segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Feliz 2013!


Desejamos à todos os leitores, usuários e funcionários do Metrô, um Feliz 2013, com muitas conquistas e muito sucesso. Agradecemos pelas visitas ao longo do ano e contamos com vocês também nesse novo ciclo.

domingo, 30 de dezembro de 2012

Metrô terá operação especial durante o Réveillon


Fonte: Metrô

A partir da próxima sexta-feira (28/12), o Metrô iniciará estratégia especial de operação para facilitar a viagem de quem for deixar a cidade durante o feriado prolongado de Réveillon. Na Linha 1-Azul (Jabaquara-Tucuruvi), principal via de acesso aos terminais rodoviários Jabaquara e Tietê, haverá reforço na oferta de viagens no período da noite de sexta-feira. Nas demais linhas, a frota de trens em circulação não sofrerá alterações. 

Durante o sábado e o domingo (29 e 30/12), a frota de trens em operação em todas as linhas metroviárias será equivalente a de um final de semana típico. Na segunda-feira (31), véspera do Ano Novo, a oferta de trens em todas as linhas também será mantida semelhante à que opera em um domingo típico.

Noite de Réveillon
Na virada do ano, a circulação de trens nas linhas 1-Azul (Jabaquara-Tucuruvi), 2-Verde (Vila Prudente-Vila Madalena), 3-Vermelha (Corinthians/Itaquera-Palmeiras/Barra Funda) e 5-Lilás (Capão Redondo-Largo Treze) será ininterrupta durante toda a madrugada. A operação da Linha 4-Amarela (Butantã-Luz), na noite de 31/12, também será ininterrupta em todas as estações.

Quem for comemorar a chegada de 2013 na Avenida Paulista, terá no metrô a melhor opção de transporte, podendo embarcar em qualquer estação das linhas 1-Azul, 2-Verde (exceto a estação Trianon-Masp), 3-Vermelha e 4-Amarela, até as duas horas da manhã. Na Linha 5-Lilás, até a 0h. Após esse horário, para atender aos que estiverem no Show da Virada, as estações Paraíso, Brigadeiro e Consolação permanecerão abertas para embarque e desembarque. As demais continuarão em operação somente para desembarque.

Estação Trianon-Masp fecha mais cedo
Por estratégia de segurança, devido a sua proximidade ao local do evento, a estação Trianon-Masp será fechada às 18h do dia 31 e reabrirá às 4h40 do dia 1º.

Durante o Réveillon, a frota de trens em operação será reforçada, o contingente de empregados operativos e de segurança aumentado e os usuários orientados sobre os horários de funcionamento e as melhores estações para chegarem ao evento, por meio de comunicação visual e de mensagens sonoras.

Para uma viagem mais segura e tranquila, o Metrô faz algumas recomendações simples. Para não ter que conviver com filas de última hora, a dica é a compra antecipada das passagens. Para evitar riscos desnecessários durante a viagem, o ideal é evitar aglomerações na região das plataformas e mezaninos das estações. Ao chegar à estação de destino, o usuário deve desembarcar tranquilamente, respeitando a sinalização e seguindo as orientações dos empregados.

Vale lembrar que é proibido o consumo de bebida alcoólica nas estações e trens.
No primeiro dia de 2013, todas as linhas do Metrô voltam a operar nos horários habituais. As frotas programadas para circular serão equivalentes às utilizadas nos fins de semana.

Retorno tem antecipação de horário
Na quarta-feira (2/1), para atender aos usuários que retornam à capital, o início da operação será antecipado para as 4h nas linhas 1, 2 e 3. Na Linha 5, a abertura das estações ocorrerá no horário normal, às 4h40.

sábado, 29 de dezembro de 2012

Metrô obtém licenças ambientais das obras dos monotrilhos das linhas 15-Prata e 17-Ouro


Fonte: Metrô

O Metrô de São Paulo obteve da Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente (SVMA) três licenças ambientais de instalação de trechos das obras de implantação das linhas 15-Prata (Ipiranga - Hospital Cidade Tiradentes) e 17-Ouro (Jabaquara-Congonhas-São Paulo Morumbi), ambas em sistema monotrilho.
 No caso da Linha 17-Ouro, a permissão abrange um trecho de 2,6 km de via elevada na Av. Roberto Marinho, entre a Estação Brooklin Paulista (exclusive) e a Estação Chucri Zaidan (exclusive), sem estações intermediárias; 2.059m de via elevada na Avenida Jornalista Roberto Marinho entre as estações Brooklin Paulista (exclusive) até Vila Paulista (exclusive) e de Chucri Zaidan (exclusive) até a Avenida Nações Unidas; 2.870m de via elevada na Avenida Washington Luís, entre o cruzamento com a Av. Jornalista Roberto Marinho até a estação Congonhas (1.180m), e na Av. Nações Unidas, até a estação Morumbi (1.690m).

 Já as três licenças para a Linha 15-Prata referem-se aos seguintes locais: 4,5 km de estrutura elevada no canteiro central da Av. Prof. Luiz Ignácio de Anhaia Mello, entre a estação Oratório e o cruzamento com a Rua Manuel Arruda castanho; 6 km de estrutura elevada, junto a canteiros centrais da Av. Prof. Luiz Ignácio de Anhaia Mello com a Rua Arruda Castanho, seguindo pela Av. Sapopemba e final após a Praça Felisberto Fernandes da Silva, no cruzamento da Av. Ragueb Chohfi com a Rua Ursa Menor; 660m de vias elevadas para circulação de trens no canteiro central da Av. Sapopemba, nas proximidades das futuras Estações Jardim Planalto, Sapopemba e Fazenda da Juta. 

Transporte para zona sul
Quando concluída, a Linha 17- Ouro terá 17,9 km de vias elevadas, 18 estações, um pátio de manutenção e uma frota de 24 trens. O primeiro trecho, entre o Aeroporto de Congonhas e a estação Morumbi (CPTM), terá 7,7 km de extensão e em 2014 possibilitará a conexão entre o aeroporto e a rede metroferroviária. Nesse trecho, as obras se desenvolvem no canteiro central da Av. Jornalista Roberto Marinho, com a construção estacas, blocos de fundação e pilares de concreto, que sustentarão as vias do monotrilho. Somente nessa primeira etapa a previsão é transportar 97,8 mil passageiros por dia, em média.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Alckmin assina financiamento de R$ 1,9 bilhão com o BNDES para a expansão da Linha 5-Lilás


Fonte: Metrô

O governador Geraldo Alckmin assinou nesta quinta-feira, 27, no Rio de Janeiro, o contrato de financiamento no valor de R$ 1.958.620.268,00 com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) com a finalidade de acelerar os investimentos na expansão da Linha 5-Lilás do Metrô.

"Nossa meta é expandir a rede metroviária. Ampliar a Linha 5-Lilás é importante porque se trata de uma linha integrada com outras, o que dará uma grande sinergia ao transporte público", ressaltou o governador.
O financiamento integra o Programa BNDES Proinveste (Mobilidade Urbana, Logística e Transporte), lançado em junho deste ano com o objetivo de ampliar a capacidade de investimentos realizados pelo setor público. A operação é resultado da aprovação do Estado de São Paulo no Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal - PAF, que ampliou em R$ 10 bilhões a capacidade de captação de recursos do Estado junto a organismos nacionais e internacionais.

Executada pelo Metrô, a expansão da Linha 5-Lilás (trecho Largo Treze - Chácara Klabin) encontra-se em ritmo acelerado. Atualmente, estão em andamento obras de construção das estações, escavação de túneis, construção de pátio de manutenção e estacionamento de trens e compra de 26 novos trens.

Com 11,5 quilômetros de extensão, terá 11 estações: Adolfo Pinheiro, Alto da Boa Vista, Borba Gato, Brooklin, Campo Belo, Eucaliptos, Moema, AACD-Servidor, Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabin.

Quando totalmente concluída, a Linha 5-Lilás terá 19,9 km e 17 estações, ligando o Bairro Capão Redondo à Chácara Klabin, vindo a integrar com a Linha 1 - Azul na Estação Santa Cruz e com a Linha 2 - Verde na própria Estação Chácara Klabin. Com a entrada em operação comercial do Trecho Adolfo Pinheiro - Chácara Klabin, a Linha 5 terá uma demanda estimada de 771 mil passageiros/dia e contará com 34 trens em operação no horário de pico.

Essa expansão vem sendo realizada por trechos, visando o melhor aproveitamento dos recursos públicos disponíveis e a rapidez na implantação. O trecho Largo Treze - Adolfo Pinheiro terá a estação Adolfo Pinheiro entregue em 2013, enquanto o trecho Adolfo Pinheiro - Chácara Klabin está programado para 2015.
 
Os recursos obtidos com o BNDES serão destinados prioritariamente à execução de obras civis dos lotes 2 a 8 da expansão da linha, que reduzirá em cerca de uma hora o tempo de deslocamento até o Centro para usuários da Zona Sul da cidade. Serão aplicados recursos da ordem de R$ 6,9 bilhões na expansão da linha.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Metrô, CPTM e ônibus de SP deverão ter reajuste de tarifas no início de 2013


Fonte: Revista Ferroviária

A data do aumento da tarifa de ônibus na cidade de São Paulo poderá ser a mesma da do reajuste do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Isso, se a Prefeitura de São Paulo aceitar uma proposta divulgada nesta segunda-feira, 17, pelo secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes. Historicamente, as atualizações do custo das passagens do ônibus municipal e da rede metroferroviária acontecem em dias, e até meses, diferentes.
 
Para Fernandes, a unificação facilitaria a adaptação do sistema de cobrança, dividido entre os governos municipal e estadual. "Quando você muda uma tarifa, tem que mudar toda a composição do Bilhete Único, tem que mudar a composição das integrações. Aí, se uma semana depois vem o outro e aumenta, faz tudo isso de novo, a população fica mais penalizada", afirmou em um evento em Itaquera, na zona leste da capital.
O dirigente disse que vai aguardar a posse do prefeito eleito Fernando Haddad (PT) e de seu secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, para "ver como eles querem compatibilizar isso".
Questionado, o secretário estadual evitou falar em quanto pretende reajustar a passagem dos usuários do metrô e do trem, que hoje custam R$ 3, o mesmo preço do tíquete dos ônibus da São Paulo Transporte (SPTrans). "Eu não conversei com o governador ainda. Estamos sempre nos preparando para, quando o governador solicitar, termos todos os dados."
Contudo, o reajuste poderá ficar um pouco abaixo da inflação, como aconteceu em anos anteriores, de acordo com Fernandes. "O ano passado, inclusive, por questões de arredondamento, o valor da tarifa seria R$ 3,06. Nós resolvemos fixar em R$ 3. Então, trabalhamos também ajustados com a inflação."
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), pode ser o escolhido para o cálculo. No acumulado dos últimos 12 meses, o IPC está em 4,93%. Esse indexador avalia a variação de preços para o consumidor na capital paulista.
Os últimos aumentos de tarifa do Metrô e da CPTM aconteceram no mês de fevereiro, caso deste ano, quando a passagem subiu para R$ 3. Já o reajuste dos ônibus da SPTrans não acontece desde janeiro de 2011.
Jilmar Tatto, futuro secretário municipal dos Transportes, que assume em janeiro, foi procurado por telefone pela reportagem para se manifestar a respeito da proposta do governo do Estado, mas informou que não falaria sobre o assunto.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Metrô realiza nova sessão de testes na Linha 2-Verde nesse domingo


Fonte: Metrô

O Metrô dará continuidade no próximo domingo, dia 23, aos testes do sistema CBTC (Controle de Trens Baseado em Comunicação) na Linha 2- Verde (Vila Prudente-Vila Madalena). Nesse dia, para a execução dos testes, as estações Brigadeiro, Trianon-Masp, Consolação, Clínicas, Sumaré e Vila Madalena ficarão fechadas ao público de 4h40 até 10h.

Nesse período, os usuários serão atendidos gratuitamente por ônibus do sistema PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência), que cobrirão o percurso do trecho interrompido entre as estações Paraíso e Vila Madalena.

Durante o horário de interdição, as transferências para a Linha 4-Amarela serão realizadas somente nas estações República, na Linha 3-Vermelha (Corinthians/Itaquera-Palmeiras/Barra Funda) e Luz, na Linha 1-Azul (Jabaquara-Tucuruvi), uma vez que a estação Consolação, na Linha 2-Verde, estará fechada até 10h.

O CBTC é considerado o sistema de controle de trens mais moderno do mundo e está em operação em linhas de metrôs nas cidades de Nova York, Londres e Paris, entre outras. Quando esse sistema estiver funcionando plenamente, o intervalo entre um trem e outro será reduzido e a capacidade de transporte ampliada em cerca de 20%.
 
Os testes são realizados aos domingos, devido ao menor número de usuários que utilizam os trens e estações metroviárias. Para informar os usuários, o Metrô está divulgando mensagens sonoras pelos sistemas de som das estações e dos trens e também por meio de cartazes.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Metrô terá operação especial durante o Natal


Fonte: Metrô

A partir da próxima sexta-feira (21/12), o Metrô implantará estratégia especial de operação para facilitar a viagem de quem for deixar a cidade durante o feriado prolongado de Natal. 
 
Na Linha 1-Azul (Jabaquara-Tucuruvi), principal via de acesso aos terminais rodoviários Jabaquara e Tietê, o aumento na oferta de viagens já começa na noite de sexta-feira, com 32 viagens extras.

No sábado e no domingo (22 e 23/12), além de na Linha 1-Azul, a oferta especial de viagens também acontecerá na Linha 3-Vermelha (Corinthians/Itaquera - Palmeiras/Barra Funda).

A fim de atender aos usuários dessas linhas, para o sábado, foram programadas 58 viagens adicionais na Linha 1 e 192 viagens extras na Linha 3. No domingo, serão 50 viagens a mais na Linha 1 e 113 viagens na Linha 3. Já nos dias 24 e 25 de dezembro, feriado de Natal, a frota de trens em circulação será semelhante à utilizada num domingo.

Circulação de trens será antecipada
Na quarta-feira (26/12), para atender aos que retornam do feriado prolongado, a circulação de trens será antecipada para as quatro horas da manhã nas linhas 1-Azul, 2-Verde (Vila Prudente-Vila Madalena) e 3-Vermelha, por onde desembarcam e prosseguem seus deslocamentos os usuários que chegam pelos terminais rodoviários Tietê, Jabaquara e Barra Funda . Na Linha 5-Lilás (Capão Redondo-Largo Treze), a operação terá início no horário habitual, a partir das 4h40.

Rede metroviária alcança marca de 2 bilhões de passageiros transportados somente este ano


Fonte: STM

A rede metroferroviária paulista [trens do Metrô e da CPTM] deve ultrapassar a marca de 2 bilhões de passageiros transportados em todo o ano de 2012, nesta sexta-feira [21/12]. O número equivale a quase 30% de toda a população da Terra, com mais de 7 bilhões de pessoas.

Com 335 quilômetros de extensão, 153 estações e integração gratuita entre os sistemas, a rede sobre trilhos da metrópole transporta atualmente cerca de 7,3 milhões de passageiros por dia, representando mais de 75% de todos os usuários transportados por metrôs e trens urbanos no Brasil. A tendência é que esse número cresça ainda mais com a ampliação da malha metroviária, podendo alcançar cerca de 10 milhões de passageiros transportados em 2014.

400 km de extensão
Uma das metas da Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos, até 2014, é a implantação de mais 30 km de linhas de metrô, ultrapassando 100 km e mais 40 quilômetros de CPTM, totalizando mais de 400 km de quilômetros de sistema metroferroviário na Região Metropolitana de São Paulo.

Entre os principais empreendimentos do Metrô estão a implantação da segunda fase da Linha 4, o prolongamento da Linha 5, a construção, em sistema monotrilho, da Linha 15, ligando o bairro Ipiranga até o Hospital Cidade Tiradentes, e da Linha 17 [ligação com o aeroporto de Congonhas].

Na CPTM, o foco é a modernização das seis linhas existentes, que recebem obras de infraestrutura, reconstrução e readequação das estações mais antigas e renovação da frota. Haverá ainda a expansão dos serviços da CPTM. Estudos para ligações ferroviárias regionais e trens expressos também foram contemplados.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Acessos da estação São Bento do Metrô têm horário de funcionamento ampliado


Fonte: STM

Devido ao significativo aumento no número de pessoas que vão às compras nesta época do ano, o Metrô ampliou os horários de funcionamento das saídas da estação São Bento, na Linha 1-Azul (Jabaquara-Tucuruvi), para a Ladeira Porto Geral e para a Rua Boa Vista, ambas com acesso à Rua 25 de Março e ao Mercado Municipal.

Os horários serão mantidos até o dia 24 de dezembro, véspera do Natal.

O acesso da Ladeira Porto Geral, aberto aos sábados das 6h às 16h, tem seu horário prolongado até as 18h, com bilheteria de linha de bloqueios operando normalmente. Aos domingos (quando permanecia fechado), esse acesso funciona das 7h às 15h.

Já os acessos das Ruas Boa Vista e São Bento também ganharam duas horas de ampliação aos sábados, permanecendo abertos das 6h às 18h. Vale lembrar que o portão do acesso para a Rua São Bento fica aberto das 6 às 21h, o da Rua Boa Vista, das 6 às 18h e o do acesso café Girondino, das 7h30 às 19h. Aos domingos, somente o portão de acesso São Bento fica aberto, das 6 às 21h.

A estação São Bento possui ainda entradas pelo Largo São Bento e Vale do Anhangabaú, que funcionam normalmente aos sábados e domingos durante a operação comercial (4h40 à meia-noite).

Uma das mais movimentadas nesta época do ano, a estação São Bento apresenta em dezembro de 2012 um aumento de quase 10% no número de embarques, em relação ao mês de novembro - a média nos dias úteis tem sido de 92 mil embarques.

Nos finais de semana, esse aumento é ainda mais acentuado. O número de passageiros transportados na rede teve um crescimento de 9% aos sábados e de 13% aos domingos, quando comparado com o mês anterior. Em dezembro de 2012, o Metrô tem transportado aos sábados 2,1 milhões de passageiros e 1,2 milhão aos domingos.

Para atender a essa maior demanda nos finais de semana, o Metrô aumenta a oferta de trens em circulação. Além disso, reforça o quadro de pessoal nas estações próximas aos shoppings, centros de compras e terminais rodoviários. O Metrô recomenda atenção redobrada com pacotes, bolsas e demais pertences.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Edital do monotrilho do ABC será lançado em março


Fonte: Revista Ferroviária

O governo estadual deve lançar em março o edital de licitação da Linha 18-Bronze do Metrô, que fará o trajeto entre a Estação Tamanduateí e o bairro Alvarenga, em São Bernardo, passando por São Caetano e Santo André, por meio do sistema de monotrilho, informou ontem o secretário de Estado de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes. A previsão é que o monotrilho comece a funcionar em 2016.

Orçado em R$ 4 bilhões, dos quais R$ 1,2 bilhão da Caixa Econômica Federal, R$ 400 milhões do Orçamento Geral da União e R$ 2,4 bilhões do governo estadual, o trajeto tem quatro empresas na disputa: CMT (Consórcio Metropolitano de Transportes); Brasell; Invepar/Queiroz Galvão/Bombardier e Odebrecht.

Uma das concorrentes, a Bombardier, apresentou ontem, na Feira Negócios nos Trilhos, em São Paulo, maquete em tamanho real do monotrilho que vai equipar a Linha 15-Prata, interligando as estações Vila Prudente e Cidade Tiradentes. A empresa canadense faz parte do Consórcio Expresso Monotrilho Leste (que inclui a Queiroz Galvão e a OAS) que venceu a concorrência para essas obras.

Segundo o diretor de comunicação e relações institucionais da Bombardier para a América do Sul, Luís Ramos, o modelo de veículo apresentado no evento deverá ser semelhante ao que passará pelo Grande ABC, se a companhia ganhar a licitação na região.

O novo meio de transporte tem capacidade semelhante à do metrô tradicional (o monotrilho Leste deverá levar meio milhão de passageiros diariamente), mas com algumas vantagens. Enquanto o metrô leva de dez a 15 anos para ter trecho de 24 quilômetros concluído, o monotrilho será entregue à população em menos de cinco anos. Além disso, estima-se que o preço de construção seja 50% menor.

Os veículos da Linha 15 (54 trens com sete vagões cada um) serão produzidos na fábrica da Bombardier em Hortolândia, interior de São Paulo, e deverão ter 60% de conteúdo nacional, ou seja, de peças produzidas no país.

Amanhã (8), o governo estadual realiza audiência pública para o monotrilho do Grande ABC na sede da Acisbec (Associação Comercial e Industrial de São Bernardo), na Rua do Imperador, 14, às 17 horas.

Obras em andamento

O secretário dos Transportes disse que o governo está em ritmo acelerado nos projetos metroferroviários. Atualmente há quatro obras de metrô em andamento: além da linha 15, há a segunda fase da linha 4 (Vila Sônia-Luz), o prolongamento da 5 (Largo Treze-Chácara Klabin) e a 17 (que terá ligação com o aeroporto de Congonhas). Em dezembro será lançado o edital da PPP (Parceria Público-Privada) para a linha 6 (Vila Brasilândia - São Joaquim).

No primeiro semestre de 2013 deverão começar as obras do trecho da CPTM Itapevi-Amador Bueno e a pré-qualificação de outras obras, como a que irá do Brás até Guarulhos.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Bilhete que integra trem e ônibus passa a valer hoje em SP


Fonte: Folha de São Paulo

Usuários de 22 estações do metrô e da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) poderão, a partir de hoje, utilizar um bilhete que unifica a cobrança para o uso de ônibus metropolitanos e trens. 

O anúncio dos detalhes do funcionamento do cartão BOM (Bilhete de Ônibus Metropolitano) será feito hoje pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) --ele fará um passeio de ônibus pela zona leste até o metrô Itaquera.

A novidade é testada há um ano na estação Barra Funda, que recebe usuários de várias partes da Grande São Paulo e tem cobrando os usuários pela integração.

Há terminais que já operam o BOM na Grande São Paulo, onde cerca de 500 mil cartões já foram emitidos. Agora, o benefício passa a ser aplicado em grande escala também na capital. 


No sistema em operação, o bilhete é emitido após cadastro em postos de atendimento ou pela internet.
desconto. O governo não antecipou como será a aquisição do bilhete nem se haverá desconto para a capital. No começo deste ano, porém, o secretário dos Transportes, Jurandir Fernandes, disse que poderia haver descontos proporcionais ao trecho utilizado. Isso porque os valores dependem das empresas que prestam o serviço e dos subsídios de cada prefeitura envolvida e do próprio governo.

sábado, 15 de dezembro de 2012

Metrô realiza sessão de testes do CBTC na Linha 2-Verde nesse domingo


Fonte: Metrô

O Metrô dará continuidade no próximo domingo, dia 16, aos testes do sistema CBTC (Controle de Trens Baseado em Comunicação) na Linha 2-Verde (Vila Prudente-Vila Madalena). Para a realização do trabalho, das 4h40 às 18h, as estações Clínicas, Sumaré e Vila Madalena ficarão fechadas ao público.

Nesse período, os usuários serão atendidos gratuitamente por ônibus do sistema PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) que circularão, ininterruptamente, entre as estações Consolação e Vila Madalena, dando cobertura ao trecho interrompido na Linha 2-Verde.

As transferências para a Linha 4-Amarela serão realizadas normalmente nas estações Consolação, na Linha 2-Verde (Vila Prudente-Vila Madalena), República, Linha 3-Vermelha (Corinthians/Itaquera-Palmeiras/Barra Funda) e Luz, na Linha 1-Azul (Jabaquara-Tucuruvi).

O CBTC é considerado o sistema de controle de trens mais moderno do mundo e está em operação em linhas de metrôs nas cidades de Nova York, Londres e Paris, entre outras. Quando estiver funcionando plenamente, o intervalo entre um trem e outro será reduzido e a capacidade de transporte ampliada em cerca de 20%.

Os testes são realizados aos domingos e feriados, devido ao menor número de usuários que utilizam trens e estações metroviárias. Para informar sobre a ação, o Metrô estará emitindo mensagens pelos sistemas de som das estações e dos trens e afixará cartazes nas estações.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Metrô terá esquema alternativo após instituto fechar bicicletários em SP


Fonte: G1

Após registrar problemas há 90 dias no funcionamento de bicicletários e empréstimos de bicicletas em estações, o Metrô anunciou nesta quinta-feira (13) que vai acionar plano alternativo para solucionar problema com o instituto conveniado que mantém os serviços. O atendimento emergencial começa no sábado (15) em quatro das 23 estações que contam com parceria o Instituto Parada Vital.

Procurado pelo G1, o Instituto Parada Vital informou, em nota, que "os bicicletários ficarão fechados temporariamente até que tenhamos um cenário apropriado para continuidade das operações". A empresa não detalhou, no entanto, o que causou o fechamento dos bicicletários. A nota reafirma apenas o funcionamento alternativo a partir de sábado, "em acordo com a Secretaria de Transportes Metropolitanos".
Funcionários da ONG disseram que a ela está com problemas financeiros, segundo usuários. O governo disse que não faz e nunca fez repasse de verbas para a ONG. O Instituto se mantém com exploração de publicidade e financiamento baseado em leis de incentivo.

Por causa do problema que se arrasta há três meses, a professora de história Lívia Arila Coradello, de 24 anos, contou ter tido uma bicicleta roubada na estação Barra Funda. Nesta quinta, o G1 também localizou problemas em outras estações.

O Metrô e a Secretaria de Transportes Metropolitanos (STM), por meio de nota, informaram que os bicicletários são “mantidos pelo Instituto Parada Vital”, por meio de convênio firmado em setembro de 2008. O Metrô diz que há 90 dias “constatou, a partir de reclamações, que o conveniado passou a apresentar problemas operacionais, ocasionando prejuízo para o funcionamento de alguns bicicletários.”

Segundo informações do instituto, ele matém bicicletário e empréstimo em dezesseis estações do Metrô (Sé, Carrão, Corinthians-Itaquera, Guilhermina-Esperança, Anhangabaú, Vila Mariana, Paraíso, Marechal Deodoro, Santana, Liberdade, Vila Madalena, Brás, Barra Funda, Santa Cecília, Armênia, Butantã).
O instituto também mantém paraciclos nas estações Belém, Penha, Vila Matilde, Artur Alvim, Capão Redondo, Campo Limpo e Vila das Belezas.
 
Roubo e prejuízo
A professora que relatou o problema ao G1 diz que utiliza a bicicleta para ir de sua residência, na Avenida Francisco Matarazzo, até a estação. De lá, ela pega o trem até a Pirituba. Na primeira vez em que se deparou com o bicicletário fechado, ela passou por um susto e foi parar na delegacia.

“Tive que prender a bicicleta naquelas argolas. Quando retornei da escola, vi um rapaz com a minha bicicleta. Estavam ele e outros dois, um deles com um alicate de cortar corrente. Eu consegui avisar um policial, que prendeu os três. O roubo foi registrado na central de flagrantes da delegacia próxima ao Ceagesp (91ª DP, na Vila Leopoldina)”, contou.

Depois deste contratempo, Lívia desistiu de utilizar a bike por um bom tempo. Há cerca de 20 dias, decidiu retomar as pedaladas para ir até a estação Barra Funda. Mais uma vez, no entanto, ela vem encontrando dificuldades para guardar a bicicleta com segurança. “Já reclamei com o canal de usuário do Metrô e com a ONG (Instituto Parada Vital) que cuida dos bicicletários e não me deram respostas”, disse.

Diante do descaso, a professora manifestou a sua indignação com o descaso. “Acho um absurdo tudo isso. Eles fazem toda essa campanha para incentivar o uso da bicicleta, gastam dinheiro público com toda essa propaganda, para deixar o usuário na mão”, afirmou.

Em uma conversa com uma funcionária do Instituto Parada Vital responsável pelo bicicletário da estação Barra Funda, Lívia disse ter sido informada que os funcionários da ONG não estariam recebendo vale-transporte e, que por isso, alguns deles deixam de ir trabalhar. “Quando alguém falta, eles tiram um funcionário de um local para cuidar de um bicicletário mais movimentado. Por isso, em alguns lugares ficam fechados”, contou.
 
Alternativa
Segundo o Metrô, foi estabelecido, em reuniões com o conveniado, um plano de contingência visando minimizar os transtornos. O esquema começa a vigorar a partir do próximo sábado (15).

O atendimento de contingência deverá será executado nas estações Anhangabaú, Palmeiras-Barra Funda, Guilhermina-Esperança e Butantã. Ainda segundo o Metrô, por causa do problema, nos bicicletários Anhangabaú, Palmeiras-Barra Funda e Guilhermina-Esperança não haverá mais empréstimos de bicicleta.

Apesar disso, os demais bicicletários ficarão fechados temporariamente até que o instituto regularize o atendimento, segundo a SMT. “Caso isso não ocorra rapidamente, o Metrô e a STM buscarão alternativas”, concluiu a nota.

Nos bicicletários que permanecem abertos, o horário de funcionamento continua sendo das 6h às 22h.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

UFC faz propaganda até no metrô para tentar lotar ginásio do Ibirapuera em São Paulo


Fonte: UOL

Ainda falta mais de um mês para o retorno do UFC a São Paulo, após 15 anos longe da cidade. Mas lentamente o evento começa a achar seu espaço na capital paulista. Os ingressos começaram a ser vendidos na última quinta-feira, dia 6, e as primeiras propagandas do card liderado por Vitor Belfort já são exibidas, na tentativa de atrair os fãs a adquirirem suas entradas.

O metrô, que atende 4 milhões de usuários por dia, foi uma das escolhas para divulgar a noitada de lutas do dia 19 de janeiro. Um grande cartaz é exibido em vagões da Linha Verde – uma das que mais recebe executivos e é considerada uma das mais “nobres” da cidade, por ter o trecho da Avenida Paulista em seu trajeto.
De acordo com o site da Tickets For Fun, ainda há ingressos em todos os setores para o evento – o preço das entradas varia de R$ 400 a R$ 1.800, todos com direito a meia-entrada. Vale lembrar que na primeira edição do Rio, as entradas se esgotaram em questão de minutos. Nas outras, novamente no Rio e em Belo Horizonte, a procura foi menor, e em São Paulo o ingresso mais barato teve aumento de 45% no seu valor.
Na luta principal no ginásio do Ibirapuera, o peso médio Belfort encara o inglês Michael Bisping, num duelo cotado para definir o próximo rival de Anderson Silva.

Card principal

Vitor Belfort vs Michael Bisping
C.B. Dollaway vs Daniel Sarafian
Ben Rothwell vs Gabriel Napão
Khabib Nurmagomedov vs Thiago Tavares

Card preliminar

Godofredo Pepey vs Miltinho Vieira
Andrew Craig vs Ronny Markes
Nik Lentz vs Diego Nunes
Justin Salas vs Edson Barboza
Michael Kuiper vs Caio Monstro
George Roop vs Iuri Marajó
Roger Hollett vs Wagner Caldeirão
C.J. Keith vs Francisco Massaranduba

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Metrô de São Paulo tem programação de férias


Fonte: Folha de São Paulo

Brincadeiras e circo são alguns dos temas das atividades que serão realizadas nas estações Paraíso,
Corinthians-Itaquera e Artur Alvim do metrô. 

Na Paraíso, uma exposição exibe informações sobre brincadeiras novas e antigas, como jogo da amarelinha, dominó e bambolê. Há também uma linha do tempo com a evolução do videogame.

Na mesma estação, os visitantes conferem uma amostra de selos do mundo inteiro, a maioria com temas ligados ao universo da criança. Um selo da Mongólia mostra, por exemplo, um circo. E um selo brasileiro faz homenagem a Monteiro Lobato.

Na Corinthians-Itaquera, mais uma exposição, dessa vez sobre a arte circense. Ela fala da história dos artistas de circo de tempos atrás, em lugares como China, Egito, Grécia e Roma. Já na Artur Alvim a atração são coleções, de figurinhas a selos. 

As atividades serão realizadas até 23 de janeiro.

STM amplia horário de integração na Linha 3-Vermelha


Fonte: Metrô

A partir desta segunda-feira, 10, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos autoriza a ampliação em mais uma hora da integração gratuita entre a CPTM e Metrô, empresas vinculadas à pasta, nas estações Tatuapé e Corinthians-Itaquera. 

Com a nova medida, os passageiros do sistema metroferroviário poderão fazer a integração gratuita da linha 3-Vermelha com as linhas 11-Coral e 12-Safira, e vice-versa, das 10h às 16h e das 21h até meia-noite, de segunda a sexta-feira. Antes, a gratuidade no período diurno, nos dias da semana, tinha início às 11h.

Aos sábados a integração é liberada a partir das 15h, e aos domingos e feriados, durante todo o dia.

Desde a implantação, de 22/10 a 30-11, mais de um milhão de passageiros foram beneficiados com essa medida.

Estação Santa Cecília completa 29 anos


Fonte: Metrô
Texto: Diego Silva

Inaugurada em 10 de dezembro de 1983, a estação Santa Cecília completa hoje seus 29 anos de fundação. Localizada junto ao Largo de Santa Cecília, está próxima do terminal rodoviário Amaral Gurgel, do Elevado Costa e Silva, além de estar a cinco minutos da Avenida São João, a dez minutos da Santa Efigênia e a pouco mais de quinze das estações Júlio Prestes e Luz.

Integração gratuita ganha mais 1 hora


sábado, 8 de dezembro de 2012

Metrô avança na troca do 3º trilho na Linha 3-Vermelha nesse domingo


Fonte: Metrô

A Companhia do Metrô avança no processo de modernização do sistema de alimentação elétrica de trens na Linha 3-Vermelha e durante todo o próximo domingo, dia 9 de dezembro, no trecho entre as estações Corinthians-Itaquera e Patriarca, dará continuidade à substituição do sistema terceiro trilho, equipamento responsável pela distribuição de energia elétrica que permite a movimentação dos trens. 
 
A modernização do sistema terceiro trilho da Linha 3-Vermelha tem por objetivo aumentar a capacidade desse equipamento e vem sendo realizada durante as madrugadas, período sem circulação de trens. No próximo domingo, porém, em razão da extensão do trecho programado para o serviço de troca, a substituição de 1.500 metros do terceiro trilho terá início à 1h da manhã do domingo e se estenderá por todo o dia. A previsão é que os trabalhos estejam concluídos antes da abertura das estações na segunda-feira, dia 10, às 4h40.

Durante o período, a circulação de trens entre as estações Corinthians-Itaquera e Patriarca será realizada por uma via única, estratégia operacional denominada "via singela". Deste modo, tanto os usuários com destino à estação Corinthians-Itaquera quanto os passageiros em direção a Palmeiras-Barra Funda deverão trocar de composição na estação Patriarca para prosseguirem viagem.

Metrô acionará PAESE
Para facilitar a mobilidade dos usuários, o Metrô acionará o PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) na CPTM, que nesse dia reforçará a frota de trens em circulação na Linha 11-Coral (Luz-Estudantes) durante todo o domingo.

Para informar os usuários sobre esse evento, o Metrô emitirá mensagens sonoras pelos sistemas de som das estações e dos trens, publicará cartazes nas estações e avisos nas redes sociais. Além disso, o quadro de funcionários das estações citadas será reforçado.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Metrô ainda não sabe o que causou acidente no Jabaquara

Composição 112, que veio a colidir com o trem 133 no PAT.

Fonte: Carta Capital

No pátio de manutenção da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) no Jabaquara, parte dos vagões de dois trens está coberta por uma lona laranja. O plástico tenta esconder o resultado de um acidente ocorrido no sábado 1º, quando uma composição reformada se moveu sozinha e colidiu de frente com outro veículo que estava parado para revisão. Não houve feridos, mas a face dianteira e o interior do trem remodelado ficaram completamente destruídos.

O acidente na doca não deve representar problemas imediatos de segurança na linha azul do metrô, mas a omissão do episódio pela empresa desperta desconfianças. O caso se tornou público apenas na terça-feira 4, por pressão de uma denúncia do Sindicato dos Metroviários. E o episódio se junta a outro semelhante: a estatal escondeu por quatro meses a perda de mais de 15 mil caixas de seus documentos em um incêndio criminoso em julho. Só revelou o ocorrido no sábado, quando, coincidentemente, evitou passar informações sobre a colisão.

Este acidente envolve ainda outro aspecto polêmico. O trem responsável pelo choque foi reformado com outros veículos pelo consórcio Alstom/Siemens, o que levanta questionamentos sobre se há uma relação entre a colisão e as remodelações. Por enquanto, a Comissão Permanente de Segurança (Copese), composta por integrantes da manutenção, projeto e operação, investiga o caso e deve emitir um relatório entre 15 e 30 dias.

Até lá, a empresa não especula sobre as causas do acidente. “Não comento se a culpa foi da se modernização. Pode ser ou não, depende do relatório da Copese”, diz Milton Gioia, gerente de manutenção do Metrô, durante uma visita do deputado estadual Simão Pedro (PT) ao pátio no Jabaquara, na quarta-feira 5.

Não se sabe ainda o tamanho do prejuízo ou se há influência da reforma, mas o consórcio vencedor da licitação de remodelação entrou na mira do Ministério Público. Conforme CartaCapital divulgou em junho, o órgão instaurou inquérito para apurar os suspeitos contratos firmados pelo Metrô com as empresas responsáveis por este serviço. Em 2009, a estatal decidiu abrir concorrência para reformar 98 trens, alguns com mais de 30 anos de uso, ao custo total de 1,75 bilhão de reais. Na prática, o valor de cada composição reformada equivale a 86% do preço de um trem novo.
 
Embora o Metrô evite especulações, entre os técnicos da empresa, que pediram para não serem identificados, a tese mais defendida é que o problema deriva da reforma do sistema e dos trens. Segundo eles, o sistema possui três modos de emergência: o “homem morto”, alavanca e botão de emergência. A falha teria ocorrido no “homem morto”, que para imediatamente o trem caso o operador solte um dos controles.  No momento do acidente, um operador havia acabado de deixar a cabine do trem remodelado.

Trabalhadores que presenciaram o choque relatam que a composição atingiu cerca de 15 quilômetros por hora e quase atingiu um técnico de manutenção. “Se fosse durante a semana, haveria vítimas porque poderiam ter pessoas trabalhando embaixo do trem. Foi gravíssimo”, disse um funcionário da estatal que não quis se identificar.

Cabine da composição 112 ficou completamente destruída
O veículo estava em uma parte dos trilhos alimentada automaticamente por eletricidade, o que pode ter contribuído para o incidente, de acordo com os técnicos do Metrô. Quando o operador fechou a porta, o sistema teria entendido que a ordem era para acelerar. Caso estivesse nos trilhos das docas de manutenção, isso não seria possível, pois a energia no local é acionada manualmente.

Caso não houvesse a colisão, acreditam os técnicos, o trem pegaria aceleração máxima e poderia chegar ao lado eletrizado do trilho em direção à estação Jabaquara do metrô. A possibilidade mais concreta é que ele descarrilharia antes de ameaçar os trens de passageiros.

O sindicato enviará uma petição ao MP solicitando “apuração urgente” do caso, omitido pelo Metrô por três dias. “Por que não comunicar um acidente, que é de interesse público? Vamos questionar a direção do Metrô sobre isso e queremos saber qual a relação deste acidente com outros”, indica Simão Pedro, autor da denúncia de superfaturamento nas reformas investigada pelo MP. A empresa alega que o “atraso” na divulgação ocorreu por ter sido um “acidente interno sem vítimas”.

Devido à colisão, foram retirados de circulação sete composições com características semelhantes ao trem que se movimentou sozinho. Todos reformados pela Alstom/Siemens. Enquanto não houver um parecer sobre os motivos da falha, os veículos não voltarão a atender os usuários. O pátio do Jabaquara realiza a manutenção de cerca de 60 trens das linhas azul e verde. Em média, cada composição recebe revisão em ciclos inferiores a um mês.

O blog 'Metrô em Foco' apurou também que o carro atingido da composição 112 será transportado até a Siemens, em Cabreúva, nesta madrugada, para recuperação após o acidente. Quanto a composição 133, que também foi envolvida nesse acidente, deverá seguir para Hortolândia, para modernização na fábrica da Bombardier.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Edital da Linha 6-Laranja será lançado esse mês


Fonte: Revista Ferroviária

O Governo do Estado de São Paulo lançará neste mês os editais para as obras de três linhas ferroviárias: Linha 13-Jade, Linha 6-Laranja e VLT da Baixada Santista.  A primeira licitação lançada será a da Linha 13-Jade, prevista para esta quinta-feira (06/12). O trem de Cumbica terá 11,5 quilômetros ligando o Brás ao Aeroporto Internacional de Guarulhos. A primeira fase será entre a estação Engenheiro Goulart, na Linha 12-Safira, e o aeroporto. Segundo o secretário dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, será um trem comum, como os demais da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), e está sendo avaliada a destinação de carros para bagagem.  

Já o edital da Linha 6-Laranja do Metrô de São Paulo está previsto para ser lançado em 18 de dezembro. A linha será em regime de Parceria Público-Privada (PPP) e já está com os projetos funcional e básico prontos. A nova linha terá 34,1 quilômetros ligando a Bandeirantes, na Zona Oeste, a Cidade Líder, na Zona Leste.

A outra licitação que será lançada neste mês é das obras do primeiro trecho do VLT da Baixada Santista, entre Barreiros, em São Vicente, e o Porto, em Santos. A data do lançamento ainda não foi divulgada pelo governo paulista.  O projeto também será em regime de PPP. Os 22 VLTs já foram licitados e serão fornecidos pelo consórcio Tremvia, composto por T´Trans e Vossloh. 

Outros dois projetos em regime de PPP devem ser licitados no ano que vem.  O monotrilho da Linha 18-Bronze, conhecido como monotrilho do ABC (Tamanduateí – Alvarenga), está previsto para ter o edital lançado em abril. Já a Linha 20-Rosa, ligando a Lapa à Moema, deve ser licitada no segundo semestre de 2013.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Metrô responsabiliza empresa por guarda e sumiço de 15 mil caixas com documentos


Fonte: Brasil Atual

Após a divulgação do sumiço de 15.399 caixas com documentos do arquivo da Companhia do Metropolitano, a bancada do Partido dos Trabalhadores na Assembleia Legislativa de São Paulo promete entrar com uma representação junto ao Ministério Público para investigar o fato.

Nas caixas desaparecidas havia relatórios de análises das ocorrências da Comissão Permanente de Segurança (Copese) de 2006 a 2009, entre outros arquivos, além de contratos assinados entre 1977 e 2011. Embora o sumiço tenha sido detectado em 9 de julho, o edital com o relato do desaparecimento só foi publicado no Diário Oficial Empresarial e veio a público após matéria do jornal O Estado de S. Paulo de sábado (1º/12).

Em nota, a liderança do PT no Legislativo estadual, apontou questões que considera importantes a serem esclarecidas: “Por que o Metrô demorou quase cinco meses para divulgar o fato? Onde estavam essas 15 mil caixas? Como foi possível 15 mil caixas de documentos serem levadas de onde estavam sem que ninguém visse?”

Neste segunda-feira (3), direção Metrô informou por meio de um comunicado que, periodicamente, envia seus documentos para a empresa PA Arquivos Ltda., contratada para a guarda de papéis. “Em julho deste ano, o galpão da empresa foi roubado e incendiado. Dentre os documentos queimados estavam os do Metrô e os arquivos de mais 18 empresas”, diz a nota.

De acordo com a assessoria de imprensa da Companhia de Metropolitano, “o Metrô possui cópia microfilmada e/ou digitalizada de grande parte de seus documentos que sofreram o sinistro mencionado”. A empresa argumenta afirma que contratos que estão em execução não estavam junto com os itens queimados: “Portanto, não há prejuízo para as investigações do Ministério Público Estadual (MPE)”.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Trem modernizado, sem operador, acelera e colide com outro trem no Pátio Jabaquara


Fonte: Sindicato dos Metroviários

Por volta das 13h27 do sábado (1º de dezembro), no Pátio Jabaquara do Metrô, no bloco de manutenção, após um técnico deixar a cabine do trem, a composição I 12, reformada pelo consórcio Alstom/Siemens, mesmo sem ninguém no comando, partiu, atingindo a composição A 33. Por muito pouco a composição não alcançou um técnico de manutenção que se encontrava entre as composições e que pulou escapando ileso, ao ser alertado por um grito pelo técnico que deixara o trem vendo-o partindo sem ninguém na cabine.

A Alstom é a mesma empresa que está vendendo o novo sistema de sinalização e segurança CBTC ao Metrô de São Paulo. E uma das empresas que promovem as polêmicas reformas nos trens, custando quase o preço de uma composição nova e que já teve que assinar um Termo de Ajustamento de Conduta no seu país de origem (França) por corromper autoridades do Terceiro Mundo. É suspeita também de ser a depositante de milhões de dólares retidos pelo MP (Ministério Público) suíço nas contas de um ministro do TCE (Robson Marinho) e de um ex-secretário de Transporte Metropolitanos de São Paulo (Jorge Fagali Neto).

É importante ressaltar que embora a Alstom não fornecera anteriormente seu sistema CBTC a nenhum grande metrô no mundo, mantém testes do seu sistema vendido ao Metrô de São Paulo na Linha 2-Verde, tendo inclusive necessitado da atuação indispensável dos operadores de trens. Sem eles, teria ocorrido um acidente em testes efetuados na estação Vila Prudente.

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo enviará uma petição ao MPE (Ministério Público Estadual) solicitando apuração urgente por considerar o acidente gravíssimo. Essa situação pode colocar em risco a vida não só de metroviários e prestadores de serviços na empresa como também da população. Jamais o governo do Estado e o Metrô poderiam conceber a operação de trens sem a presença de um operador, para aplicar freio de emergência em caso de falha do equipamento.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Mais de 15 mil caixas com arquivos do Metrô desaparecem em São Paulo


Fonte: IG

O Metrô de São Paulo publicou edital na sexta-feira (30) informando sobre o extravio de 15.399 caixas com documentos do arquivo da companhia. São papéis diversos, incluindo contratos assinados entre 1977 e 2011 e relatório de análises das ocorrências da Comissão Permanente de Segurança (Copese) de 2006 a 2009, entre outros arquivos. Além de abertura de processo interno, foi feito um boletim de ocorrência e a polícia vai apurar o caso.

O sumiço dos documentos foi constatado em 9 de julho, mas o edital relatando o problema só foi publicado ontem no Diário Oficial Empresarial. O texto diz que o boletim de ocorrência do desaparecimento dos documentos foi feito no dia seguinte, sob número 1.435. Mas a Secretaria de Estado da Segurança Pública não confirmou a informação - ao menos na Delegacia do Metropolitano (Delpom), que recebe demandas do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

O Metrô disse que não poderia dar detalhes sobre o caso desta sexta-feira porque os responsáveis pelas áreas não estavam trabalhando.

A extensa relação de documentos contém papéis de desde 1977, quando o Metrô tinha apenas três anos de operação comercial. Os mais recentes são do ano passado. Os processos de "incidentes notáveis" - nome dado pelo Metrô para as ocorrências graves, que paralisam a operação e precisam de auxílio de ônibus para o transporte da população - vão de 2007 a 2009. Nesse período, houve pelo menos 11 grandes panes na rede.

Há duas investigações em andamento no Ministério Público Estadual sobre suspeitas de delito envolvendo o Metrô. Uma é sobre a licitação para o prolongamento da Linha 5-Lilás - em que há suspeita de fraude, com combinação de resultados por empresas envolvidas - e outra que investiga superfaturamento em contratação de serviços para reformas de trens das linhas já existentes. Promotores ouvidos pela reportagem, no entanto, disseram não acreditar que o sumiço possa prejudicar as ações - no caso da Linha 5, principalmente, porque o inquérito já foi relatado à Justiça.

Estação do metrô será a 100 m de Congonhas


Fonte: Estadão

O governo estadual e a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) definiram o local de uma das estações mais aguardadas da Linha 17-Ouro do Metrô, que será feita em forma de monotrilho: a do Aeroporto de Congonhas. Será construída na Rua Rafael Iório, quase na esquina com a Avenida Washington Luís, na zona sul, mas do lado oposto do aeroporto. O acesso dos passageiros à estação será feito por meio de uma passagem subterrânea de 80 a 100 metros, que será construída sob um túnel já existente ali, o Paulo Autran. 

A definição enterra de vez os planos do Metrô de fazer uma estação embaixo do aeroporto, como era previsto inicialmente. Também fica descartada a construção do acesso a partir do saguão principal de Congonhas. Agora, o túnel vai sair de uma área na frente do guarda-volumes do aeroporto, diante de uma das entradas do edifício-garagem, no subsolo. É no mesmo piso onde param os ônibus fretados e onde os passageiros pegam táxi ao desembarcar.

O túnel será semelhante ao que existe na ligação entre as Estações Consolação da Linha 2-Verde e Paulista da Linha 4-Amarela. A ideia em Congonhas é também colocar esteiras rolantes para facilitar a caminhada. O percurso, porém, é bem maior: na Paulista, são cerca de 40 metros de esteira.

No túnel do aeroporto, será pelo menos o dobro. "Isso não é raro. Em outros locais, você anda 300, 400 metros. Cem metros é bastante razoável, tem caminhadas bem maiores. Estamos analisando a necessidade da esteira", disse o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes. A entrada no túnel vai poder ser feita por escada rolante e elevador.

Pelo menos uma desapropriação é certa para que a estação saia do papel. Parte do terreno do Corpo de Bombeiros, que fica na Rua Rafael Iório, terá de ceder lugar à futura estação. Por enquanto, não há interdições previstas no trânsito da região.

Atraso.
As obras da Linha 17-Ouro já estão em andamento desde março e a colocação dos pilares que sustentarão o monotrilho já interditam parcialmente o trânsito da Avenida Jornalista Roberto Marinho. As primeiras estações, porém, só vão ficar prontas no segundo semestre de 2014, depois da Copa. A promessa inicial era que saísse em junho, dias antes do Mundial, mas o governo culpa um atraso de oito meses na obtenção da licença ambiental.

O monotrilho será construído em fases - a estação do aeroporto faz parte do primeiro lote. Neste primeiro trecho, terá oito estações e ligará o aeroporto à Estação Morumbi da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Na segunda fase, cruza o Rio Pinheiros em direção a Paraisópolis e Morumbi.

Metrô promove Virada Inclusiva


Fonte: Metrô

Nesta segunda-feira, Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, o Metrô promove dois eventos, com apresentações nas estações Sé (10h), Brás (15h), Paraíso (13h) e Corinthians-Itaquera (19h). As ações visam sensibilizar a sociedade para a total inserção e eliminação de obstáculos para a participação de pessoas com deficiência nas diferentes esferas do convívio social (mercado de trabalho, lazer, esporte, cultura etc

sábado, 1 de dezembro de 2012

Metrô altera circulação na Linha 3 nesse domingo, para modernização do sistema de alimentação elétrica


Fonte: Metrô

Durante todo o próximo domingo, dia 2 de dezembro, no trecho entre as estações Corinthians-Itaquera e Patriarca, na Linha 3-Vermelha, o Metrô dará continuidade à modernização do sistema  terceiro trilho, equipamento responsável pela distribuição de energia elétrica que permite a movimentação dos trens. 

Na troca do sistema terceiro trilho, as estações Artur Alvim e Patriarca ficarão abertas ao público, porém nestas estações o embarque e o desembarque dos passageiros será realizado exclusivamente pela mesma plataforma.

A troca de 1.500 metros do terceiro trilho tem início à 1h da manhã do domingo e envolverá cerca 150 empregados terceirizados e 30 empregados das equipes de manutenção, operação e segurança do Metrô. A previsão é que os trabalhos estejam concluídos antes da abertura das estações na segunda-feira, dia 3, às 4h40.

A modernização do sistema  terceiro trilho da Linha 3- Vermelha, que tem por objetivo aumentar a capacidade deste equipamento, vem sendo realizada durante as madrugadas, período sem circulação de trens. No próximo domingo, pela extensão do trecho programado para o serviço de troca, a circulação dos trens no trecho entre as estações Corinthians-Itaquera e Patriarca será realizada por uma única via, estratégia operacional denominada "via singela".

Metrô acionará PAESE
Para facilitar a mobilidade dos usuários, o Metrô acionará o PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) na CPTM, que nesse dia reforçará a frota de trens em circulação na Linha 11-Coral da CPTM (Luz-Estudantes) durante todo o domingo.

Para informar os usuários sobre este evento, no sábado, 1/12, o Metrô emitirá mensagens sonoras pelos sistemas de som das estações e dos trens e por meio de cartazes nas estações, além de publicações nas redes sociais. O quadro de funcionários das estações citadas será reforçado.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Metrô consegue suspensão de decisão judicial para expansão da Linha 5-Lilás


Fonte: Conjur


O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Felix Fischer, suspendeu decisão judicial que impossibilitou a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) a imissão na posse de imóvel do Buffet Grécia Antiga, objeto de desapropriação para expansão do sistema metroviário da capital paulista. 

O ministro Felix Fischer considerou suficientemente demonstrado o risco de grave lesão à economia e à ordem pública, na medida em que a decisão questionada impede a continuação de obra de grande importância para a melhoria do transporte público de São Paulo, prejudicando milhões de cidadãos que serão atendidos pelo empreendimento. Além disso, a decisão traz prejuízo aos cofres públicos, em razão do desequilíbrio econômico-financeiro do contrato firmado com a empresa responsável pela obra.

“Não se está aqui a negar o direito de indenização do particular decorrente de desapropriação por utilidade pública do imóvel, notadamente no que concerne à indenização pelo fundo de comércio. Entretanto, entendo que tal discussão deve possuir guarida em ação própria para tal fim, onde será possível uma cognição exauriente dos procedimentos necessários à apuração dos valores devidos referentes à desapropriação”, afirmou Fischer.

A expansão, segundo a Companhia do Metrô, acrescentará 11,5 km à Linha 5 — Lilás —, que atualmente conta com 8,4 km em operação, e permitirá a interligação com a rede metroviária da cidade. A obra está na fase final de demolição dos 224 imóveis já desapropriados, informou a companhia. 

Fundo de comércio A empresa Buffet Grécia Antiga, proprietária do imóvel, ajuizou ação de indenização contra a companhia metroviária, por discordar do valor de avaliação do bem, anteriormente declarado de utilidade pública para fins de expansão do sistema metroviário.

A 3ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo deferiu a expedição de mandado de imissão na posse do imóvel expropriado, devendo a Companhia do Metrô, no ato da imissão, responsabilizar-se pela remoção do acervo físico da empresa — mobiliário e equipamentos — para local por ela indicado.

“Esclareço que a imissão na posse pela expropriante não impede que se promova, após consumação do ato, a valoração do fundo de comércio discutido nesta demanda, motivo por que nenhum óbice existe ao cumprimento da imissão”, afirmou o julgador.

A Buffet Grécia Antiga interpôs recurso de Agravo de Instrumento, o qual foi provido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, para impedir a imissão provisória na posse do imóvel por parte da Companhia do Metrô, devido à ausência de avaliação prévia do fundo de comércio.

Contra essa decisão, a companhia metroviária formulou pedido de suspensão no STJ. Sustentou que “o atraso pode resultar em desequilíbrio econômico-financeiro do contrato com a empresa responsável pela execução da obra, por força dos custos indiretos inerentes à paralisação do trecho”.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Após falha, Metrô abre edital para trocar empresa de recarga do Bilhete Único


Fonte: IG

O Metrô de São Paulo vai lançar nesta quinta-feira (29) dois editais de licitação para a contratação de empresas credenciadas pela SPTrans para a venda de créditos do Bilhete Único. A medida foi tomada após a falta de atendimento da empresa Serviços Digitais aos usuários que precisam adquirir créditos para o Bilhete Único em 17 estações do Metrô.


Além dos pontos nas 17 estações do Metrô onde a Serviços Digitais tem a concessão da venda de créditos em guichês e também em equipamentos de autoatendimento, quem vencer a licitação assumirá as vendas que estão sob a responsabilidade da Serviços Digitais em outras estações onde a venda é conjunta com outras concessionárias.

Em nota, o Metrô orienta os passageiros para realizar suas recargas em outras 46 estações metroviárias, casas lotéricas, bancas de jornais e demais estabelecimentos comerciais credenciados. 

As estações com problemas, segundo nota enviada pelo Metrô, são: Ana Rosa, Vila Mariana, Santa Cruz, Praça da Árvore, Saúde, São Judas, Tucuruvi, Parada Inglesa, Jardim São Paulo-Ayrton Senna, Santana e Armênia (Linha 1-Azul) e Corinthians-Itaquera, Artur Alvim, Patriarca, Guilhermina-Esperança, Vila Matilde e Penha (Linha 3-Vermelha). Mas a reportagem constatou que cabines das Estações Brigadeiro, Consolação e Vila Madalena, da Linha 2-Verde, também estão inoperantes.

Passageiros reclamam que, sem lugar para recarregar o bilhete nessas estações, as pessoas precisam sair de seus percursos diários para comprar créditos em outros lugares. Mas a queixa principal é de que, na correria diária, o passageiro acaba comprando bilhetes de papel nas estações do Metrô. Essas passagens não dão direito ao desconto nem às gratuidades quando parte da viagem é feita de ônibus.

Frio e calor dentro dos carros são as principais queixas recebidas pelo SMS-Denúncia do Metrô


Fonte: Instituto de Engenharia


O ar condicionado frio demais e a falta de ventilação nos vagões do metrô são a segunda maior queixa feita neste ano pelo SMS-Denúncia, serviço que recebe reclamações dos passageiros por meio de mensagens de celular. No ano passado, as queixas em relação à temperatura nos trens não estavam entre as três primeiras. 
O comércio irregular figura no topo das reclamações. Em terceiro, está o comportamento inadequado (colocar os pés no banco, fumar nas estações, bagunça etc.). 

O Metrô não informou o total de mensagens recebidas para cada tipo de queixa. Disse apenas que foram 59.489 entre janeiro e outubro deste ano --54,08% de aumento em relação ao mesmo período do ano passado. Ao todo, foram 17.120 queixas, 27,8% a mais que no mesmo período de 2011. 

A professora Cristiane Gameiro Gobbete, 33, afirma que a pior parte de andar nos trens é a falta de ventilação nas composições mais antigas. "É muito quente, principalmente no horário de pico." 

CPTM 
Para os usuários da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), o principal problema é a poluição sonora. Entre janeiro e outubro, o serviço recebeu 3.085 queixas de música alta e barulho -21,5% das reclamações. 
Em seguida estão a presença de vendedores ambulantes (14,8%) e o comportamento inadequado (14,5%). 

MAIS VIGILÂNCIA 
O Metrô afirma que os torpedos ajudam a ampliar a vigilância sobre o sistema e a inibir a prática de delitos. 
Em relação à temperatura nos vagões, a empresa informou que não haveria tempo hábil para falar com responsáveis pela área técnica --a reportagem procurou a companhia às 18h de ontem. 

A CPTM diz que os agentes de segurança são treinados para abordar os infratores. 
O número do SMS-Denúncia é 0/xx/11/9-7333-2252. É preciso descrever as características do infrator, a estação (ou a que o trem chegará) e o número do vagão. As queixas são sigilosas. 

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Empresa é proibida de recarregar Bilhete Único em 17 estações do Metrô


Fonte: R7

Uma das quatro empresas autorizadas a vender créditos do Bilhete Único dentro das estações do Metrô não repassou os valores que recebeu dos usuários para a SPTrans, que gerencia o sistema. Com isso, as recargas do vale-transporte em 17 estações foram suspensas.

A SPTrans disse, em nota, que a empresa Serviços Digitais Ltda. atrasou os repasses de créditos nos últimos meses e há 15 dias deixou de enviar os valores à autarquia. A partir de então, os guichês e as máquinas da Serviços Digitais não podem mais vender recarga do Bilhete Único.

O Metrô também informou que já multou a empresa em cerca de R$ 10 milhões por má prestação de serviço de recarga. A SPTrans aplicou mais de 30 multas e ainda iniciou um processo de descredenciamento da Serviços Digitais por descumprimento do contrato.  

Segundo a SPTrans, em 2010, o Metrô abriu licitação para oferecer o serviço de recarga em todas as estações. Os locais foram divididos entre as quatro empresas vencedoras.

As estações onde não está havendo recarga do Bilhete Único são: Ana Rosa, Vila Mariana, Santa Cruz, Praça da Árvore, Saúde, São Judas, Tucuruvi, Parada Inglesa, Jardim São Paulo-Ayrton Senna, Santana, Armênia, Corinthians-Itaquera, Artur Alvim, Patriarca, Guilhermina-Esperança, Vila Matilde e Penha.

A alternativa para quem precisar do serviço, segundo a SPTrans, é recorrer a um dos 28 terminais de ônibus da cidade de São Paulo e também a bancas de jornais, bares, restaurantes e casas lotéricas. Em outras 46 estações do Metrô o sistema funciona normalmente. A recarga também pode ser feita pela internet, no www.sptrans.com.br.

Até a publicação desta matéria, o R7 não havia localizado nenhum representante da Serviços Digitais para comentar o caso.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Obras do Metrô travam a região de Moema


Fonte: Diário de São Paulo

As obras de extensão da Linha 5-Lilás do Metrô têm congestionado o trânsito em Moema, na Zona Sul da capital, onde será implantado o trecho que ligará o bairro até o Hospital São Paulo, na Vila Clementino.

Por conta da construção, a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) interditou duas das três faixas da Avenida Ibirapuera, sentido bairro-Centro, entre as avenidas Jamaris e Moema, só permitindo o acesso aos ônibus e táxis. Um desvio como alternativa para os demais veículos foi implantado pela Avenida Jamaris, Alameda Iraé e a Praça Nossa Senhora Aparecida (veja o mapa abaixo).

No entanto, as vias ficam travadas e deixam o motorista por mais tempo no trânsito. É o caso do  técnico de manutenção Wagner Barbosa, de 46 anos. “Demoro pelo menos 15 minutos para fazer o desvio. É um transtorno”, disse.

Quem também sofre com as intervenções é a moradora de um condomínio localizado na Avenida Jamaris, Priscila Bazan, 36 anos. Ela reclamou do fluxo intenso de veículos, principalmente no horário de pico, e do aumento dos acidentes. “Isso aqui virou um inferno. Essa rua era tranquila. Não pensaram em como o  trânsito seria impactado, sem contar nas batidas de veículos que ocorrem eventualmente.”

O gerente predial Eliseu Boaretto, 50 anos, contou que, após o início das obras, os moradores passaram a se queixar por causa do barulho que acontecia na madrugada. “Tive uma reunião com o Metrô recentemente. Por enquanto, o ruído vai até as 22h.”

Outro Lado/ A CET afirmou que conclusão dos trabalhos e a liberação das pistas está prevista para 2015. Em relação ao aumento dos acidentes, preferiu não comentar. O Metrô não respondeu ao DIÁRIO.

Tesouro arqueológico é encontrado nos arredores da estação Faria Lima


Fonte: Diário de São Paulo

Os 600 mil passageiros que transitam todos os dias pela Linha 4- Amarela do Metrô de São Paulo não imaginam que na região onde se situa a Estação Faria Lima, na Zona Oeste, escondia-se um verdadeiro tesouro.

Durante as obras de reconversão urbana do Largo da Batata, onde está a estação, descobriu-se um sítio arqueológico, onde foram coletadas cerca de 30 mil peças do século 19.

O arqueólogo responsável pelo trabalho, Plácido Cali, finaliza um relatório que levou três anos para ficar pronto e deverá ser entregue no início do ano para o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

O DIÁRIO teve acesso ao documento e publica com exclusividade trechos que revelam a importância do material coletado. O sítio arqueológico Pinheiros localiza-se em terreno na esquina das ruas Paes Leme e Fernão Dias, em frente à Igreja Nossa Senhora de Monte Serrat, na Zona Oeste.

“Devido à sua localização, próximo ao Largo de Pinheiros e em frente à igreja, no século 19 existiam no local casas e estabelecimentos comerciais”, diz o relatório. “Esse povoamento teve suas origens no século 16, a partir da formação do Aldeamento dos Pinheiros, constituído pelos jesuítas atraindo indígenas que se estabeleceram no entorno da Capela de Nossa Senhora da Conceição.”

Ainda de acordo com o relatório, “o Sítio Arqueológico Pinheiros permite-nos conhecer um pouco do cotidiano dessas famílias, seus hábitos alimentares, os padrões de consumo, os tipos de habitações, bem como as atividades comerciais presentes no local, em especial os tradicionais bares que há 150 anos existiam na Rua Teodoro Sampaio”.

No inventário das peças recolhidas, o arqueólogo Plácido Cali afirmou que os objetos encontrados são, predominantemente, de uso doméstico, como louças, garrafas de bebidas, de perfumes e de remédios, além de potes de cerâmica. Quase todas as peças eram importadas da Inglaterra, havendo ainda louças e frascos de bebidas provenientes da Holanda, da França, da Alemanha e de Portugal. “Havia ali uma antiga taberna”, explicou Cali.

Prefeitura tentou desqualificar conjunto de objetos achados
A Prefeitura de São Paulo e o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), que é ligado ao governo federal, entraram em verdadeira  guerra por causa do sítio arqueológico descoberto nas obras de revitalização do Largo da Batata.

Em 2009, quando o sítio foi descoberto, a Prefeitura convocou jornalistas para tentar mostrar que os objetos encontrados no local não passavam de utensílios domésticos  dos anos 1950, de valor histórico nulo.

A Prefeitura tentou desqualificar  o material porque parte das obras de revitalização do Largo da Batata ficou paralisada justamente por causa do sítio arqueológico, o que atrasaria as inaugurações.

O Iphan recebeu denúncia de que no local havia material histórico e determinou que os trabalhos ficassem suspensos até que toda a área fosse analisada. Durante a análise verificou-se que os objetos encontrados  a cerca de um metro da superfície foram fabricados quase 200 anos atrás na Europa e eram, portanto, de imenso valor histórico.

Pote do século 16 foi recolhido em plena Avenida Faria Lima
São Paulo tem 50 sítios arqueológicos conhecidos ao redor da sua região metropolitana.
A cerâmica mais antiga da capital foi encontrada em plena Avenida  Faria Lima, na Zona Oeste. Trata-se de um fragmento de pote da época da fundação da cidade, em 1554, achado na área onde existiu uma antiga casa bandeirista do Itaim.

Na região da Luz, no Centro, em outro sítio descoberto, foram resgatadas peças de cozinha de 200 anos. Na Lapa, na Zona Oeste, os achados são cerca de 30 mil peças da Santa Catharina, primeira fabricante de louças brancas da América do Sul.

Foi na área da Praça das Artes, um complexo cultural  construído atrás do Teatro Municipal, no Centro, que um grupo de arqueólogos encontrou xícaras, cachimbos, frascos de remédio e brinquedos, como soldadinhos de chumbo, de meados do século 19.  Como não havia coleta de lixo na cidade, restos do lixo doméstico contendo tudo o que havia quebrado e não era mais útil aos moradores era enterrado.

Legislação determina inspeção arqueológicaEm 1986, o Conselho Nacional do Meio Ambiente publicou uma resolução que obriga os estudos de impacto ambiental a desenvolverem atividades técnicas que contemplem “os sítios e monumentos arqueológicos, históricos e culturais da comunidade”. Desde essa data, obras de grande porte e em regiões de potencial histórico passam por inspeção.
 
Exigência esquentou setor de arqueologia
A determinação mudou o trabalho de campo dos arqueólogos. Em 1991, cinco estudos de campo foram realizados no país. O número saltou para 756 em 2009. Em 2010 já eram 969 e o número não para de crescer, alavancado pela expansão da construção civil.

Seguidores