sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Metrô terá esquema alternativo após instituto fechar bicicletários em SP


Fonte: G1

Após registrar problemas há 90 dias no funcionamento de bicicletários e empréstimos de bicicletas em estações, o Metrô anunciou nesta quinta-feira (13) que vai acionar plano alternativo para solucionar problema com o instituto conveniado que mantém os serviços. O atendimento emergencial começa no sábado (15) em quatro das 23 estações que contam com parceria o Instituto Parada Vital.

Procurado pelo G1, o Instituto Parada Vital informou, em nota, que "os bicicletários ficarão fechados temporariamente até que tenhamos um cenário apropriado para continuidade das operações". A empresa não detalhou, no entanto, o que causou o fechamento dos bicicletários. A nota reafirma apenas o funcionamento alternativo a partir de sábado, "em acordo com a Secretaria de Transportes Metropolitanos".
Funcionários da ONG disseram que a ela está com problemas financeiros, segundo usuários. O governo disse que não faz e nunca fez repasse de verbas para a ONG. O Instituto se mantém com exploração de publicidade e financiamento baseado em leis de incentivo.

Por causa do problema que se arrasta há três meses, a professora de história Lívia Arila Coradello, de 24 anos, contou ter tido uma bicicleta roubada na estação Barra Funda. Nesta quinta, o G1 também localizou problemas em outras estações.

O Metrô e a Secretaria de Transportes Metropolitanos (STM), por meio de nota, informaram que os bicicletários são “mantidos pelo Instituto Parada Vital”, por meio de convênio firmado em setembro de 2008. O Metrô diz que há 90 dias “constatou, a partir de reclamações, que o conveniado passou a apresentar problemas operacionais, ocasionando prejuízo para o funcionamento de alguns bicicletários.”

Segundo informações do instituto, ele matém bicicletário e empréstimo em dezesseis estações do Metrô (Sé, Carrão, Corinthians-Itaquera, Guilhermina-Esperança, Anhangabaú, Vila Mariana, Paraíso, Marechal Deodoro, Santana, Liberdade, Vila Madalena, Brás, Barra Funda, Santa Cecília, Armênia, Butantã).
O instituto também mantém paraciclos nas estações Belém, Penha, Vila Matilde, Artur Alvim, Capão Redondo, Campo Limpo e Vila das Belezas.
 
Roubo e prejuízo
A professora que relatou o problema ao G1 diz que utiliza a bicicleta para ir de sua residência, na Avenida Francisco Matarazzo, até a estação. De lá, ela pega o trem até a Pirituba. Na primeira vez em que se deparou com o bicicletário fechado, ela passou por um susto e foi parar na delegacia.

“Tive que prender a bicicleta naquelas argolas. Quando retornei da escola, vi um rapaz com a minha bicicleta. Estavam ele e outros dois, um deles com um alicate de cortar corrente. Eu consegui avisar um policial, que prendeu os três. O roubo foi registrado na central de flagrantes da delegacia próxima ao Ceagesp (91ª DP, na Vila Leopoldina)”, contou.

Depois deste contratempo, Lívia desistiu de utilizar a bike por um bom tempo. Há cerca de 20 dias, decidiu retomar as pedaladas para ir até a estação Barra Funda. Mais uma vez, no entanto, ela vem encontrando dificuldades para guardar a bicicleta com segurança. “Já reclamei com o canal de usuário do Metrô e com a ONG (Instituto Parada Vital) que cuida dos bicicletários e não me deram respostas”, disse.

Diante do descaso, a professora manifestou a sua indignação com o descaso. “Acho um absurdo tudo isso. Eles fazem toda essa campanha para incentivar o uso da bicicleta, gastam dinheiro público com toda essa propaganda, para deixar o usuário na mão”, afirmou.

Em uma conversa com uma funcionária do Instituto Parada Vital responsável pelo bicicletário da estação Barra Funda, Lívia disse ter sido informada que os funcionários da ONG não estariam recebendo vale-transporte e, que por isso, alguns deles deixam de ir trabalhar. “Quando alguém falta, eles tiram um funcionário de um local para cuidar de um bicicletário mais movimentado. Por isso, em alguns lugares ficam fechados”, contou.
 
Alternativa
Segundo o Metrô, foi estabelecido, em reuniões com o conveniado, um plano de contingência visando minimizar os transtornos. O esquema começa a vigorar a partir do próximo sábado (15).

O atendimento de contingência deverá será executado nas estações Anhangabaú, Palmeiras-Barra Funda, Guilhermina-Esperança e Butantã. Ainda segundo o Metrô, por causa do problema, nos bicicletários Anhangabaú, Palmeiras-Barra Funda e Guilhermina-Esperança não haverá mais empréstimos de bicicleta.

Apesar disso, os demais bicicletários ficarão fechados temporariamente até que o instituto regularize o atendimento, segundo a SMT. “Caso isso não ocorra rapidamente, o Metrô e a STM buscarão alternativas”, concluiu a nota.

Nos bicicletários que permanecem abertos, o horário de funcionamento continua sendo das 6h às 22h.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores