segunda-feira, 23 de julho de 2012

Vantagens da nova sinalização CBTC

Trens modernizados irão operar em sistema CBTC
Fonte: Revista Engenharia
Por Carlos Alberto de Freitas Timóteo

Pela necessidade de substituir os equipamentos do Sistema de Sinalização das Linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha, que estão há pouco mais de 30 anos em funcionamento, bem como aumentar a capacidade de transporte dessas linhas, que hoje já transportam pouco mais de 4 milhões de passageiros por dia, o Metrô de São Paulo iniciou no segundo semestre de 2008 o processo de substituição desse sistema juntamente com o sistema de telecomunicações.

Para o sistema de sinalização estará sendo utilizada a plataforma Urbalis, que é uma plataforma desenvolvida pela Alstom e utiliza a tecnologia CBTC. Essa tecnologia já vem sendo utilizada na modernização de outros sistemas como os de Cingapura, Pequim e Milão. O início do projeto de modernização das Linhas 1, 2 e 3, representa um novo marco tecnológico para controle de um movimentação de trens no Metrô, pois além da atualização tecnológica de equipamentos, está se implementando uma nova filosofia de projeto, na qual a localização de trens, que na concepção atual utiliza circuitos de via, passa a ser realizada por um sistema de comunicação baseado em comunicação (CBTC - Communication Based Train Control), que utiliza a filosofia de blocos móveis e comunicação contínua e bidirecional entre trem e equipamentos de via.

A tecnologia CBTC, que vem sendo empregada em projetos de novas linhas de metrô e na modernização de sistemas em operação, como é o caso dos metrôs de Nova York, Paris, Hong Kong, Londres, Madri, Pequim, Milão, etc., permite substituir os sistemas de sinalização em operação sem interromper ou prejudicar a operação comercial. Além disso, os sistemas CBTC permitem aumentar a capacidade de transporte até os limites impostos nos projetos da via permanente e dos trens (comprimento, taxa de aceleração, taxa de frenagem, etc.), sem a necessidade de acréscimo de equipamentos de via.

Balizas na cor amarela, localizadas na via, permitirão a comunicação entre trens
Uma das principais características do sistema de sinalização do tipo CBTC é determinar o posicionamento dos trens de forma precisa, obtendo-se na região das plataformas uma precisão de aproximadamente 25 cm. Isso é possível uma vez que a comunicação entre o trem e os equipamentos de via é realizada com intervalos menores que 1 segundo. Essa característica possibilita aproximar os trens de forma a permitir intervalo entre trens de 75 segundos, valores bastante inferiores se comparados aos 100 segundos praticados na Linha 3-Vermelha. Na tecnologia com circuitos de via, é criada uma 'sombra' de segurança que restringe a velocidade do trem que vem atrás, caso ele se aproxime do trem à frente. Outro problema da tecnologia com circuitos de via é que se um trem parar em função de interferência à frente, ele somente retoma o seu movimento após o trem à frente desocupar totalmente o respectivo circuito de via que está ocupando.

O tempo para que um trem que estava parado desocupe totalmente um circuito de via é da ordem de 20 segundos. Numa situação semelhante à mencionada, a interferência provocada num sistema utilizando a tecnologia CBTC é muito menor, uma vez que os trens param mais próximos do trem à frente, ou seja, distâncias da ordem de 20 metros no CBTC contra até 200 metros na tecnologia do circuito de via, e além disso, quando o trem à frente começa a se movimentar, o trem precedente se movimenta quase que imediatamente, já que a comunicação contínua entre trem e equipamentos de via possibilita uma atualização de toda a base de informação do sistema em tempo real.

Vote no Blog Metrô em Foco, no primeiro turno do Prêmio Top Blog 2012:

6 comentários:

ALEXANDRO disse...

Uma curiosidade, em muitos domingos algumas estações da linha verde, param para a implementação do sistema CBTC, daí pergunto:

1-somente com os resultados dessas poucas estações(acho que são vila prudente, sacomã e tamanduateí) os resultados valem para as outras, ou as outras também vão parar?

2-Depois este sistema vai para a linha azul e vermelha ou testes já estão sendo feitos nestas linhas!

Tá demorando muito !

Diego Silva disse...

Alexandro, segundo informações adquiridas em reunião de blogueiros com o Metrô, os testes da Linha 2 são realizados com mais frequência por conta da troca da sinalização CBTC anteriormente instalada. Os resultados não valem para outras linhas, justamente por terem um perfil diferente.

Esse mesmo sistema estará presente nas linhas 1-Azul e 3-Vermelha, que segundo o Metrô, estão em fase adiantada de desenvolvimento do software. Ainda segundo a Companhia, até o início de 2014, essas três linhas já deverão operar em CBTC full mode.

Leonardo Pereira disse...

A idéia do CBTC é diminuir o headway, diminuindo a lotação das plataformas. Em teoria, parece bom.
Quanto aos testes, diversas "adaptações" tem sido feitas no sistema original, sendo necessário testá-las no trecho que já utiliza o CBTC. A demora na conclusão da troca de sistemas na L2 deve-se " ao fato de Alstom ter a tecnologia, mas não o produto pronto".

ALEXANDRO disse...

Muito obrigado pelos esclarecimentos!

Akira disse...

Eu fiquei com uma dúvida: na linha 1-azul, há o uso dos trens antigos, com o sistema ATC, e os trens novos, com sistema CBTC. Sendo que os dois trafegam em conjunto na mesma linha, com sistemas diferentes, como a o uso dos dois sistemas sem haver conflitos, e acidentes entre trens?

Diego Silva disse...

Akira, apenas os trens da Linha 2-Verde, no trecho que liga Sacomã à Vila Prudente, que utilizam a sinalização em CBTC. Os demais trens ainda operam completamente em ATC/ATO.

Postar um comentário

Seguidores