terça-feira, 29 de maio de 2012

Blog prepara série de rifas para leitores

Vagão HPT da Rumo Logística será o primeiro prêmio
Por Diego Silva

Caros leitores, vamos começar uma nova forma de interação com vocês. Hoje, calhou uma ideia de poder rifar alguns prêmios para vocês que acompanham meu blog diariamente. Ao mesmo tempo, poderei quitar alguns débitos para poder manter a página ativa para vocês. Não pensem que manter um blog sai barato...

Funcionará da seguinte maneira: todos os meses, um presente do blog será rifado para vocês, a um preço acessível. Em junho, iremos rifar um vagão HPT da Rumo Logística, em escala HO, fabricado pela Frateschi. A rifa custará apenas R$ 3,00 e os valores poderão ser depositados em conta corrente. 

Se o ganhador residir em São Paulo, o prêmio será entregue em mãos, em qualquer estação do sistema CPTM/Metrô. Caso o vencedor seja do interior de São Paulo ou de outro estado, o prêmio será enviado via Correio, sem custos adicionais. Quem quiser participar, mande um email para metrosp.emfoco@hotmail.com, para receber maiores instruções.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Governador diz que não haverá aumento nas tarifas


Fonte: Estadão

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, se mostrou satisfeito na noite desta quarta-feira com o desfecho da greve dos transportes do Estado, que envolveu o metrô da cidade e trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Segundo ele, o aumento real para os metroviários ficou próximo da proposta do governo, de 1,5% e, que, portanto, não haverá aumento da tarifa do metrô para os usuários.

Ele disse ainda que os trens da CPTM voltariam a funcionar normalmente a partir das 22 horas desta quarta-feira. "A greve não tinha sentido porque ainda estávamos em audiência. O prazo para o dissídio era até 31 de maio", reforçou. O governador participa do lançamento do arquivo digital do jornal O Estado de S. Paulo, em cerimônia no Auditório Ibirapuera, na capital paulista.

Grevista não perderá dia de trabalho



Fonte: Estadão

A Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) não vai descontar o dia parado dos grevistas. O compromisso foi firmado durante a audiência de conciliação realizada no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). 

Os metroviários ainda pediram que a Justiça reconsidere a multa de R$ 100 mil, por descumprimento de ordem judicial. O valor foi estabelecido em liminar pela desembargadora Anélia Li Chun, vice-presidente do TRT da 2.ª Região, que conduziu na terça-feira, 22, a audiência de conciliação entre Metrô e funcionários. Ela havia decidido que, em caso de greve, os funcionários deveriam manter 100% do efetivo nos horários de pico (das 5h às 9h e das 17h às 20h) e 85% nos demais horários.

O mérito do caso ainda deve ser julgado pelo TRT da 2.ª Região. Por enquanto, não há parecer ser a greve foi legal ou não. Caso seja mantida a penalização, a categoria deve recorrer. O Metrô requereu à Justiça que, por causa do descumprimento da decisão sobre a manutenção do efetivo, o valor da multa fosse mudado para R$ 1 milhão. E a cobrança da multa fosse feita automaticamente, de forma online. Mas a decisão também só sairá quando o mérito for julgado.

Em 2007, a Justiça entendeu que a greve feita em agosto do ano anterior teve como única motivação a defesa de posição política. Por isso, condenou o Sindicato dos Metroviários a pagar multa de R$ 100 mil por greve abusiva. A paralisação havia ocorrido como protesto em relação ao processo de Parceria Público-Privada(PPP) para a operação da Linha 4-Amarela. Na época, os metroviários descumpriram liminar do TRT-SP que determinava a circulação de 100% da frota de trens de cada linha entre 6h e 9h e entre 16h e 19h e 80% nos demais horários. Além da multa, o despacho autorizou o Metrô a descontar o dia dos grevistas.

No ano passado, funcionários do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) pararam todas as estações de São Paulo. Mas encerraram o protesto após o Tribunal Regional do Trabalho elevar a multa diária de R$ 100 mil para R$ 200 mil.

Ministério Público
Com base na decisão da desembargadora, as Promotorias de Justiça do Consumidor, de Habitação e Urbanismo, e do Patrimônio Público e Social também instauraram nesta quarta-feira, 23, inquérito civil para apurar as responsabilidades dos sindicatos dos metroviários e dos ferroviários. O processo foi aberto pelos promotores de Justiça Gilberto Nonaka (Consumidor), Mauricio Antonio Ribeiro Lopes (Habitação e Urbanismo) e Valter Foleto Santin (Patrimônio Público e Social), considerando que houve descumprimento de decisão judicial.

"Semelhante desrespeito, a par das consequências que devam ser suportadas pelos sindicatos naquele âmbito, atingem diretamente o interesse coletivo ao transporte público - serviço essencial à população - conspirando contra as desejadas condições de mobilidade urbana e à adequada e eficaz prestação dos serviços públicos", dizem os promotores.

Para eles, o movimento também causou "violação aos direitos dos usuários do Sistema Nacional de Mobilidade Urbana". "Especialmente quanto a receber o serviço adequado; ser informado nos pontos de embarque e desembarque de passageiros, de forma gratuita e acessível, sobre itinerários, horários, tarifas dos serviços e modos de interação com outros modais e ter ambiente seguro e acessível para a utilização do Sistema de Mobilidade Urbana."

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Metroviários encerram greve em SP


Fonte: UOL

Os metroviários votaram na tarde desta quarta-feira pelo fim da greve e a volta ao trabalho ainda hoje (23). A proposta foi defendida em assembleia pelo presidente do sindicato dos metroviários, Altino de Melo Prazeres Júnior, que considerou "razoável" a nova contraproposta do Metrô, de reajuste de 6,17%, mais o reajuste de alguns benefícios. "É importante essa conquista, mas não é uma vitória, pois foi uma conquista nos avanços. Chegamos aonde foi possível. Apesar de não ser a ideal, uma maravilha, nos coloca em pé para enfrentar o governo", disse Altino.

Na audiência de conciliação realizada no início da tarde desta quarta-feira, foi definida a proposta de reajuste salarial da categoria em 6,17%. Além disso, o Metrô indicou que reajustará o valor do vale-alimentação (de R$ 158,57 para R$ 218) e do vale-refeição (de R$ 19 para R$ 23) e aumentará adicional de risco de vida para seguranças e agentes de estação de 10% para 15% do salário nominal. Todos os índices estão abaixo do que queriam os grevistas, mas foram estipulados na recomendação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Na audiência entre sindicato e Metrô, a categoria solicitou o pagamento do dia não trabalhado durante a greve e a companhia concordou.

Metroviários decidem pelo fim da greve


Por Diego Silva

Os metroviários decidiram em assembleia agora há pouco pelo fim da greve em São Paulo. Após a paralisação desde a meia-noite de hoje, afetando milhões de usuários, os funcionários receberam contato do governador Geraldo Alckmin, solicitando para retornarem ao trabalho. Logo mais, notícias sobre a circulação dos trens nas linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha. A linha 5-Lilás está funcionando normalmente.

Greve Metrô 2012: Metroviários estão em Assembleia nesse momento


Os metroviários estão reunidos nesse momento para decidir se terminam ou continuam a greve. O blog está acompanhando o andamento das negociações.

Greve Metrô 2012: Governador fala em ir até as últimas consequências


Fonte: UOL

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse que irá "até as últimas consequências" para garantir o cumprimento de ordem da Justiça que determinou aos metroviários trabalhar com 100% da frota nos horários de pico durante a greve

Em entrevista à TV Globo, o tucano vinculou a greve ao calendário político --neste ano haverá eleições municipais. "Ano passado não teve eleição nem nenhuma greve, este ano tem (eleição e greve). Será que é só coincidência?", disse o tucano. A declaração lembra o ''coincidência'' usado por Soninha Francine nas eleições de 2010

Para o governador, o descumprimento da decisão do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) é "uma medida político-eleitoreira irresponsável". "Justiça é para ser cumprida, e nós vamos até as últimas consequências (para garantir o cumprimento da decisão judicial). Senão, vira bagunça", afirmou Alckmin, em entrevista à Rádio Bandeirantes.

O governador disse ainda que o governo tem "disposição de diálogo", mas está "pronto para cumprir ordem judicial". Posteriormente, em entrevista à TV Band News, Alckmin falou que o governo "vai agir de forma firme para defender a população". Nas duas entrevistas, o tucano não especificou que medidas o governo pode adotar.

Sindicalista nega descumprimento

Ouvido pela Band News, o presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino de Melo Prazeres, negou a versão do governador. "Negociamos há três meses. Ontem [terça-feira], foi feita uma proposta pela Justiça, é bom que se diga. E foi bem menor do que o que nós trabalhadores pedimos", disse. Segundo o sindicalista, os trabalhadores aceitaram a proposta do TRT, mas o Metrô, não. "A hora que o metrô disser que aceita o que a Justiça determinou, temos total disposição em voltar pra trabalhar." 

Alckmin, por sua vez, disse que os salários dos trabalhadores do Metrô são "mais que razoáveis" e defendeu a política de reajuste salarial da companhia. "Todo ano damos aumento acima da inflação e ganho real aos trabalhadores", afirmou o governador à Globo. Segundo ele, um reajuste salarial nos termos do sindicato refletiria em aumento da passagem de metrô. "Por isso, nossos aumentos são maiores que a inflação, mas permitem ao metrô ter saúde financeira." 

Após acordo em reunião no TRT nesta quarta-feira (23), os metroviários farão assembleia para decidir se continuam com a greve.

A greve

Segundo o Metrô, a linha 1-azul está operando apenas no trecho entre as estações Ana Rosa e Luz; a linha 2-verde funciona entre as estações Ana Rosa e Clínicas; e a linha 3-vermelha opera entre as estações Bresser-Mooca e Santa Cecília. Estas linhas começaram a operar mais tarde e todas têm velocidade reduzida e maior intervalo de espera.

As linhas 5-lilás e 4-amarela (que é de concessionária privada) funcionam normalmente.

Os trens da CPTM estão parados nas linhas 11-coral (Luz/Estudantes) e 12-safira (Brás/Calmon Viana), que ligam o centro a cidades da região metropolitana.

Por volta das 7h de hoje, um grupo de usuários do metrô bloqueou a Radial Leste, em frente à estação Corinthians-Itaquera. A polícia dispersou o bloqueio com bombas de gás, e houve correria em frente à estação; um ônibus teve os pneus furados no meio da via.

Tumultos e sabotagem

Na Rádio Bandeirantes, Alckmin disse que a polícia está investigando de quem é a culpa pelos tumultos que aconteceram na manhã desta quarta-feira (23) em estações do Metrô. Citando vandalismo na estação Francisco Morato da CPTM, Alckmin falou em "investigar caso a caso", mas insinuou motivação política para as ações. "Não foi usuário. Usuário não depreda estação."

Perguntado sobre uma possível relação entre a greve de agora e o acidente no Metrô na semana passada, o governador disse que há sabotagem em linhas da CPTM e do Metrô. “Tivemos casos em que os fios foram cortados e caixas de transmissão quebradas (...) para parar o sistema.” 

Ao comentar especificamente a colisão entre trens da semana passada, porém, Alckmin falou que são situações diferentes. “Neste caso não houve sabotagem, foi um acidente.”

Congestionamento recorde

A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) suspendeu o rodízio municipal de veículos e, com isso, muitos moradores deixaram suas casas de carro.

Às 10h havia 249 km de vias congestionadas na cidade. A marca já é a maior em toda a história de São Paulo durante a manhã. O recorde anterior havia sido registrada no dia 4 de novembro de 2004, quando a cidade teve 191 km de trânsito carregado às 9h30.

A zona sul concentrava quase metade do trânsito mais pesado na capital, com mais de 120 km de vias congestionadas.

Greve Metrô 2012: Metrô e sindicato chegam a acordo, e greve em São Paulo pode terminar hoje


Fonte: UOL

Houve acordo na segunda audiência entre a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô-SP) e o sindicato dos metroviários do Estado, nesta quarta-feira (23), no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região, no centro da capital paulista. O fim da paralisação, porém, ainda precisa ser votado em assembleia a ser realizada na tarde de hoje.

Para resolver o impasse, o TRT propôs reajuste salarial e ganho real de 6,45%. A proposta inicial do Metrô era de 4,15% de reajuste e 0,5% de ganho real --em reunião ontem, a proposta subiu para 5,71%. Já o sindicato pedia 5,13% de reposição e 14,99% de aumento real. O Metrô, entretanto, foi irredutível e ofertou hoje 6,17% de reajuste e ganho real. Representantes do tribunal tentaram convencer a companhia a diluir o 0,28 ponto percentual que faltava no vale-alimentação ou no vale-refeição, mas a companhia não aceitou. O valor foi aceito pela diretoria do sindicato.

Ainda pelo acordo, o vale-refeição dos trabalhadores será reajustado dos atuais R$ 19,50 para R$ 23, o vale-alimentação vai de R$ 150 para R$ 218 ao mês, e haverá pagamento de um adicional de periculosidade de 15% sobre o salário (atualmente é de 10%). A pedido do TRT, o Metrô desistiu de descontar as horas paradas pela paralisação.

Os valores serão submetidos à apreciação da assembleia da categoria marcada para o início da tarde de hoje, no sindicado, no Tatuapé (zona leste).

O acordo não inclui os funcionários das linhas 11-coral (Luz/Estudantes) e 12-safira (Brás/Calmon Viana) da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metroplitanos), que também cruzaram os braços. Segundo o TRT, uma reunião de conciliação para discutir a greve nos trens será realizada às 17h de hoje.

“Não é a proposta ideal, mas é uma sinalização possível de acordo”, disse Altino Prazeres, presidente do sindicato.

“Várias pontos nas negociações não nos agradaram. Acreditamos que o índice defendido pelo Metrô não é uma questão econômica, mas, sim, uma questão política. Mas acreditamos que é um acordo possível, só que é a assembleia que decidirá”, afirmou Prazeres.

De acordo com ele, se os funcionários aceitarem a proposta em assembleia, as atividades serão retomadas imediatamente.

Uma das preocupações demonstrada pelo sindicato durante a audiência foi o deslocamento da torcida para o jogo entre Corinthians e Vasco, hoje à noite no Pacaembu.

Greve Metrô 2012: Companhia e sindicatos chegam a acordo em audiência na Justiça do Trabalho


Fonte: G1

Um acordo entre representantes do governo e dos sindicatos envolvidos na greve do Metrô foi fechado em reunião realizada na Justiça do Trabalho nesta quarta-feira (23) em São Paulo. A categoria paralisou atividades desde a 0h.

A greve parou trechos de linhas do Metrô ao longo do dia. A cidade registrou recorde histórico de congestionamento no período da manhã, com 249 km às 10h.

Duas linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também foram paralisadas. A audiência de conciliação entre funcionários e diretoria da companhia está marcada para as 17h desta quarta, segundo o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT).

Na reunião entre o Metrô e o sindicato, o principal ponto definido foi o reajuste salarial de 6,17%. A decisão, que pode encaminhar o fim da greve ainda nesta tarde, será agora avaliada em assembleia dos trabalhadores. Os envolvidos no impasse participaram de audiência de conciliação também no TRT, na região da Consolação. A reunião foi mediada pela desembargadora e vice-presidente do tribunal, Anélia Li Chum. O encontro começou por volta das 12h15 e terminou pouco depois das 13h30.

A Justiça do Trabalho já havia determinado, em reunião que terminou sem acordo na terça-feira (22), que o sindicato mantivesse 100% da frota funcionando durante os horários de pico e 85% nos demais horários e proibiu a liberação das catracas. Caso as determinações não fossem cumpridas, o sindicato teria que pagar multa de R$ 100 mil diários.

PROPOSTAS DA AUDIÊNCIA
SINDICATO
JUSTIÇA
METRÔ
5,37% de reajuste salarial
Reposição salarial pelo INPC
4,15% de reposição salarial pelo IPC/Fipe
14,99% aumento real
1,5% de aumento real
1,5% de aumento real
R$ 280,45 de vale-alimentação
R$ 218 de vale-alimentação
R$ 158,57 de vale-alimentação
23,44% (R$ 25,25) de reajuste no vale-refeição
R$ 23 de reajuste no VR
R$ 21 de reajuste no VR
Adicional de periculosidade em 30% dos salários
Adicional de periculosidade em 15% dos salários
Adicional de periculosidade em 10% dos salários
 
Motivações
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, havia classificado as motivações da greve no Metrô e na CPTM de "político-eleitoreira". O presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino de Melo Prazeres Júnior, rebateu a crítica e disse que a intenção do protesto não é prejudicar as pessoas.

"A intenção não era prejudicar a população, tanto que lançamos ao governo o desafio de deixar a catraca livre", comenta Altino. "Acredito que ele está tentando criar uma explição. Queremos resolver essa demanda independentemente de qual governo seja", afirmou. "Temos desacordo tanto com governo federal quanto estadual", disse.

Altino afirmou que essa é a greve com maior adesão na história do movimento sindical metroviário. Segundo ele, dos 8,6 mil funcionários, cerca de 8 mil aderiram. Ele calcula que 100% dos operadores cruzaram os braços e que os próprios gerentes e supervisores mantêm em funcionamento trecho de linhas.

O dirigente afirmou que os trabalhadores aguardam nova proposta da empresa. Sobre a multa, eles dizem não ter sido notificados e afirmam que vão recorrer.

Governador critica
Em entrevista ao Bom Dia São Paulo, o governador disse que a população está sendo “punida” pela paralisação. Alckmin afirmou que a greve é promovida por um “grupelho radical com motivação político-eleitoral, prejudicando a população”.

O governador ressaltou que os grevistas descumprem uma decisão da Justiça do Trabalho que determinou que fosse mantida 100% da operação do Metrô no horário de pico.
 
Linhas 11 e 12 da CPTM
Os funcionários das linhas 11-Coral e 12-Safira da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) decidiram entrar em greve em assembleia realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil (STEFZCB).

A greve nas duas linhas da CPTM teve início à 0h desta quarta-feira (23), e deve perdurar por tempo indeterminado. Está prevista uma nova assembleia às 18h desta quarta, para avaliar a paralisação. Cerca de 850 mil passageiros usam diariamente as duas linhas.

Em nota, a CPTM informou que os sindicatos das linhas 7, 8, 9 e 10 continuam em negociação e as linhas vão operar normalmente. A companhia ressaltou que espera que seja cumprida decisão do Tribunal Regional do Trabalhopara que 85% do efetivo seja mantido nos horários de pico (das 5h30 às 10h e das 16h às 20h30) e 70% nos demais horários.

Segundo a companhia, foi apresentada uma nova proposta nesta terça reajustando o valor do vale-refeição de R$ 18 para R$ 20, correção salarial de 4,60% (IPC/FIPE) mais 1,5% de produtividade. Além disso, sinalizou que os funcionários terão direito a participação nos resultados da empresa, a ser pago em 2013, com valor mínimo de R$ 3 mil.

Greve Metrô 2012: Governador cancela compromissos para tratar com sindicatos


Fonte: R7


O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, cancelou um evento que teria na manhã desta quarta-feira (23) para se dedicar integralmente à questão da greve do Metrô e da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), informou a assessoria do governo do Estado. 

Alckmin tinha programada uma agenda relativa ao Programa São Paulo Solidário na cidade de Miracatu, na Serra do Cafezal. 

Mais cedo, o governador afirmou em entrevista que considera a greve “eleitoreira” e fruto da ação de um “grupelho radical”.
De acordo com o Metrô, o salário médio de um metroviário é de R$ 4.060, além de benefícios como vale-transporte, assistência médica, auxílio-refeição, entre outros.
De acordo com o sindicato, os funcionários exigem 5,13% de reajuste salarial, 14,99% de aumento real, vale-alimentação de R$ 280,45 e reajuste de 23,44% para o vale-refeição. Também querem equiparação salarial, 36 horas semanais, adicional risco de vida de 30%, periculosidade sobre todos os vencimentos, plano de saúde acessível para os aposentados e reintegração de todos os demitidos em 2007. 
O presidente da CPTM, Mario Bandeira, afirmou que vem tentando negociar com os grevistas, "mas que versas vezes tentamos negociar e justamente a ausência da negociação é que fez empresa abrir dissídio coletivo". Ele disse ter encaminado aos líderes dos sindicatos uma proposta que não foi repassada aos funcionários.

Recorde

O trânsito de São Paulo bateu o recorde histórico para o período da manhã nesta quarta, com 202 km de congestionamento, ou 23,3% dos 868 km de vias monitoradas. É a maior lentidão registrada desde que a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) passou a fazer essa medição, em 2004.
O índice superou os 191 km registrados em 2004 e bateu os 168 km de filas registrados na cidade no dia 27 de abril deste ano, véspera do feriado prolongado do Dia do Trabalho. 

A via com mais lentidão às 8h30 era a marginal Pinheiros, com 14,9 km de filas no sentido Castello Branco, na pista expressa, entre a ponte de Interlagos até 2 km antes da ponte da Cidade Universitária. Na pista local, havia 10,7 km de congestionamento, desde a ponte Transamérica até a ponte Eusébio Matoso.

Greve Metrô 2012: Paralisação parcial continua em São Paulo


Greve Metrô 2012: Situação das linhas nesse momento


Fonte: G1


Linha 1-Azul
A Linha 1-Azul, do Metrô, operava apenas entre as estações Luz e Ana Rosa.



Linha 2-Verde
A Linha 2-Verde, do Metrô, só funcionava entre as estações Ana Rosa e Clínicas.



Linha 3-Vermelha
A Linha 3-Vermelha, do Metrô, que liga Corinthians-Itaquera à Estação Palmeiras-Barra Funda, operava apenas no trecho entre a Estação Santa Cecília e a Estação Bresser.



Segundo informações do Metrô, as três linhas em operação nesta manhã tinham velocidade reduzida. Ainda segundo o Metrô, a operação era realizada com funcionários que não aderiram à greve e com o quadro administrativo que auxilia nas estações e bilheterias.
Linha 5-Lilás
A Linha 5-Lilás operava em todas as suas estações sem problemas. De acordo com o Metrô, os passageiros que estavam na Zona Sul acessavam o Centro da cidade por meio da integração com a Linha 9-Esmeralda da CPTM, na Estação Santo Amaro, e com a Linha 4-Amarela, na Estação Pinheiros.

Linha 4-Amarela
A Linha 4-Amarela, operada pela iniciativa privada, operava normalmente desde a madrugada.

Linha 11-Coral e Linha 12-Safira
Na CPTM, as linhas 11-Coral e 12-Safira estavam paradas. Ônibus gratuitos foram colocados à disposição dos passageiros de todas as linhas para fazer os trajetos de Mogi das Cruzes a Guaianazes e Guaianazes a Brás e de Poá a Itaim Paulista e do Itaim Paulista a Brás.

Demais linhas da CPTM
Na CPTM, as linhas 7-Rubi, 8-Diamante, 9-Esmeralda e 10-Turquesa funcionavam normalmente.

Estações fechadas
Boa parte das estações amanheceu com as portas fechadas. Sindicatos que representam trabalhadores do Metrô e das linhas 11 e 12 da CPTM decidiram na noite desta terça-feira (22) declarar greve a partir da 0h desta quarta. Nos dois casos, decisões da Justiça do Trabalho determinam que o efetivo fosse mantido sob pena de multa diária de R$ 100 mil.

Metrô e CPTM estimam que aproximadamente 4,8 milhões de passageiros possam ser afetados pela greve.

Greve Metrô 2012: Governador diz que greve é eleitoreira


Fonte: G1


O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, classificou de “político-eleitoreira” as motivações da greve de funcionários do Metrô e da CPTM que afetas os usuários da região metropolitana na manhã desta quarta-feira (23). Em entrevista ao Bom Dia São Paulo, o governador disse que a população está sendo “punida” pela paralisação.
Alckmin afirmou que a greve é promovida por um “grupelho radical com motivação político-eleitoral, prejudicando a população”. O governador ressaltou que os grevistas descumprem uma decisão da Justiça do Trabalho que determinou que fosse mantida 100% da operação do Metrô no horário de pico.
O governador paulista cancelou todos os compromissos previstos para esta manhã e despacha no Palácio dos Bandeirantes desde as 4h30 para tentar minimizar os efeitos da greve. “Estamos trabalhando 24 horas para pôr os trens em circulação”, disse. Segundo ele, as linhas estão sendo operadas por supervisores, já que os operadores aderiram à greve.
Alckmin lembrou que os trabalhadores do Metrô tiveram aumento real (acima da inflação) em 2011 e que o governo fez uma proposta de ganho real de 1,5% em 2012, que não foi aceita pela categoria.
“Vamos acompanhar o trabalho junto à Justiça do Trabalho para que se resolva rapidamente”, disse. “A população está sendo cruelmente punida por um grupelho radical, que descumpre ordem judicial”.
Greve no Metrô
A decisão do Sindicato dos Metroviários de São Paulo de optar pela paralisação ocorreu após uma audiência com representantes do Metrô que terminou sem acordo. A Justiça do Trabalho determinou, no entanto, que o sindicato dos Metroviários mantenha 100% da frota funcionando durante os horários de pico e 85% nos demais horários e proibiu a liberaração das catracas.

Caso as determinações não sejam cumpridas, o sindicato terá que pagar multa de R$ 100 mil diários. Os horários de pico são das 5h até as 9h e das 17h às 20h.
Os metroviários reivindicam 5,13% de reajuste salarial, 14,99% de aumento real, vale-alimentação de R$ 280,45 e reajuste de 23,44% no vale-refeição, além de equiparação salarial, 36 horas semanais, periculosidade sobre todos os vencimentos, adicional de risco de vida de 30%, plano de saúde acessível para os aposentados e reintegração dos demitidos em 2007.
Durante a audiência desta tarde, a companhia propôs reposição da inflação pelo Índice Nacional de Preços (IPC) e aumento real de 1,5%. A desembargadora propôs reajuste pelo INPC mais 1,5% de aumento real.
O Metrô propôs vale-alimentação de R$ 158,57 enquanto os metroviários mantiveram a reivindicação de R$ 280,45. A desembargadora propôs R$ 218. Em relação ao vale-refeição, o Metrô propôs elevar o valor para R$ 21 e o sindicato manteve a reivindicação de R$ 25,25. A desembargadora estipulou o valor em R$ 23.

Greve Metrô 2012: Polícia usa bomba para dispersar usuários na Radial Leste


Fonte: G1


A Polícia Militar de São Paulo usou bombas de efeito moral por volta das 7h50 desta quarta-feira (23) para dispersar os manifestantes que bloqueavam a Radial Leste nos dois sentidos da via, na altura da Estação Corinthians-Itaquera. Somente após a ação da PM é que a pista foi liberada para o tráfego de veículos. Apesar disso, ainda há congestionamento no trânsito na região.
O protesto na estação é por conta da greve dos funcionários do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que paralisa a maioria do funcionamento dos transportes por trilhos nas suas principais linhas na capital paulista.
Apesar da liberação da via, que havia sido bloqueada desde as 7h30, os usuários descontentes com a greve estavam se dirigindo para outros pontos perto da estação no intuito de realizarem mais bloqueios. Segundo o coronel Marcos Roberto Chaves da Silva, comandante do Comando de Policiamento da PM na capital, o número de manifestantes está sendo levantado.
Ele afirmou ao G1 que a ação da PM para liberar a Radial Leste ocorreu após tentativas frustradas de negociação para saída dos manifestantes da pista. "Quando os policiais conversavam com os manifestantes, um grupo mais radical furou os pneus de ônibus municipais, o que é um crime de dano ao patrimônio público. Diante disso, não restou outra alternativa a PM senão a de agir. Foram disparadas bombas de gás, de efeito moral. Elas explodem e soltam uma cortina de fumaça para dispersar os manifestantes", disse o coronel Marcos Chaves.

Manifestantes filmados
Segundo o coronel, nenhum manifestante havia sido detido até as 8h. Mesmo assim, ele afirmou que "os vândalos que depredaram os ônibus e furaram os pneus dos veículos foram filmados e fotografados. Posteriormente, a PM irá fazer uma representação no Ministério Público contra essas pessoas, assim que forem identificadas. Elas terão de responder por dano ao patrimônio público".

Policiais do 39º Batalhão da Polícia Militar participam da ação contra os manifestantes. São 24 policiais, sendo 18 da Força Tática e seis responsáveis pelo trânsito. "Também foi mandado o reforço de mais 12 policiais para a região para garantir a segurança da população", afirmou Chaves.
Devido ao bloqueio que ocorreu na Radial Leste, o trânsito ficou congestionado na região. Em função da greve, a São Paulo Transporte (SPTrans) acionou o Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese). As linhas que operam com destino às estações de Metrô serão estendidas até a região central da Cidade.
Desde as 4h, a PM reforça  o policiamento nas estações da CPTM e em todas as estações do Metrô, inclusive as estações da Linha 4-Amarela, em função da greve.

Greve Metrô 2012: Protesto em frente à estação Corinthians-Itaquera fecha a Radial Leste


Fonte: Estadão

Cerca de 100 usuários do transporte público interditaram a avenida Radial Leste, na altura da estação Itaquera do metrô, na zona leste da capital paulista, na manhã desta quarta-feira, 23, revoltados com a demora da circulação dos ônibus na região. Os dois sentidos da via estavam fechados ao tráfego por volta das 7h, provocando congestionamento no local, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).
A estação Corinthians-Itaquera é um dos extremos da linha 3-Vermelha, a mais movimentada do metrô.

Barra funda. No outro extremo, na Barra Funda, usuários desorientados enchiam a área das catracas da estação Barra Funda de metrô, que tem integração com os trens da CPTM.

Dois cartazes em papel A4 e o mesmo número de seguranças eram a única fonte de informações às dezenas de usuários que não sabiam da greve ou procuravam alternativas de ônibus para chegar aos destinos. Entre 6h e 6h30, nenhum funcionário do metrô foi visto na estação.

Greve Metrô 2012: linhas do Metrô funcionam parcialmente

Passageiros tentam viajar nos ônibus: greve do Metrô afeta milhões
Fonte: Terra

Apesar da previsão de paralisação total nas linhas do Metrô na manhã desta quarta-feira por causa da greve dos metroviários anunciada ontem - apenas a linha 4-Amarela funcionaria nesta quarta, por pertencer a um consórcio público-privado -, as linhas começaram a operar pouco depois do horário normal. De acordo com a CPTM, as linhas 11 e 12 estavam paralisadas no começo da manhã.

A SPTrans informou que acionou o Plano de Apoio entre Empresas de Transporte Frente a Situações de Emergência (Paese), para as linhas 11 e 12, por causa da paralisação. São 60 ônibus para Guaianases até o Brás (Linha 11) e do Itaim Paulista ao Brás (Linha 12). A linha 5-Lilás começou a operar às 5h10 em toda a sua extensão (Capão Redondo - Largo Treze). A linha 2-Verde, por sua vez, teve início às 5h20, mas apenas entre as estações Ana Rosa e Clínicas.

O Metrô informou que operavam parcialmente as linhas 1-Azul, no trecho entre as estações Ana Rosa e Luz, 2-Verde, entre as estações Ana Rosa e Clínicas, 3-Vermelha, entre as estações Bresser-Mooca e Santa Cecília, e a Linha 5-Lilás, na manhã de hoje.

Todas as linhas operam com velocidade reduzida. Com isso, o sindicato já passa a ignorar a ordem da Justiça, que determinou 100% do efetivo nos horários de pico, compreendidos entre 5h e 9h e 17h e 20h, e 85% nos demais horários. A multa é de R$ 100 mil para cada dia parado. A operação do Metrô está sendo realizada com funcionários que não aderiram à greve e com seu quadro administrativo que auxilia nas estações e bilheterias.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Greve Metrô 2012: Metroviários de SP decidem entrar em greve a partir desta quarta-feira


Fonte: G1

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo decidiu, em assembleia na noite desta terça-feira (22), decretar a greve da categoria a partir da meia-noite desta quarta-feira (23). Uma audiência entre representantes do Metrô e do sindicato terminou sem acordo no início da noite.

A Justiça do Trabalho determinou, no entanto, que o sindicato mantenha 100% da frota funcionando durante os horários de pico e 85% nos demais horários e proibiu o sindicato de liberar as catracas.Caso as determinações não sejam cumpridas, o sindicato terá que pagar multa de R$ 100 mil diários. Os horários de pico são das 5h até as 9h e das 17h às 20h. A audiência de conciliação desta tarde foi realizada no Tribunal Regional do Trabalho - 2ª Região, e mediada pela desembargadora e vice-presidente do tribunal, Anélia Li Chum.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou na noite desta terça-feira que, com a decretação da greve, será suspenso o rodízio municipal de veículos nesta quarta (placas finais 5 e 6). A SPTrans acionará o Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese) e estenderá as linhas com destino às estações do Metrô até a região central de São Paulo.

O presidente do sindicato, Altino de Melo Prazeres Júnior, falou sobre a decisão. “Para não prejudicar a população de São Paulo, nós propusemos a catraca livre, mas não foi aceito. Além disso, fizemos algumas reconsiderações para sair do impasse, mas o Metrô respondeu com propostas menores do que as da Justiça. Não tivemos outra alternativa a não ser a paralisação”, afirmou. Ele disse que espera a adesão de 90% da categoria e considera que vão parar todas as linhas, com exceção da Linha 4-Amarela.

Segundo o presidente, os turnos da noite (que começa à meia-noite) e da manhã não irão entrar para trabalhar. “Se nesse período houver alguma proposta do Metrô, vamos realizar uma assembleia ao meio-dia para decidir o que fazer.”


Reivindicação
Os metroviários reivindicam 5,13% de reajuste salarial, 14,99% de aumento real, vale-alimentação de R$ 280,45 e reajuste de 23,44% no vale-refeição, além de equiparação salarial, 36 horas semanais, periculosidade sobre todos os vencimentos, adicional de risco de vida de 30%, plano de saúde acessível para os aposentados e reintegração dos demitidos em 2007.

Durante a audiência desta tarde, a companhia propôs reposição da inflação pelo Índice Nacional de Preços (IPC) e aumento real de 1,5%. Os metroviários mantiveram reivindicação de reajuste pelo ICV/Dieese mais 14,99% de aumento real, mas declararam-se dispostos a rever o número conforme o resultado global da negociação. A desembargadora propôs reajuste pelo INPC mais 1,5% de aumento real.

O Metrô propôs vale-alimentação de R$ 158,57 enquanto os metroviários mantiveram a reivindicação de R$ 280,45. A desembargadora propôs R$ 218. Em relação ao vale-refeição, o Metrô propôs elevar o valor para R$ 21 e o sindicato manteve a reivindicação de R$ 25,25. A desembaregadora propos R$ 23.
Há divergências também sobre o adicional de risco para agentes de segurança e de plataforma, sobre a equiparação salarial de funcionários que exercem as mesmas funções, adicional de periculosidade, aumento da contribuição do Metrô nos planos de saúde dos funcionários e readmissão de 61 grevistas demitidos em 2007.

Os dois lados concordaram apenas em montar comissões para discutir pontos mais polêmicos como a distribuição de participação nos resultados e a jornada de trabalho dos funcionários que iniciam ou terminam seus turnos fora do horário de funcionamento do sistema de transporte público.

Em nota, a Secretaria de Transportes Metropolitanos informou que o Metrô e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também concordaram em consolidar todas as cláusulas sociais presentes nos atuais dissídios coletivos e estão dispostos a debater eventuais pendências remanescentes.

Linha Amarela
A concessionária ViaQuatro informou que a Linha 4-Amarela irá operar normalmente nesta quarta-feira, mesmo com a greve decretada. “A Linha 4-Amarela é operada por uma empresa privada (ViaQuatro - Concessionária da Linha 4 - Amarela do Metrô de SP) e seus colaboradores são vinculados a outro sindicato”, diz uma nota divulgada nesta noite.
Linhas 11 e 12 da CPTM
O Sindicato dos Trabalhadores da Central do Brasil, que representa funcionários das linhas 11-Coral (Luz-Guaianazes, com extensão Estudantes, em Mogi das Cruzes) e 12-Safira  (Brás/Calmon Viana), em assembleia realizada na noite desta terça-feira (22), decidiu entrar em greve a partir da 0h desta quarta-feira (23), por tempo indeterminado. Está prevista uma nova assembleia às 18h desta quarta, para avaliar a paralisação.

Greve Metrô 2012: Com greve, rodízio estará suspenso amanhã



Fonte: Terra

Após os metroviários decidirem entrar em greve por tempo indeterminado, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) suspendeu o rodízio de veículos desta quarta-feira. As placas com finais 5 e 6 poderão circular chamado minianel viário.

A CET informou que irá implantar um plano operacional com objetivo de minimizar os impactos ao trânsito e à mobilidade nos principais corredores, com ênfase aos que dão acesso às estações de Metrô.

A São Paulo Transporte (SPTrans) já havia dito que acionaria o Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese), caso a paralisação fosse confirmada. As linhas que operam com destino às estações de Metrô serão estendidas até a região central da Cidade.

Nota oficial do Metrô


Em razão da greve anunciada pelo Sindicato dos Metroviários para amanhã, dia 23, a partir da zero hora, a Companhia do Metrô acionará o PAESE (Plano de Apoio entre Empresas de Transporte frente a Situações de Emergência) para minimizar os transtornos que serão causados aos quatro milhões de usuários e à população em geral.

Estamos no meio de uma negociação que não está finalizada. O momento ainda é de negociação e a prioridade é o atendimento à população e aos quatro milhões de usuários do Metrô.

A assembleia realizada hoje à noite pelo Sindicato dos Metroviários não aceitou a proposta de 5,71% (índice IPC/FIPE mais 1,50% de aumento real) de reajuste salarial oferecida pela Companhia do Metropolitano de São Paulo-Metrô, além de reajuste de todos os benefícios. O Metrô hoje já pratica salários compatíveis com o mercado, além de propiciar amplo leque de benefícios aos seus empregados.

Em reunião de conciliação entre o Metrô e os dois sindicatos representativos da categoria, na tarde desta terça-feira (22), o Tribunal Regional do Trabalho determinou que 100% da frota funcione nos horários de pico (das 5 às 9h00 e das 17 às 20h00) e a manutenção de 85% da frota nos demais horários. Além disso, estabeleceu a proibição de “liberação de catracas”. O descumprimento das determinações acarretará multa de R$ 100 mil diários aos sindicatos.

Com o anúncio de greve, a SPTrans deverá desintegrar as linhas de ônibus dos terminais urbanos, para que os coletivos cheguem até o centro da cidade.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) é igualmente acionada para montar esquema especial de trânsito.

À Policia Militar caberá o reforço do policiamento.

A Companhia do Metrô preparou um esquema especial para garantir o acesso dos seus empregados aos postos de trabalho e alertou a todos os funcionários sobre a responsabilidade de manter os serviços essenciais que atendam às necessidades inadiáveis da sociedade.

Categoria bem remunerada

Hoje, os metroviários possuem um salário médio de R$4.060,00, além dos benefícios oferecidos a todos os empregados, como:

· Vale-Transporte – Critérios de concessão previstos na legislação
· Auxílio Creche-Educação – Valor de R$ 334,58 – até 6 anos, 11 meses e 29 dias
· Assistência Médica- Convênio com Médicos e Hospitais – METRUS
· Licença amamentação- Duas horas diárias pelo prazo de até 180 dias (após o nascimento)
· Seguro de Vida – Proporcional à faixa salarial
· Restaurantes nos Pátios de Manutenção (Pátios Itaquera e Jabaquara);
· Auxílio Alimentação (cartão supermercado) – R$ 150,00
· Auxílio Refeição - 24 cotas de R$ 19,87;
· Participação nos Resultados- PLR- Pagamento de parte fixa + 40% do salário nominal (equivalente a um 14º salário)
· Bilhete de serviço – liberalidade para utilização de Metrô e Trem CPTM;
· Subsídio parcial em alguns medicamentos especiais – Subsídio 80% no valor dos medicamento oncológicos, hormonal congênito e HIV
· Auxílio funeral – Valor correspondente ao padrão “urna standard“
· Assistência Odontológica (opcional);
· Previdência Suplementar (opcional);
· Convênio com Instituições de Ensino, para obtenção de descontos aos metroviários e dependentes legais – Escolas conveniadas – descontos mensalidades +/- 10% ou desconto na matrícula.

Greve Metrô 2012: Em assembleia, trabalhadores do Metrô de São Paulo e da CPTM decidem entrar em greve a partir da 0h de amanhã


Fonte: Uol

Os trabalhadores do Metrô de São Paulo e das linhas 1, 2, 3, 5, 11 e 12 da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metroplitanos) decidiram em assembleias realizadas nesta terça-feira (22) entrar em greve a partir da 0h desta quarta-feira (23).

A decisão da categoria aconteceu horas depois de uma audiência entre representantes do sindicato e da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), à tarde, no TRT (Tribunal Regional do Trabalho), e que terminou sem acordo.

Os metroviários exigiam 5,13% de reposição e 14,99% de ganho real e criticavam o fato de as contratações não terem sido suficientes para atender o número maior de passageiros transportados. Com a operação da linha 4-amarela, o movimento de passageiros aumentou para 4,4 milhões de pessoas por dia.

O estado de greve foi decretado pelos trabalhadores em assembleia realizada no próximo dia 16 –mesmo dia em que um acidente envolvendo dois trens na linha 3-vermelha deixou 49 pessoas feridas.
A categoria também exige equiparação salarial, jornada de 36 horas semanais e adicional de risco de vida de 30%.

O Metrô propôs reposição de 4,67% e 0,50% de aumento real a partir da data-base de 1º de maio, além de reajuste no vale-alimentação e no auxílio-creche também no índice de 4,67%. A companhia informou ainda que mantém a PLR (Participação nos Lucros e Resultados) para os metroviários.

Já os ferroviários querem aumento de 7,05%, além de tíquete refeição no valor de R$ 21,50. A proposta da CPTM é de reajuste de 6,17% e tíquete refeição de R$ 19,50.

As negociações da categoria com a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos começaram em março e as tratativas passaram a ser intermediadas pela justiça trabalhista em maio, sem previsão de data de realização.

O Sindicato dos Ferroviários de São Paulo convocou uma assembleia para a tarde desta quarta-feira (23) para definir sua posição.

Outros Estados
O transporte público também sofre com greves em cinco estados do Nordeste. As greves de ônibus, trens urbanos e metrô seguem causando transtornos nesta terça-feira (22) à população de cinco estados do Nordeste. Cerca de 900 mil pessoas são afetadas pelas paralisações.

Em Maceió, João Pessoa e Natal, os trens fazem apenas 30% das viagens diárias. Já em Recife, o metrô opera há oito dias com 50% das viagens e em horários de pico – das 5h às 9h e das 16h às 20h.
Segundo a CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos), são 300 mil pessoas prejudicadas. A greve dos servidores completou oito dias nesta terça-feira (22).

Em São Luís, os rodoviários endureceram a paralisação nesta segunda-feira (21), e 100% dos ônibus estão parados nas garagens. Segundo as empresas de ônibus, 600 mil usuários circulam pelos coletivos na capital e região metropolitana. A greve teve início na terça-feira da semana passada (15).

O metrô em Belo Horizonte também está paralisado desde o dia 14, afetando o cotidiano de aproximadamente 215 mil pessoas na capital mineira. Lá, os trens só funcionam nos horários de pico – das 5h20 às 8h30 e das 17h às 19h30.

Já o Rio Grande do Sul também sofreu nesta segunda-feira (21) com uma paralisação de 24 horas da Trensurb. O Sindicato dos trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviário e Conexas do Estado do Rio Grande do Sul reivindica reajuste de 21,51% nos salários.

Greve Metrô 2012: Metroviários anunciam que vão parar os trens amanhã


Por Diego Silva

Os metroviários anunciaram que o Metrô irá circular hoje até o final da operação comercial, porém, anunciaram também que os trens não irão circular amanhã. A medida vai contra a decisão judicial de manter pelo menos 85% dos trens circulando. O blog 'Metrô em Foco' está ligado em todas as notícias e irá manter a população informada dentro do possível.

Greve Metrô 2012: Justiça de SP proíbe greve do metrô em horário de pico; trabalhadores avaliam


Fonte: Folha de SP

Terminou no início da noite desta terça-feira a reunião entre metroviários e representantes do Metrô de São Paulo para discutir o reajuste para a categoria. Segundo Altino de Melo Prazeres Júnior, presidente do sindicato dos trabalhadores, há grandes chances de greve. A Justiça, no entanto, determinou que a paralisação não pode ocorrer em horários de pico. 

A paralisação, anunciada para ocorrer a partir de quarta-feira (23), será discutida em assembleia ainda na noite de hoje. 

A audiência de hoje foi convocada pela Justiça do Trabalho após o Metrô entrar com pedido de ação cautelar contra a paralisação, para garantir a prestação dos serviços.

No encontro, o Metrô ofereceu aumento real de 1,5% e 4,15% de correção, enquanto os funcionários pedem 5,37% de correção e 14,99% de aumento real.

Após a audiência, a desembargadora Anélia Li Chum decidiu que, em caso de greve, os funcionários devem manter 100% do efetivo nos horários de pico (das 5h às 9h e das 17h às 20h) e 85% nos demais horários. Em caso de descumprimento, o sindicato terá que pagar multa diária de R$ 100 mil.

A desembargadora ainda proibiu a liberação das catracas --uma das propostas da categoria para a greve.
O encontro foi realizado na Seção Especializada em Dissídio Coletivo do TRT-2 (Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região),

Ainda na noite de hoje, os metroviários vão decidir em assembleia se aceitam a contraproposta do Metrô, se iniciam a greve a partir da 0h quarta-feira (23) ou se aguardam mais cinco dias --proposta da desembargadora-- para discutir os pontos apresentados na reunião.

O primeiro anúncio da greve foi feito no dia 16, quando um acidente envolvendo dois trens na linha 3-vermelha deixou ao menos 49 pessoas feridas.
 
PELO BRASIL
Seis capitais têm enfrentado problemas com transporte no país.

Na segunda-feira (21), funcionários do sistema de trens metropolitanos de Porto Alegre fizeram uma paralisação de 24 horas em protesto por reajustes salariais.

Na semana passada, a categoria dos metroviários paralisou as atividades em Belo Horizonte, Recife, Natal, João Pessoa e Maceió.

Metroviários dessas cinco capitais estiveram em Brasília para tentar negociar uma proposta de reajuste salarial com o Ministério das Cidades.

Em Belo Horizonte e em Recife, que têm os maiores sistemas de metrô geridos pela CBTU, os trens só estão funcionando nos horários de pico --das 5h20 às 8h30 e das 17h às 19h30, na capital mineira, e das 5h às 9h e das 16h às 20h, na pernambucana. No restante do dia não há viagens.
Em Natal, João Pessoa e Maceió, os trens operam em horário normal, mas fazem apenas 30% das viagens.

Greve Metrô 2012: Sem acordo, metroviários devem trabalhar com 85% do efetivo amanhã



Fonte: Estadão

Acabou na noite desta terça-feira, 22, a audiência de conciliação entre o sindicato dos metroviários e representantes do Metrô de São Paulo no Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região, no centro. Não houve acordo entre as partes. Por isso, a desembargadora Anélia Li Chum determinou que 100% dos metroviários deverão trabalhar amanhã nos horários de pico, ou seja, das 5h às 9h e das 17h às 20h.

Nos demais horários, a categoria terá que colocar no mínimo 85% dos funcionários para trabalhar. Em caso de descumprimento da decisão, o sindicato fica sujeito a multa diária de R$ 100 mil.

Pela decisão, os metroviários também ficam proibidos de realizar catraca livre, como havia sido aventado por alguns integrantes da categoria. O sindicato ainda não foi encontrado para comentar o assunto.

Greve Metrô 2012: Metroviários rejeitam proposta do governo de São Paulo


Fonte: UOL

Terminou sem acordo a reunião entre o governo paulista e o Sindicato dos Metroviários de São Paulo que tentava um acordo para atender as reinvindicações da categoria e assim suspender a greve marcada para a 0h desta quarta-feira (23). O TRT-SP (Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo) concedeu liminar no final da tarde que obriga os metroviários, caso entrem em greve, a trabalhar com 100% da frota nos horários de pico (das 5h às 9h e das 17h às 20h), e no restante do dia com 85% da capacidade.

Caso o sindicato não obedeça a determinação, a multa estipulada é de R$ 100 mil por dia. De acordo com o TRT, está descartada a possibilidade de catraca livre caso a greve se confirme. Na reunião, o governo fez uma proposta de reposição de perdas salariais e aumento real que foi recusada pela categoria.

Na noite desta terça-feira (22), os metroviários se reúnem para decidir se mantém a greve marcada para amanhã ou se suspendem o movimento mesmo sem acordo definido com o governo.

Greve Metrô 2012: Companhia ameaça chamar a polícia


Fonte: Band

O Metrô informou nessa segunda-feira que buscará reforço policial caso os metroviários cumpram a ameaça de liberar os bloqueios (catracas) das estações amanhã, quando a categoria ameaça entrar em greve.

Em nota, a companhia afirma que o ato de liberar a entrada nas estações sem cobrança de tarifa colocará em risco os passageiros, e pode resultar em depredação do patrimônio público. “O livre acesso acarretará na superlotação das plataformas e das demais áreas das estações. Essa medida nada tem a ver com o direito de greve”, diz a nota.

O Metrô diz que responsabilizará criminalmente os responsáveis pelo ato e que, buscará na Justiça o ressarcimento dos prejuízos.  O sindicato dos metroviários diz que a liberação dos bloqueios só ocorrerá caso a Justiça determine a manutenção de 100% do serviço.
A paralisação será decidida na tarde de hoje em assembleia dos metroviários.

Nova falha
Ontem, um trem da linha 3-Vermelha teve de ser recolhido após um problema de tração na estação Anhangabaú.

A composição seguia no sentido Corinthians-Itaquera. Todos os passageiros tiveram que deixar os vagões.  A falha, que ocorreu às 17h, paralisou a linha por 10 minutos.

Na semana passada, o choque de dois trens no trecho entre as estações Penha e Carrão deixou 49 pessoas feridas. A linha ficou parcialmente fechada por quase cinco horas.

Metrô-SP poderá melhorar proposta para evitar greve


Fonte: G1


O secretário de Transporte Metropolitano do Estado de São Paulo, Jurandir Fernandes, afirmou nesta terça-feira que o Metrô-SP pode reavaliar a proposta feita ao Sindicato dos Metroviários para evitar a greve prevista para quarta-feira.
Durante evento na Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Fernandes admitiu que os percentuais de reajuste dos benefícios como vale alimentação e vale transporte poderão ser maiores do que os propostos anteriormente para a categoria. A proposta de aumento salarial, contudo, não deve ser alterada. O sindicato quer aumento de 20%, já o metrô propõe correção da inflação e aumento real de 4,65%.
Uma audiência de conciliação está marcada para a tarde desta terça-feira, no Tribunal Regional do Trabalho. A assembleia dos metroviários, que acontece com o objetivo de decidir sobre a greve marcada para a quarta-feira, também ocorre nesta terça-feira, no início da noite.
O diretor executivo do Sindicato dos Metroviários, Alexandre Carvalho Leme, disse que após o anúncio da paralisação, o Metrô exigiu que 100% da frota circule na data, visando não afetar a população. "Para não deixar a população sem transporte, nós argumentamos com a liberação das catracas. A categoria pretende trabalhar, mas não queremos perder o nosso direito de protestar", disse Leme.
Em nota divulgada na segunda-feira, a empresa afirmou que liberar as catracas é uma prática ilegal e que, se for necessário, fará uso de força policial para manter a segurança nas plataformas e estações do metrô paulista.

Usuários reivindicam integração nas estações Tatuapé e Corinthians-Itaquera


Fonte: Viatrolebus
Texto de Renato Lobo


Usuários tanto da Linha 3 – Vermelha do Metrô, quanto da Linha 11 – Coral da CPTM, ainda que as linhas andam em parte de seus percursos paralelamente, só podem baldear entre os ramais na estação Brás. Alguns usuários agora reivindicam a integração gratuita entre as linhas na estações Tatuapé e Corinthians – Itaquera. Segundo eles, o abaixo assinado é “para melhor distribuição da demanda de usuários e agilidade no tempo de percurso”.
O assunto corre nas redes sociais que discute sobre o assunto “Mobilidade urbana” e divide opiniões. Uns são favoráveis a “integração Geral”, visto que o caminho não é reprimir a demanda. Já outros lembram que a Linha 3 poderia ter ainda mais acréscimos de usuários, e olha que o ramal é um dos mais carregados do mundo.
É importante dizer que, ainda que ambos os ramais servem a mesma região da Cidade, o Expresso Leste atende também a população de Guaianases, o passageiro que vem dos municípios de Ferras de Vasconcelos, Poa e Mogi das cruzes, contra a população que vem de toda zona leste, já que o Metrô não tem o serviço expresso. Se o intervalo do Metrô é mais regular e menor, em torno de 100 segundos, a Linha 11 – Coral tem intervalos próximos aos 4 minutos. Mas no horário de pico o Trem ganha do Metrô chegando mais rápido ao centro.
No futuro as linhas poderão ter mais integrações, como na futura ligação na estação Penha, entre elas e a Linha 15 – Branca (Vila Prudente – Dutra), além de projeto da extensão do Expresso Leste até a Barra Funda para os próximos meses.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Metroviários decidem entrar em greve á partir de 00h de quarta-feira


Fonte: Sindicato dos Metroviários de SP


Os metroviários, reunidos em assembleia no dia 16 de maio, rejeitaram a proposta de reajuste salarial da empresa, decidiram pelo estado de greve e indicaram uma greve a partir da próxima quarta-feira (23 de maio).

A assembleia do dia 16/05, os metroviários, rejeitaram a proposta de reajuste salarial da empresa, decidiram pelo estado de greve e indicaram uma greve a partir da próxima quarta-feira (23 de maio).

O Metrô apresentou no dia 16 de maio as seguintes propostas, todas descartadas pela categoria:

  •         Reajuste salarial de 4,15%
  •         Aumento real de 0,50%
  •         Reajuste de 4,15% para o vale-refeição, vale-alimentação e auxílio-creche.
  •         Equiparação salarial: NADA
  •         36 horas semanais; NADA
  •         Periculosidade sobre todos os vencimentos: NADA
  •         Plano de saúde acessível para os aposentados: NADA
  •         Reintegração de todos os demitidos em 2007: NADA


Nossa luta é por 5,13% de reajuste salarial, 14,99% de aumento real, VA de R$ 280,45 e reajuste de 23,44% para o VR. Também lutamos por equiparação salarial, 36 horas semanais, periculosidade sobre todos os vencimentos, plano de saúde acessível para os aposentados e reintegração de todos os demitidos em 2007.

Agora é o momento de preparar a greve. Participe das reuniões setoriais e de todas as manifestações convocadas pelo Sindicato. Vamos lotar o Sindicato na assembleia do dia 22 de maio, a partir das 18h30.

Calendário de mobilização:

  •     Uso de colete a partir de 21 de maio (segunda-feira)
  •     Reunião setorial da Manutenção em 18 de maio (sexta-feira), às 8h, na Sé
  •     Informe publicitário no jornal Metrô News em 18 de maio
  •     Ato Unificado com categorias em luta no dia 18 de maio, a partir das 17h, na Sé
  •     Distribuição de Carta Aberta à População em 21 de maio
  •     Reunião setorial da Manutenção no dia 21 de maio (segunda-feira), às 24h, na Sé
  •     Assembleia dia 22/5, terça-feira, 18h30, no Sindicato
  •     GREVE, a partir da ZERO hora do dia 23/5

Seguidores