quinta-feira, 12 de abril de 2012

SP terá Metrô em 6 estradas até 2030

Trens do Metrô irão correr paralelos às principais estradas
Fonte: Estadão

O metrô de São Paulo vai chegar às estradas paulistas. De acordo com o plano de expansão da companhia, obtido pelo Estado, as Rodovias Bandeirantes, Régis Bittencourt, Fernão Dias, Dutra, Raposo Tavares e Anhanguera ganharão linhas e estações entre 2020 e 2030. Esses novos ramais também terão bolsões de estacionamento - a ideia é que os moradores da Região Metropolitana deixem os carros no local e sigam para o trabalho na capital de metrô.

O modelo de estações-estacionamento na beira de grandes rodovias é considerado essencial para diminuir o número de veículos na cidade e estimular o uso do transporte público. Ele será o mesmo já aplicado na Estação Santos-Imigrantes, da Linha 2-Verde. Localizada na Avenida Ricardo Jafet, próxima da Rodovia dos Imigrantes e acesso importante para o litoral, a estação foi inaugurada em 2006 com 231 vagas de garagem - cada uma custa R$ 9,44 por 12 horas, incluindo passagens de ida e volta na rede metroviária. A ideia agora é replicar o modelo para outros pontos de entrada para a capital.

As primeiras nesse modelo que deverão ser inauguradas é a Bandeirantes, da Linha 6-Laranja, e a Taboão da Serra, que será construída como extensão da Linha 4-Amarela. A primeira ficará posicionada na rodovia de mesmo nome, que dá acesso à região de Campinas, e a segunda está planejada na Rodovia Régis Bittencourt - que liga São Paulo ao Sul do País -, na chegada à capital. A data de inauguração prevista para as duas é 2020.

Para 2030, a futura Linha 19-Celeste, que já teve seu projeto enviado para a Assembleia Legislativa, passará por Fernão Dias e Dutra. Outro ramal que está sendo estudado para 2030 é o chamado Arco Norte, que forma uma espécie de "Metroanel" com as outras linhas e também terá seu bolsão de estacionamento na Anhanguera.

Todo esse detalhamento das novas linhas consta da proposta de expansão do Metrô, que explica os investimentos propostos para a rede metroferroviária e as projeções de utilização. Até 2015, segundo a própria companhia, o cronograma do projeto já está garantido, com a verba empenhada. Para o horizonte até 2030, prioridades podem mudar de acordo com a demanda - o estudo, no entanto, serve para nortear a política do Metrô.

Outros locais. Para o superintendente da Associação Nacional de Transporte Público (ANTP), Marcos Bicalho, o conceito é correto, mas é necessário criar fórmulas para incentivar os passageiros a deixar o carro e seguir de metrô. "Uma ideia para isso acontecer é a adoção de pedágio urbano na região central, defendido pela ANTP. Se o motorista souber que vai pagar mais se continuar dirigindo, certamente ele terá mais incentivos para usar o serviço", afirma.

As últimas estações nesse modelo a serem entregues são as da Linha 22, um ramal de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) que ligará o Morumbi à região da Granja Viana, seguindo o traçado da Rodovia Raposo Tavares. Essa linha está prevista para 2030. Apenas a Via Anchieta (onde já existe a Estação Sacomã, da Linha 2-Verde) e a Castelo Branco não estão atualmente contempladas por estações-estacionamento. "Se o trânsito na cidade continuar piorando, talvez fique viável se deslocar dessas rodovias para locais onde tenha metrô e deixar o veículo lá", diz Bicalho.

Um comentário:

alexandrov disse...

É importante colocar estacionamento na estação Sacomã, análogo a estação Santos-Imigrantes! Há bastantes estacionamentos privados sem a ligação com o metrô, onde o usuário deve pagar o metrô!
Quanto ao Marcos Bicalho, pensar em pedágio é brincadeira para com a população que pagar tantos impostos!

Postar um comentário

Seguidores