terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Terra será responsável pela mídia na Linha 4-Amarela

Estações da ViaQuatro terão mídias do portal Terra
Fonte: Terra

O Terra venceu a concorrência aberta pela concessionária que opera a Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo e administrará a mídia digital em todas as estações e trens da linha pelo prazo de 10 anos. Haverá mais de 1 mil monitores em todos os vagões e ao longo das plataformas, exibindo notícias, esportes, informações da cidade, dicas culturais e previsão do tempo, entre outros serviços.
No início deste ano, o Terra implantará o projeto nas seis estações que operam atualmente - Butantã, Pinheiros, Faria Lima, Paulista, República e Luz - e exibirá o conteúdo nos monitores já existentes nos trens da linha. O projeto de mídia digital acompanhará o crescimento da linha 4, que prevê mais cinco estações: Vila Sonia, Morumbi, Fradique Coutinho, Oscar Freire e Higienópolis. Hoje, mais de 750 mil pessoas utilizam a linha diariamente e a estimativa é chegar a 1,1 milhão de usuários após a expansão.
"A Linha 4-Amarela destaca-se por ser uma das mais modernas do mundo. Por isso, apresentamos um modelo de mídia digital integrada que reforça esse conceito inovador, fazendo deste projeto uma referência em mídia digital out of home", afirmou o diretor-geral do Terra no Brasil, Paulo Castro.
Para o gerente comercial da ViaQuatro, empresa que administra a linha, Donato Ponzio, com a parceria o usuário receberá um serviço diferenciado, com informação e entretenimento. "Nosso objetivo é oferecer mais um benefício ao nosso usuário. A programação dos painéis será desenvolvida para atender às necessidades e ao perfil desse público" afirmou.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Linha 3-Vermelha dará conta da demanda na Copa?

Trem da Frota H - Pátio de Itaquera
Por Diego Silva

Caros leitores, enquanto estava escrevendo a revista 'CPTM e Metrô em Foco', uma das matérias me levantou essa questão: a Linha 3-Vermelha daria conta da demanda para Itaquera, na época da copa de 2014? Se hoje, a linha é considerada uma das mais lotadas do mundo, o que será que acontecerá em dois anos?

Inaugurada em meados da década de 1980, a então linha 'leste-oeste' do Metrô foi a segunda a entrar em operação na capital. Inicialmente, operando no trecho Sé-Brás, com trens emprestados da linha 'norte-sul' (atual Linha 1-Azul). Com a chegada dos trens adquiridos (metade da Cobrasma, metade da Mafersa), a linha passou a operar de maneira contínua, entre Barra Funda e Itaquera. Em 1999, ganhou trens novos (frota Alstom Milenio, posteriormente enviados para a Linha 2-Verde). No fim de 2009, o primeiro trem dessa linha foi enviado para modernização (301, da Cobrasma). Em 2010, ganhou do Governo do Estado 9 trens da CAF, com tudo o que há de mais moderno no mercado metroferroviário. Em 2011, os dois primeiros trens da Cobrasma retornaram da modernização (301 e 307, agora K01 e K07).

Nesse meio tempo, resumimos de maneira breve a história da Linha 3-Vermelha. Já são cinco trens modernizados, nove composições novas e muita gente circulando todos os dias. A reforma de todas as composições está prometida para até o final de 2013, tempo apertado, se considerar que são 98 unidades indo para a modernização (incluídos nesse número os trens da Linha 1-Azul). Ou seja, até 2013, os 48 trens da Linha 3 deverão estar modernizados e operacionais.

Para a Copa do Mundo, o Governo do Estado está financiando para a CPTM e para o Metrô a troca de sinalização, para o tão comentado CBTC, que promete reduzir os intervalos e aproximar as composições. Considerando que o futuro estádio em Itaquera deverá ter cerca de 60 mil lugares, de acordo com o secretário de transportes Jurandir Fernandes, será possível encher a arena esportiva em questão de meia hora (em entrevista à revista Engenharia, o secretário deu maiores detalhes sobre isso).

Claro, o Metrô não irá carregar a demanda inteira da Copa, até porque a Linha 11-Coral da CPTM corre paralela à Linha 3-Vermelha, sendo até mais rápida (partindo de Luz, parando em Brás, Tatuapé e Itaquera), num trajeto médio de 20 minutos. Porém, a CPTM é mais suscetível a problemas. O Metrô já é mais vivido nesse tipo de experiência, afinal, lida com a lotação dessa linha diariamente, há muitos anos. O Metrô anunciou a compra de mais 15 trens novos, a serem usados nas linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha. Com tudo isso, espera-se que a Linha 3 não se torne um formigueiro, pois a necessidade de um transporte confortável e rápido até o estádio será analisado não por nós, mas pelos turistas.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Testes do novo sistema continuam na Linha 2-Verde nesse domingo

Alstom Frota E - Estação Tamanduateí - Linha 2-Verde
Fonte: Metrô

As estações Vila Prudente, Tamanduateí e Sacomã irão abrir somente ao meio-dia.
Durante o período de interrupção da circulação de trens, os usuários serão atendidos gratuitamente por ônibus do sistema PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência), que cobrirão o percurso dos trechos interrompidos.

O CTBC é considerado o sistema de controle de trens mais moderno do mundo e está em operação em linhas de metrôs nas cidades de Nova York, Londres e Paris, entre outras.

Quando esse sistema estiver implantado, o intervalo entre um trem e outro será reduzido e a capacidade de transporte ampliada em cerca de 20%.

Os dias escolhidos para a realização dos testes são domingos e feriados, devido ao menor número de usuários que utilizam os trens e estações metroviárias. Sempre com antecedência, o Metrô avisará os usuários, pelos sistemas de som das estações, dos trens e também por meio de cartazes nas estações, qual o trecho e horário da realização dos testes e da necessária interrupção da operação comercial.

O usuário também pode cadastrar-se no site www.metro.sp.gov.br para receber as informações via e-mail ou SMS.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Linha 6-Laranja deve desapropriar 202 mil m²


Fonte: BAND

A construção da linha 6-Laranja do metrô deve resultar na desapropriação de 202 mil m². Segundo estudo de impacto ambiental entregue à Cetesb, as áreas passíveis de desapropriação equivalem a 28 campos de futebol.
A maioria dos imóveis é de uso comercial e residencial, mas também há órgãos públicos e áreas verdes. Entre os imóveis que podem dar lugar à nova linha estão bares, postos de combustíveis, agências bancárias, praças, uma subprefeitura, parte do estacionamento da Faap e até a sede da escola de samba Vai-Vai, no bairro do Bixiga.

A primeira fase, com 13,5 km, ligará a Brasilândia (zona norte) até a Liberdade, passando por áreas de alta valorização imobiliária como Perdizes, Pompeia, Higienópolis, Pacaembu e Bela Vista. O preço do metro quadrado varia de R$ 400 a R$ 1.200.

Vias importantes do eixo centro-avenida Paulista terão imóveis desapropriados, como a avenida Brigadeiro Luís Antonio e as ruas da Consolação e Frei Caneca. As desapropriações devem ser concluídas em 2013, quando está previsto o início das obras. A linha só deve entrar em operação em 2017, de acordo com o governo de SP.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Linha 2-Verde poderá ficar ainda mais lotada com chegada do Monotrilho

Monotrilho da Linha 2 terá ligação com a estação Vila Prudente
Por Diego Silva

Caros leitores, observando uma questão logística, notamos que o Monotrilho da Linha 2-Verde (que irá ligar Vila Prudente ao Hospital Cidade Tiradentes) poderá causar uma superlotação na estação Vila Prudente. Isso tudo pelo motivo seguinte: a atual estação não é uma estação de integração. Por mais que se faça um trajeto com certo espaço entre a estação do monotrilho e a estação do metrô subterrâneo, o número de usuários irá crescer consideralvemente, pois se trata de uma área com densidade demográfica bastante alta.

Segundo estudos realizados por especialistas do setor, um monotrilho similar ao modelo que o Metrô pretende adquirir tem capacidade para 40 mil usuários/hora/sentido. Considerando os trechos por onde a nova linha irá seguir (São Mateus, Sapopemba e Cidade Tiradentes, só como exemplos), podemos esperar mais uma linha saturada operando em São Paulo. Mas ao contrário do que se espera, o Metrô tem experiência de sobra para administrar a situação. A preocupação maior estaria mesmo em Vila Prudente, na hora da integração.

Por outro lado, o Monotrilho virá atender uma região bastante carente de transporte. Toda essa região por onde a Linha 2-Verde irá passar é atendida hoje, unicamente por ônibus municipais. O serviço não é dos melhores, como já visto em diversas reportagens na mídia. Com isso, o Metrô projetou e desenvolveu essa linha, que irá integrar com o terminal de ônibus na estação São Mateus. De acordo com informações, o primeiro trecho do novo serviço deverá entrar em operação já em 2013. A linha completa deverá ser entregue até meados de 2016.

O Metrô já começou a substituir todo o seu sistema de sinalização, para CBTC (Communication Based Train Control), muito utilizado na Europa e considerado o mais moderno da época. Com esse novo sistema, será possível reduzir intervalos, além de aproximar mais os trens. Além disso, a companhia está adquirindo 15 novos trens, para serem utilizados nas linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha, reforçando a frota nos horários mais complicados.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

O pioneiro do Metrô

Luiz Edgar Galbiate, ex-condutor. Fotos: Ernesto Rodrigues/AE e Sydney Corralo/AE-14/07/1984
Fonte: Estadão

Trinta e sete anos se passaram desde que Luiz Edgar Galbiate, sentado na frente de um painel cheio de luzes e alavancas, apertou o botão que levou aqueles sete carros a cortarem São Paulo por debaixo da terra. Era a viagem inaugural do Metrô. Com medo de que alguma coisa desse errado, o condutor se concentrava para fazer da primeira viagem a mais perfeita possível. O trajeto era apenas uma pequena avenida subterrânea de 6,4 km, ligando a Vila Mariana ao Jabaquara.

De lá para cá, esse pequeno trecho de 14 de setembro de 1974 virou uma rede de 74,3 km de extensão, divididos em cinco linhas. Os 10 mil passageiros que usaram o Metrô naquele dia hoje são 4 milhões. E, na Linha 4-Amarela, a mais moderna da rede, já não existe mais a função que Galbiate exercia na viagem inaugural. Hoje, todas as composições do primeiro ramal privatizado são controladas à distância e dirigidas por computadores.

Galbiate, agora com 65 anos, está aposentado e se mudou para Taquaritinga, no interior de São Paulo, para escapar da correria da metrópole. Na semana passada, a pedido do Estado, ele viajou até a capital e visitou pela primeira vez a Linha 4. Sua reação foi um misto de curiosidade e assombro diante das novidades – portas de vidro, bloqueios nas plataformas, vagões sem divisão e, o que atraiu mais sua curiosidade, a janelinha por onde é possível ver os trilhos. “É tudo muito bonito”, resume o aposentado.
Natural de Ibirá, também no interior, Galbiate chegou à capital em 1971. Entrou no Metrô em 1973 e só saiu 26 anos depois. “Me chamaram para ser operador elétrico, mas queria fazer alguma coisa diferente. Quando me falaram dessa vaga, aceitei na hora”, lembra.
 
Sua vida agora é muito mais tranquila do que naquela época. Aposentado há cerca de 10 anos, o ex-condutor só anda de chinelo – “esse sapato que coloquei hoje para a foto já está me matando” – e passa os dias com sua mulher ou jogando sinuca e dominó com amigos em Taquaritinga. Da capital, sua grande saudade não poderia ser outra. “Falta mesmo eu sinto é do Metrô, que era a minha vida.”

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

SP quer antecipar rede de Metrô para 2018

Trem Frota K - Estação Penha - Linha 3-Vermelha
Fonte: Revista Ferroviária

A carteira de parcerias público-privadas (PPPs) do Estado de São Paulo prevê investimentos de R$ 25 bilhões até 2015. Há, pelo menos, 13 projetos aprovados com estudos em desenvolvimento. Boa parte deles envolve um setor crítico de São Paulo: a mobilidade urbana. Estamos focando nossos esforços numa área que tem tirado a competitividade da região metropolitana, observa o vice-governador do Estado, Guilherme Afif Domingos.

Segundo ele, o Estado tem o maior portfólio de PPPs do mundo e inclui projetos de médio e grande portes. Nos últimos anos, conseguiu contratar três empreendimentos, cujos investimentos somaram quase R$ 6 bilhões: a linha 4 do metrô, a estação de tratamento de água Taiaçupeba e a Linha 8 Diamante da CPTM. Para Afif, a crise mundial pode representar uma grande oportunidade para São Paulo deslanchar o programa.

As economias tradicionais estão debilitadas, com vários projetos suspensos. Os investidores estão à procura de empreendimentos estruturados em países emergentes, avalia ele. Uma das prioridades será antecipar a construção da rede de metrô de 2025 para 2018. São 120 quilômetros, diz Afif. O que não fizemos em 40 anos podemos fazer em oito. Segundo o vice-governador, a ideia é elaborar projetos que criem competição com o carro, hoje um dos principais meios de locomoção do paulista.

Nessa linha, o Estado planeja quatro trens expressos na região metropolitana e no interior. O ponto de partida será sempre a estação paulistana da Água Branca. Dali sairão trens com velocidade entre 160 km e 180 km por hora para Jundiaí e Campinas; Guarulhos e São José dos Campos; São Roque e Sorocaba; e Baixada Santista. Juntas, essas linhas vão somar 400 km de trilhos e investimentos de R$ 16 bilhões. A dúvida é se alguns trechos não vão ser inviabilizados pelo projeto federal do trem-bala, entre Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Governador entrega mais dois trens modernizados para a Linha 1-Azul

Frota I, 8º trem modernizado entregue pelo governo de São Paulo ao Metrô
Fonte: Governo do Estado
Foto: José Luis da Conceição

O governador Geraldo Alckmin entregou à população nesta sexta-feira, 20, o sétimo e o oitavo trens modernizados do Metrô. Ambos passarão a circular na Linha 1-Azul (Jabaquara-Tucuruvi). Assim, já são oito trens modernizados no Metrô, sendo três na Linha 1-Azul e cinco na Linha 3-Vermelha (Corinthians-Itaquera e Palmeiras-Barra Funda).

"São 588 carros a mais para a linha 1, que é a Norte-Sul, essa que nós estamos, e para a Linha 3, que é a Leste-Oeste. Com isso, nós passaremos aqui na linha 1 de 105 segundos para 90 segundos na hora do rush e na linha Leste-Oeste (Vermelha) de 105 segundos para 85 segundos na hora do rush", declarou Alckmin.

As 90 composições restantes da frota original - 48 da Linha 1-Azul e 42 da Linha 3-Vermelha - receberão atualizações tecnológicas até 2014, gradativamente. Os investimentos na modernização da frota do Metrô são da ordem de R$ 1,75 bilhão.

Os trens modernizados ganharam ar-condicionado, câmeras de vigilância (quatro internas por carro e duas externas nas cabeceiras da composição), sensores para detecção de fumaça, sistema de informação audiovisual (monitores e displays) e monitoramento contínuo dos equipamentos pelo operador (data bus), sistema de controle de patinagem e deslizamento que melhora o desempenho dos freios em condições de baixa aderência, como em tempo chuvoso.

Também foram realizadas melhorias no sistema de tração, na ergonomia e iluminação, intervenções que proporcionam ainda mais eficiência ao sistema de tração em corrente alternada (motores com controles e componentes eletrônicos mais eficientes que possibilitam menor consumo de energia).

Ampliada, a cabine do operador recebeu novo banco ergonométrico e acesso mais rápido às informações geradas pela viagem, ficando as mais significativas dispostas no console de comando ou na própria cabine.

As composições modernizadas contemplam as normas vigentes de acessibilidade, com espaços para cadeira de rodas e sinalização audiovisual de abertura e fechamento de portas. O interior dos carros traz mapa dinâmico visual das estações, comunicação em braile e dispositivos de emergência para comunicação com o operador.

A modernização dos trens inclui ainda sistema de som que melhora a audição das mensagens sonoras eletrônicas e das divulgadas pelo operador de trem, além de pega-mão fluorescente destinado a pessoas com dificuldades visuais. O objetivo é dotar os trens antigos de padrões de desempenho e acessibilidade equivalentes aos existentes nos trens recebidos a partir de 2008, para proporcionar mais conforto aos usuários.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Governador entrega 7º e 8º trens modernizados

Trem Frota I - Pátio Itaquera
Fonte: Metrô

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin entrega à população, nesta sexta-feira (20/01), às 10 horas, na estação Tucuruvi, o sétimo e o oitavo trens modernizados do Metrô. As composições irão operar na Linha 1-Azul (Jabaquara-Tucuruvi).

Com essa entrega, já são oito trens modernizados no Metrô, sendo três na Linha 1-Azul e cinco na Linha 3-Vermelha. A meta da Companhia do Metrô é que 98 composições com atualizações tecnológicas sejam entregues gradativamente até 2014, sendo 51 da Linha 1-Azul e 47 da Linha 3-Vermelha. Os investimentos na modernização da frota do Metrô são da ordem de R$ 1,75 bilhão.

Os trens modernizados incorporaram itens como ar-condicionado e câmeras de vigilância, entre outros aprimoramentos tecnológicos. Esses dois trens modernizados integram a frota original que começou a operar na antiga Linha Norte-Sul entre 1974 e 1975.

Trem frota J - Pátio de Itaquera

Sinal de celular é liberado na Linha 4-Amarela

Linha 4 agora possui sinal de celular. Outras linhas do Metrô já possuíam
Fonte: O Estado de São Paulo

Mais de um ano e meio depois da sua inauguração, a Linha 4-Amarela, considerada a mais moderna do Metrô de São Paulo, só começa a oferecer hoje sinal de telefonia celular a seus passageiros, e ainda de forma parcial. No início, o serviço estará disponível a clientes de três operadoras – Oi, Tim e Vivo – e somente no trecho de 7,2 km entre as estações Faria Lima e Luz.

“A Claro e a Nextel (começam a funcionar) alguns dias depois. É tudo uma questão de concluir o ajuste dos equipamentos”, diz Luís Valença, presidente da concessionária ViaQuatro, que administra a linha. A expectativa é de que o sinal de todas as operadoras esteja operando até o fim do mês.

Os passageiros que usam as estações Pinheiros e Butantã precisarão aguardar até março. É essa a previsão para que o sinal esteja liberado no percurso de 1,8 km entre essas paradas. Valença explica que o sinal será de segunda (2G) e terceira geração (3G), com transmissão de voz e dados. “Mas já estamos preparados para receber a tecnologia 4G, para quando ela estiver disponível de fato no País.”

No total, 89 antenas e 30 mil metros de cabos de radiofrequência – instalados ao longo do túnel – garantirão o acesso ao sinal de telefone para os mais de 500 mil passageiros que usam a Linha 4-Amarela diariamente. Os equipamentos começaram a ser implantados em setembro do ano passado. “A infraestrutura é compartilhada pelas as cinco operadoras.” A colocação teria sido realizada pela Oi.

Mas o que explica a demora para o início desse serviço? “Tivemos que superar duas dificuldades. Uma de natureza contratual: tentamos encontrar uma solução que trouxesse vantagem para todo mundo. Não tinha sentido fechar negócio com cada operadora separadamente e cada uma ter que instalar seus cabos e antenas”, explica Valença. “A segunda, e mais relevante, foi que o processo de implantação não poderia prejudicar a implantação da linha em si.” Segundo ele, só nos últimos quatro meses, após a inauguração de República e Luz, as operadoras puderam entrar na linha para fazer o serviço.

No resto do Metrô, o sinal de celular já existe em percursos subterrâneos desde 2008. Porém, em alguns trechos, como os que ficam sob a terra entre Vila Prudente e Sacomã, na Linha 2-Verde, que é mais recente, ainda há falhas na conexão com as operadoras.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Licença para o monotrilho da Linha 2 é liberada


Fonte: Revista Ferroviária

Depois de um ano e quatro meses, saiu a licença ambiental de instalação de parte do trecho Oratório - Cidade Tiradentes (zona leste) da linha 2 do Metrô.
A licença prévia para o monotrilho havia sido solicitada pela empresa em setembro de 2010. Faltam ainda a licença de instalação de um segundo trecho, para chegar a São Mateus, previsto para ser assinado em 15 dias, e a licença de operação, sem a qual o Metrô não pode atuar.
A Secretaria dos Transportes Metropolitanos diz que a linha estará pronta em 2014.

Além de exigências ambientais, o Metrô terá de atender também determinações como ciclovia, bicicletário e sinalização com uma série de especificações definidas pelo Cades (Conselho Municipal do Meio Ambiente de Desenvolvimento Sustentável), um grupo composto por 63 membros, representantes da prefeitura, de diferentes setores (comércio, indústria e outras esferas de governo) e ONGs.
"Para obtermos a licença de operação, vamos ter de cumprir outras 29 exigências. Vamos cumpri-las, mas há o custo econômico [para o Estado] e para a população que precisa do transporte", diz o secretário estadual Jurandir Fernandes, dos Transportes Metropolitanos.
"Da licença para a linha 17, que aguardamos há um ano e meio, não há notícia."

Outro monotrilho, a linha 17- ouro, que vai ligar o aeroporto de Congonhas ao Morumbi e ao Jabaquara, teve sua licença solicitada pelo Metrô em julho de 2010. Para o secretário Fernandes, algumas exigências não são da alçada do Metrô.
"Somos favoráveis às medidas ambientais e ciclovias, mas por que a construção de pistas para bicicletas, local para abrigá-las e sinalização devem ser feitas pelo Metrô? Não é o foco do Metrô nem da CPTM. Já temos ação mitigadora porque o Metrô, ao retirar carros das ruas, reduz poluição, barulho, acidentes."
As obras das linhas 2 e 17 já foram contratadas. Construtoras já começaram seus canteiros de obras, mas aguardam licenças. Para futuras linhas, a Secretaria diz estar se antecipando às dificuldades.
"Para os projetos novos, estamos nos adiantando para ver o que será necessário, antes de contratar obras", diz. "Tanto órgãos de fiscalização quanto solicitantes têm de se aperfeiçoar."
"Somos favoráveis às medidas ambientais e à implantação de ciclovias, mas por que a construção de pistas para bicicletas, local para abrigá-las e a sinalização de 250 metros de cada lado devem ser feitas pelo Metrô? Não é o foco do Metrô nem da CPTM fazer essas obras".

Licenciamento está de acordo com a lei, diz Prefeitura de SP
Os processos de licenciamento ambiental em curso em São Paulo seguem os caminhos previstos em lei, segundo a prefeitura da capital.
Só depois de os pedidos serem apreciados em reuniões do Cades (Conselho Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) e de todas as exigências serem discutidas, é que as licenças são emitidas.
Uma ação do Ministério Público, que deu entrada na Justiça no final de 2011, atrasou em pelo menos um mês as decisões sobre o assunto, segundo a secretaria do Verde e do Meio Ambiente.
A promotoria entende que é ilegal a prefeitura conceder licenças ambientais, papel que caberia ao Estado.
O Tribunal de Justiça concedeu liminar, bloqueando as licenças. Em dezembro, a prefeitura reverteu a decisão.
Sobre as ciclovias e demais exigências, a secretaria do Verde e do Meio Ambiente diz que elas sempre existiram.
No caso da pista para bicicletas, ao contrário de licenciamentos anteriores, ela terá que ser entregue pelo Metrô no mesmo dia em que a obra começar a funcionar.
"Já temos uma ação mitigadora porque o Metrô, ao retirar carros das ruas, reduz poluição, barulho... Exige-se do Metrô, mas poderia ser das montadoras, que colocam tantos carros em circulação".

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Testes irão interromper a Linha 2-Verde aos domingos

Trem Alstom Frota G - Pátio de Itaquera
Fonte: Folha de São Paulo
Imagem: Divulgação STM

A circulação de trens na linha 2-verde do metrô de São Paulo será interrompida para a realização de testes nos próximos domingos e feriados. A companhia, porém, não soube precisar a data de início dos trabalhos.
A medida será adotada "nas próximas semanas" para a implantação de um novo sistema que deve diminuir em 20% o intervalo entre os trens.

"Os testes já estão sendo feitos durante a madrugada, mas são períodos muito pequenos, por isso vamos começar em breve os trabalhos aos domingos", afirma o diretor de Engenharia e Construções do Metrô, Walter Castro.

A previsão é que os testes sejam finalizados até julho em toda a linha 2-verde, quando o CBTC (Comunication Based Train Control) deve começar a funcionar no trecho. Até lá, as atividades podem ser interrompidas durante algumas horas da manhã ou durante todo o dia --aos domingos e feriados.
Durante o período de interrupção, será ativada a operação Paese (Plano de Apoio entre as Empresas em Situação de Emergência), com ônibus gratuitos fazendo o percurso no trecho.

Os equipamentos foram instalados durante mais de um ano e os testes tiveram início em 2011. O Metrô também não informou se as interrupções serão realizadas todos os domingos e por quantos meses os devem ser realizados. "Isso dependerá dos resultados dos testes", disse o diretor.Os sistema já funciona parcialmente entre as estações Sacomã e Vila Prudente, da linha 2-verde.Em uma próxima etapa, o sistema será instalado nas linhas 1-azul e 3-vermelha.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Metrô irá alterar a circulação de suas linhas por conta da instalação do novo sistema de sinalização CBTC

Trem Mafersa Frota D
Fonte: Metrô

O Metrô está implantando nas linhas 1- Azul (Jabaquara-Tucuruvi), 2- Verde (Vila Prudente-Vila Madalena), 3- Vermelha (Corinthians/Itaquera-Palmeiras/Barra Funda) e 5- Lilás (Capão Redondo-Largo Treze) um novo sistema de controle de trens. O processo começará neste mês de janeiro na Linha 2-Verde. Esse sistema de controle de trens, o mais moderno do mundo em operação, irá diminuir o intervalo entre um trem e outro, reduzindo o tempo de espera dos usuários nas plataformas das estações com a ampliação da capacidade de transporte em cerca de 20%.

Os serviços serão realizados nos próximos domingos e feriados, excetuando o próximo dia 25 de janeiro, aniversário da cidade de São Paulo. Esses dias foram escolhidos devido à redução da demanda. Nos dias de realização dos testes, alguns trechos da Linha 2-Verde terão as atividades de operação comercial interrompida por horas. Posteriormente, devido à necessidade de testar trechos maiores, toda a linha terá a circulação suspensa, e essa ação pode se prolongar por um dia inteiro.

Durante o período da interrupção da circulação de trens, os usuários serão atendidos gratuitamente por ônibus da SPTrans, solicitados pelo Metrô junto à Prefeitura por meio do PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência), que farão o mesmo percurso dos trechos interrompidos.
O Metrô avisará sobre as interrupções pelo sistema de som das estações, dos trens e por meio de cartazes. O usuário também pode se cadastrar no site www.metro.sp.gov.br para receber as informações via e-mail ou SMS.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Janeiro é uma boa opção para conhecer São Paulo

Trem CAF Frota H
Fonte: Metrô

Com a chegada das férias de janeiro, o Metrô é um boa opção para que os paulistanos e visitantes possam conhecer os diversos pontos turísticos e de interesse da maior cidade do país e uma das maiores do mundo. Detalhe: muitos desses pontos podem ser acessados com a utilização de uma única passagem de metrô, que custa R$ 2,90. Outros locais mais distantes podem ser alcançados com a utilização de linhas de ônibus integradas ao sistema metroviário.

Quem utiliza rotineiramente o metrô como meio de transporte tem notado que o movimento de usuários nos últimos dias tem sido mais tranquilo nessa época do ano. De acordo com a área de Estudos e Estatísticas do Metrô, em janeiro, o movimento médio nos dias úteis é cerca de 7% menor que no mês de dezembro, o que significa uma redução de aproximadamente 250 mil pessoas. São estudantes e também pais que aproveitam as férias escolares dos filhos para deixar a cidade. O reflexo disso pode ser notado no trânsito das avenidas, nos centros comerciais e também no transporte coletivo, principalmente no metrô.

Com uma rede com 74,2 quilômetros de extensão e 64 estações, incluindo o trecho em funcionamento da Linha 4-Amarela (entre as estações Butantã e Luz, com 8,9 quilômetros e seis estações, operado e mantido pela concessionária ViaQuatro), o metrô paulista, que por si já é uma atração para muitos visitantes, é uma boa opção de acesso a muitos pontos turísticos e de interesse da metrópole.

Alguns desses pontos, como a Catedral da Sé, o Museu de Arte São Paulo (Masp), a Rua 25 de Março (maior centro de comércio popular), a Liberdade (o “bairro oriental”), podem ser alcançados diretamente pelo metrô. Outras atrações mais distantes, como o Jardim Zoológico (na zona sul) e o Parque do Carmo (na zona leste), podem ser acessados com a utilização de linhas de ônibus integradas ao metrô.

Por meio da Linha 1-Azul do Metrô (Jabaquara-Tucuruvi), o usuário tem acesso ao Centro de Exposições Imigrantes, Jardim Botânico, Centro Cultural São Paulo, Centro Cultural Banco do Brasil, Museu da Arte Sacra, Museu da Língua Portuguesa, Rua 25 de Março, Museu da Imigração Japonesa, Pinacoteca do Estado, Catedral da Sé, Sambódromo e Parque do Anhembi.

Pela Linha 2-Verde (Vila Prudente-Vila Madalena), o visitante pode conhecer o Instituto Cultural Itaú, o Museu de Arte São Paulo(MASP), a Casa das Rosas, o Centro da Cultura Judaica (junto à estação Sumaré), o Museu do Ipiranga, o Aquário São Paulo e o Museu do Futebol, que fica anexo ao portão do Estádio do Pacaembu.

Com a Linha 3-Vermelha (Corinthians/Itaquera-Palmeiras/Barra Funda), o usuário poderá conhecer o Memorial da América Latina, o Play Center, o Parque da Água Branca, o Parque do Carmo e o Memorial do Imigrante.

Na Linha 5-Lilás (Capão Redondo-Largo Treze), a atração é a estação Santo Amaro, primeira estação metroviária construída numa estrutura conhecida como ponte estaiada, sobre o rio Pinheiros. Essa estação faz integração física com a estação Santo Amaro da Linha 9-Esmeralda da CPTM (Osasco-Grajaú), que conta com uma ciclovia que percorre em paralelo o seu traçado.
Mais informações sobre pontos turísticos e de interesse próximos às estações do Metrô podem ser obtidas na Central de Informações do Metrô (tel. 0800 7707722) e no site www.metro.sp.gov.br
Além dessas opções de visitas, o Metrô conta com o Turismetrô, que é realizado em parceria com a São Paulo Turismo (SPTuris).

Esse programa de visitação a pontos turísticos e históricos ocorre nos finais de semana, aos sábados e domingos (às 9h00 e às 14h00) e conta com cinco roteiros, próximos do Metrô (Turismo na Sé, na Paulista, na região da Luz, Teatro Municipal/Largo São Francisco e o bairro da Liberdade). Os passeios partem sempre da estação Sé e são acompanhados por guias especializados.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Metrô muda projeto da Linha 6-Laranja


Fonte: Estadão

Entre a Liberdade, região central, e a Brasilândia, na zona norte, são muitos os casarões, fábricas e escolas que ajudam a contar a história de São Paulo. A partir de março do ano que vem, esse traçado estará associado a mais um capítulo da vida da cidade: a construção da Linha 6-Laranja do Metrô. Para que o progresso não interfira na memória paulistana, cuidados estão sendo tomados com quase 30 bens históricos no caminho do ramal. Alguns levaram até a mudanças nos projetos.

É o caso das futuras Estações Bela Vista e São Joaquim, na região central. Os acessos de ambas tiveram de ser repensados depois que se constatou que eles afetariam imóveis tombados. Uma dessas edificações, diz Mauro Biazotti, diretor de expansão e planejamento do Metrô, fica no número 708 da Rua Rui Barbosa. "No projeto inicial, ele seria utilizado para a construção da Estação Bela Vista, ou seja, o imóvel seria demolido."

Mas, depois que se constatou o status da construção, o projeto da parada foi alterado, e o imóvel, poupado. A mesma estação incorporará dois imóveis antigos, que, previamente, seriam derrubados.
A mudança foi feita após recomendação do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp). São dois sobrados do início do século passado ocupando os números 1.512 e 1.523 da Avenida Brigadeiro Luís Antônio. Eles vão virar entrada da estação e terão sua fachada restaurada às formas originais. "Os usuários vão entrar pelos imóveis. Em um deles hoje há um bar", diz Alfredo Nery Filho, gerente de concepção de arquitetura do Metrô.

Segundo ele, as edificações estão descaracterizadas. "Poderíamos redesenhar o acesso e não usar esses imóveis. Mas, como o Conpresp tinha interesse em recuperá-los, decidimos usá-los e restaurá-los conforme a técnica exigida pelo órgão de proteção", explica.
Preservação. Na Estação São Joaquim, que será integrada à parada da Linha 1-Azul que já existe, um conjunto de habitações tombadas nos números 34, 36, 44 e 46 da Rua Pirapitingui fez com que o Metrô tivesse de reconfigurar a futura entrada.

"Revimos o projeto do acesso e o diminuímos o máximo possível para poder preservar esses imóveis", explica Nery Filho. Diferentemente dos sobrados da Brigadeiro, o casario não será desapropriado. Sua preservação dependerá exclusivamente do proprietário.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Sérgio Avelleda fala do uso de bicicletas no Metrô

Avelleda usa a bicicleta como meio de transporte
Fonte: Época SP

Há pouco mais de dois anos, o atual presidente do Metrô de São Paulo, Sérgio Avelleda, utiliza a bike como meio de transporte. Sua adesão a ela começou em 2009, quando ele, ainda trabalhando na CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), usava a bicicleta para inspecionar a construção da ciclovia da Marginal Pinheiros. Depois daquela experiência, pouco a pouco Avelleda foi adotando a bike em seus deslocamentos diários e acumulando benefícios com essa mudança de hábito, desde físicos – como o aumento da resistência muscular e redução de estresse – até a evidente economia de tempo em trajetos que, se feitos em carro ou ônibus, consumiriam uma parcela preciosa da vida em engarrafamentos.
Nessa entrevista que concedeu ao Na Bike na última semana de dezembro do ano passado, Sérgio Avelleda contou um pouco da sua experiência como ciclista urbano, falou das ideias que tem para incentivar o uso da bike + metrô e se mostrou disposto a dialogar com os ciclistas para resolver uma questão crucial para quem leva a bicicleta nas estações nos horários permitidos: a norma que obriga ciclistas a transportarem a bike no braço pelas escadas fixas do metrô, o que acaba desestimulando muita gente a fazer uso combinado desses dois modais de transporte.

Confira a entrevista.


segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Metrô-SP tem inscrições abertas para vagas de até R$ 5,4 mil

Trem Frota K - Estação Penha - Linha 3-Vermelha
Fonte: R7

O Metrô de São Paulo está com inscrições abertas para o concurso público que irá selecionar candidatos de todos os níveis de ensino. São 63 vagas, além de cadastro de reserva, e os salários vão de R$ 1.304,04 a R$ 5.473,35. 

As oportunidades são de nível superior são para graduados em direito, administração, arquitetura, biblioteconomia, ciências contábeis, ciências da computação, comunicação social, desenho industrial, economia, geologia, estatística, psicologia, engenharia ambiental, engenharia civil, engenharia elétrica, engenharia eletrônica, engenharia mecânica, engenharia de segurança do trabalho e medicina.

Há vagas também para candidatos com ensino médio técnico em segurança do trabalho, agrimensura, edificações, eletrotécnica, eletrônica, eletroeletrônica, mecatrônica, automação industrial, mecânica, eletromecânica e enfermagem.

Candidatos de ensino médio podem concorrer a vagas de assistente administrativo júnior, oficial de logística e operador de transporte. Já no ensino fundamental, as chances são para oficial de manutenção (civil, pintura industrial, serralheria, elétrica, mecânica e solda) e usinador ferramenteiro. 
As inscrições para o processo seletivo vão até o dia 23 de janeiro e devem ser feitas no site da Fundação Carlos Chagas, organizadora do concurso. As taxas para participar são de R$ 45 (ensino fundamental), R$ 65 (ensino médio) e R$ 95 (ensino superior).

A prova está prevista para acontecer no dia 11 de março e será aplicada no período da manhã para candidatos de nível médio e técnico e à tarde para os de nível fundamental e superior.

Seguidores