terça-feira, 30 de outubro de 2012

Escavadeira vai acelerar obras da Linha 5 em SP


Fonte: Revista Ferroviária

O Metrô de São Paulo está utilizando pela primeira vez, nas obras de construção das futuras estações da Linha 5, uma ferramenta de tecnologia alemã que vai ajudar a acelerar o ritmo dos trabalhos e economizar serviços e gastos. Trata-se da hidrofresa, uma escavadeira que faz perfurações verticais, na velocidade de dois a cinco centímetros por minuto.

Por enquanto, a ferramenta está em uso nas obras da futura Estação Brooklin, mas a previsão é de que seja estendida para toda a Linha 5 em 2013.

O engenheiro Arlindo José Giampá, chefe do departamento de obra civil da Linha 5, afirma que a hidrofresa traz uma nova dinâmica na construção de parede diafragma, ou seja, do muro vertical, também conhecido como parede guia, moldado no solo para evitar o desbarrancamento de terra durante a fundação  da obra.

Há cerca de 60 anos, diz o engenheiro, esse tipo de trabalho era totalmente mecânico e só na última década passou a ser hidráulico. Após a escavação, era preciso fazer o bombeamento da terra para impedir a vazão da água, separar e encher o buraco com bentonita (argila umedecida que tapa os espaços vazios, impermeabiliza o solo e impede o fechamento da vala). Em seguida é construída a parede guia por painéis –em média um por dia. Porém, é necessário quebrar parte deles para colocar o tubo de concretagem.

Economia 
Com a hidrofresa o trabalho cai pela metade. Não é mais preciso destruir o que foi construído e a máquina quebra o solo, bombeia a terra para o reciclador e leva a bentonita. Apenas a parte inicial da abertura da fenda continua sendo  feita pelo clamshell.

Outra grande vantagem da hidrofresa é que ela também controla a verticalidade do solo. Por sua tecnologia, a ferramenta é mais cara do que a antiga, mas o custo/benefício compensa o investimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores