amplo e atrativo, nos trens,  estações e terminais. Sem falar da limpeza e de elementos complementares importantes como “arte” para tornar os ambientes agradáveis e culturalmente atrativos.  Esses conceitos de serviço não existiam no Brasil na década de 70, quando São Paulo iniciou sua grande aventura de construir o seu Metrô.

Essa aventura teve marcos significativos e pioneiros na engenharia, como a utilização, já nos anos 70, de tecnologias avançadas de construção civil. Graças ao Metrô a Engenharia brasileira domina com perfeição os métodos construtivos de trincheira, túneis mineiros e escavação mecanizada com uso de “tuneladoras” (máquinas shield). A memorável implosão do Mendes Caldeira é fato histórico do passado.

Mas foi no seu material rodante e nos seus sistemas operacionais que o Metrô mostrou sua ousadia e muita coragem. Foi um dos primeiros do mundo a adotar a condução e supervisão automática dos trens com um Centro de Controle totalmente informatizado, inédito para a época. A evolução desses sistemas acompanhou o estado da arte ao longo dos anos na renovação das linhas mais antigas, mas foi a partir da especificação da Linha 4-Amarela com a adoção da operação com automatismo integral, sem condutor nos trens, é que o Metrô de São Paulo se coloca na vanguarda tecnológica mundial nos seus sistemas de automação. Adota o modo de condução “Unattended Operation” –UTO -, aplica na sinalização o sistema a bloco móvel, o CBTC, com comunicação por rádio e instala nas plataformas, portas automáticas, que dão total segurança aos usuários. Na especificação de seu material rodante e equipamentos fixos, para sua garantia operacional, segue as tecnologias aeroespaciais RAMSI*.

A população acompanha esse desenvolvimento com muito entusiasmo. Basta observar, evidentemente quando a lotação não está no seu máximo, as pessoas circularem admiradas nas novas estações, contemplarem as belíssimas obras de arte e ao chegar nas plataformas, esperarem  com tranquilidade frente às magníficas portas automáticas, o trem chegar.

Todo sucesso tem seu preço e as tecnologias avançadas seus grandes desafios. O preço que o Metrô está pagando pelo seu sucesso é a superlotação. Vítima de ser, para muitos, a única alternativa boa de transporte e de ter atraído para suas estações milhares  de usuários provindos de outros modos ou incluídos no sistema, graças ao bilhete único, a rede metroviária se tornou rapidamente absolutamente insuficiente face à demanda. E apesar da tecnologia fazer milagres, inclusive com o aumento da oferta pela diminuição do intervalo entre composições, só uma rede integrada, com mais linhas de metrô, implantação de linhas de monotrilhos, VLTs e de um sistema de corredores de ônibus bem estruturados, poderá aliviar essa situação.

Quanto à tecnologia moderna e avançada, esta tem seus grandes desafios. Uma vez bem escolhida e implantada, ela exige uma boa gestão operacional, uma rigorosa manutenção e uma contínua renovação. A tecnologia que, cada vez mais se baseia na informática e nas telecomunicações, supostamente considerada infalível – no mínimo “fail-safe”, tem seus momentos de fraqueza (que costumo chamar, de acidente tipo AVC).  Uma boa gestão das ocorrências, ágil e competente, é elemento fundamental para que as falhas “normais” ou “imprevistas” que ocorrem em qualquer sistema não se tornem no Metrô fator de catástrofe. O domínio perfeito das tecnologias, principalmente as novas, com todos seus meandros e suas “caixas pretas”, por equipes preparadas e atualizadas e constantemente recicladas, é talvez hoje o grande desafio do Metrô. Porque Tecnologia requer conhecimento, muita coragem e muita humildade.

Seguidores