segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Moradores do Morumbi conseguem perícia no monotrilho



Fonte: Jornal da Tarde

Moradores do Morumbi travam na Justiça uma briga contra o projeto da Linha 17-Ouro do Metrô (Jabaquara-São Paulo/Morumbi). A pedido da Sociedade dos Amigos da Vila Inah (Saviah), na região do Morumbi, zona sul, o juiz da 3.ª Vara da Fazenda Pública, Luis Manuel Fonseca Pires, nomeou o perito Luiz Paulo Gião de Campos para avaliar o impacto do monotrilho, orçado em R$ 3,2 bilhões.

Para a entidade, a linha degradará o entorno, porque é elevada. A associação defende uma linha subterrânea. 'Por que não fazem metrô pensando 30 anos à frente, e não no momento?', diz Sílvio Teixeira Júnior, presidente da Saviah.

O pedido da perícia é um novo 'capítulo' da ação civil pública movida em 2010 pela associação, que chegou a obter uma liminar suspendendo a obra. Em junho passado, a decisão caiu.

Existem ainda pendências para o licenciamento. Segundo a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, foram requisitadas ao Metrô no dia 24 'informações complementares' do projeto, 'uma vez que as respostas encaminhadas' em novembro passado 'não atenderam completamente às solicitações'.

'Tanto a associação de moradores quanto o Ministério Público terão oportunidade de avaliar o trabalho pericial', destaca o advogado Leonardo Rangel.

Discorda. Em nota, a estatal informou que a linha atenderá à demanda diária prevista de 252,5 mil pessoas. A linha terá 17,9 quilômetros e 18 estações. Sobre a decisão judicial, o texto diz que o Metrô, 'sempre respeitando posições jurídicas' e 'firme na defesa da legalidade e adequação do modal escolhido, verificará se é caso ou não' de recorrer.

Na semana passada, o secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, disse estar 'preocupadíssimo' com a demora para o licenciamento. 'O que me parece, olhando de fora, é que há lobbies. Os moradores mais organizados, de uma forma não explícita, estão, por meio de órgãos, tentando criar dificuldades.'

3 comentários:

Anônimo disse...

Esse projeto é uma vergonha.

Anônimo disse...

O projeto em si é algo bom, mas é uma vergonha como está sendo feito. Há espaço suficiente para a construção do monotrilho, porém ruas estão sendo alargadas desnecessariamente e condomínios inteiros serão desapropriados. A rua Jules Rimet estava cotada para ser alargada, MAS, devido ao empreendimento da Cyrella ter recebido da Prefeitura autorização para levar adiante a construção a rua não será mais alargada e foi removida da faixa de desapropriação apresentada pela Prefeitura.

Já se perguntaram qual é a contribuição do colégio Porto Seguro enorme e riquíssimo, na sua resposabilidade social na região. O colégio não está contribuindo com nada. E, eles podem ajudar, sim, pois o colégio tem uma faixa de 2 metros junto ao muro do córrego sem utilizar que pode ser doada para a Prefeitura, minimizando, desta maneira as desapropriações.

Vocês sabiam, também, que o colégio, para construir o estacionamento subterrâneo monstro, se comprometeu a fazer a canalização do córrego, mas, agora, não está sendo incomodado, porque está previsto um piscinão na frente do estádio. E, como se fosse pouco, vão declarar o colégio como patrimônio público! VEJAM SE ISTO NÃO É UM ABSURDO! TODOS precisamos nos nos mobilizar para que as coisas sejam feitas com transparência e pensando em todos e não em só uns poucos!

inez de lucca disse...

Porque nao fazer metrô que é subterrâneo! que ideia fazer nas alturas!

Postar um comentário

Seguidores