quarta-feira, 23 de maio de 2012

Greve Metrô 2012: Companhia e sindicatos chegam a acordo em audiência na Justiça do Trabalho


Fonte: G1

Um acordo entre representantes do governo e dos sindicatos envolvidos na greve do Metrô foi fechado em reunião realizada na Justiça do Trabalho nesta quarta-feira (23) em São Paulo. A categoria paralisou atividades desde a 0h.

A greve parou trechos de linhas do Metrô ao longo do dia. A cidade registrou recorde histórico de congestionamento no período da manhã, com 249 km às 10h.

Duas linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também foram paralisadas. A audiência de conciliação entre funcionários e diretoria da companhia está marcada para as 17h desta quarta, segundo o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT).

Na reunião entre o Metrô e o sindicato, o principal ponto definido foi o reajuste salarial de 6,17%. A decisão, que pode encaminhar o fim da greve ainda nesta tarde, será agora avaliada em assembleia dos trabalhadores. Os envolvidos no impasse participaram de audiência de conciliação também no TRT, na região da Consolação. A reunião foi mediada pela desembargadora e vice-presidente do tribunal, Anélia Li Chum. O encontro começou por volta das 12h15 e terminou pouco depois das 13h30.

A Justiça do Trabalho já havia determinado, em reunião que terminou sem acordo na terça-feira (22), que o sindicato mantivesse 100% da frota funcionando durante os horários de pico e 85% nos demais horários e proibiu a liberação das catracas. Caso as determinações não fossem cumpridas, o sindicato teria que pagar multa de R$ 100 mil diários.

PROPOSTAS DA AUDIÊNCIA
SINDICATO
JUSTIÇA
METRÔ
5,37% de reajuste salarial
Reposição salarial pelo INPC
4,15% de reposição salarial pelo IPC/Fipe
14,99% aumento real
1,5% de aumento real
1,5% de aumento real
R$ 280,45 de vale-alimentação
R$ 218 de vale-alimentação
R$ 158,57 de vale-alimentação
23,44% (R$ 25,25) de reajuste no vale-refeição
R$ 23 de reajuste no VR
R$ 21 de reajuste no VR
Adicional de periculosidade em 30% dos salários
Adicional de periculosidade em 15% dos salários
Adicional de periculosidade em 10% dos salários
 
Motivações
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, havia classificado as motivações da greve no Metrô e na CPTM de "político-eleitoreira". O presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino de Melo Prazeres Júnior, rebateu a crítica e disse que a intenção do protesto não é prejudicar as pessoas.

"A intenção não era prejudicar a população, tanto que lançamos ao governo o desafio de deixar a catraca livre", comenta Altino. "Acredito que ele está tentando criar uma explição. Queremos resolver essa demanda independentemente de qual governo seja", afirmou. "Temos desacordo tanto com governo federal quanto estadual", disse.

Altino afirmou que essa é a greve com maior adesão na história do movimento sindical metroviário. Segundo ele, dos 8,6 mil funcionários, cerca de 8 mil aderiram. Ele calcula que 100% dos operadores cruzaram os braços e que os próprios gerentes e supervisores mantêm em funcionamento trecho de linhas.

O dirigente afirmou que os trabalhadores aguardam nova proposta da empresa. Sobre a multa, eles dizem não ter sido notificados e afirmam que vão recorrer.

Governador critica
Em entrevista ao Bom Dia São Paulo, o governador disse que a população está sendo “punida” pela paralisação. Alckmin afirmou que a greve é promovida por um “grupelho radical com motivação político-eleitoral, prejudicando a população”.

O governador ressaltou que os grevistas descumprem uma decisão da Justiça do Trabalho que determinou que fosse mantida 100% da operação do Metrô no horário de pico.
 
Linhas 11 e 12 da CPTM
Os funcionários das linhas 11-Coral e 12-Safira da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) decidiram entrar em greve em assembleia realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil (STEFZCB).

A greve nas duas linhas da CPTM teve início à 0h desta quarta-feira (23), e deve perdurar por tempo indeterminado. Está prevista uma nova assembleia às 18h desta quarta, para avaliar a paralisação. Cerca de 850 mil passageiros usam diariamente as duas linhas.

Em nota, a CPTM informou que os sindicatos das linhas 7, 8, 9 e 10 continuam em negociação e as linhas vão operar normalmente. A companhia ressaltou que espera que seja cumprida decisão do Tribunal Regional do Trabalhopara que 85% do efetivo seja mantido nos horários de pico (das 5h30 às 10h e das 16h às 20h30) e 70% nos demais horários.

Segundo a companhia, foi apresentada uma nova proposta nesta terça reajustando o valor do vale-refeição de R$ 18 para R$ 20, correção salarial de 4,60% (IPC/FIPE) mais 1,5% de produtividade. Além disso, sinalizou que os funcionários terão direito a participação nos resultados da empresa, a ser pago em 2013, com valor mínimo de R$ 3 mil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores