segunda-feira, 11 de junho de 2012

Obra em Guilhermina-Esperança atrasa e usuários reclamam


Fonte: Diário de SP

Usuários e moradores vizinhos da Estação Guilhermina-Esperança da Linha 3-Vermelha do Metrô, na Zona Leste da capital, reclamam da demora na finalização das obras que começaram em  maio do ano passado. O Metrô garante que os transtornos acabarão mês que vem, com a entrega das obras. Segundo o Metrô, elas foram necessárias para trocar por granito o piso emborrachado das passarelas de acesso à estação, que estava desgastado. Para a companhia, o tempo gasto com a reforma é adequado.

A atendente de consultório Leonilde Alves usa o Metrô diariamente e se queixa que a obra está mal organizada. “Utilizo com obra ou sem obra, não dá para parar a vida por causa disso. Mas eles deveriam organizar melhor”, opina.

As mudanças nas passarelas de acesso à estação causam várias reclamações. Além da troca do piso, tapumes foram colocados ao longo das passagens para facilitar o  trabalho dos operários.

“Começaram arrancando o piso de borracha e depois colocaram esse que é bem escorregadio em dias de chuva”, diz a assessora jurídica Rita de Cássia Faustino, de 46 anos. Para a funcionária de call center Cléia de Souza Silva, de 29 anos, passar pelas passarelas ficou mais difícil nos dias de chuva. “Acho que deveriam ter feito um lado e depois o outro. É difícil em horário de pico ficar desviando dos tapumes”, explica.

Para Rita,  a mudança mais importante foi a colocação de obstáculos na entrada da estação. “Colocaram umas catracas para evitar a circulação de motos e veículos, que acontecia antes”, diz. Segundo informações do Metrô, essas barreiras já estão no local desde 1990.

Piso de granito é mais seguro, afirma Metrô
O Metrô informou que as obras na Estação Guilhermina-Esperança, feitas pela empresa Pires Giovanetti, englobam a troca de aproximadamente 1.320 metros quadrados de piso de borracha por piso de granito. Segundo o Metrô, o granito reduz custos de manutenção e oferece mais segurança aos pedestres. O Metrô diz que os serviços são complexos (regularização, preparo e assentamento de piso) e em área externa, sujeita a intempéries e fluxo de usuários. Portanto, considera o tempo da obra razoável.

1.320 metros quadrados de piso de borracha serão trocados por piso de granito

‘Se a obra é para  melhorar, temos de ter paciência’
Nem todos os usuários reclamam das obras. Para o aposentado Antônio de Figueiredo, de 69 anos, elas não incomodam. “As pessoas têm de entender que, se é para melhorar, devemos ter paciência”. Claudete Napolitano, de 73,  concorda. “Se for para melhorar, está tudo bem."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores