terça-feira, 10 de abril de 2012

Livro conta história da construção do Metrô em São Paulo e no mundo


Fonte: Mobiliza Brasil

Na última quinta-feira (28/03), foi lançado o livro "Arquitetura de Metrô" (Editora VJ, R$ 150), de autoria de Arno Hadlich, Marc Duwe e Eduardo Velo

A obra explica em detalhes, com muitas imagens e informações técnicas, os conceitos e métodos construtivos envolvidos na obra dos principais metrôs do mundo, e de São Paulo em especial.

A base para a produção do livro foi a experiência dos autores, os três arquitetos da Tetra Arquitetura, escritório que desenvolveu o projeto da linha 4-Amarela do metrô, além de outras estações e linhas do metrô paulistano.

Muitas fotos e dados técnicos ajudam a remontar a história do metrô de São Paulo, e também de Paris, Berlim, Nova York, Buenos Aires, Madri, Tóquio, Moscou, Cidade do México, São Francisco e Hong Kong. E uma linha do tempo a entender, por exemplo, quão longo é o tempo que separa a obra do metrô brasileiro, inaugurado em 1974, da do primeiro metrô, em funcionamento em Londres desde 1863. Ou seja, uma distância de 111 anos! Também são focalizados dois momentos cruciais impulsionadores da opção pelo transporte metroviário no mundo: a Segunda Guerra e a crise do petróleo de 1973.

Para explicar ao público especializado como se faz uma estação de metrô, o livro entra em assuntos como trecho, itinerário, solo e estimativa de público nos horários de pico.

“A arquitetura do metrô é bem diferente de qualquer outra. É preciso projetar espaços onde transitam milhares de pessoas por dia. Esses espaços dependem muito de métodos construtivos e de engenharia, mas a atuação do arquiteto é fundamental para humanizar esses projetos”, explica Marc Duwe, também coautor da Arena Fonte Nova, estádio que receberá jogos da Copa de 2014 em Salvador.

O livro destaca ainda a importância do metrô como alternativa de alta capacidade: "O sistema de transporte metroviário contribui, e muito, com a diminuição do trânsito de veículos e, consequentemente, com a diminuição da poluição do ar causada pela queima de combustíveis", afirmam os autores. Mesmo reconhecendo que obras de metrô são demoradas e costumam causar impactos no meio urbano, a conclusão é que as vantagens justificam o alto investimento: "Tais obras são imprescindíveis para melhorar a mobilidade da população em grandes metrópoles", concluem os autores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores