sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Falha em subestação corta fornecimento de energia do Metrô e de bairros em SP

Trem modernizado na estação de Itaquera
Fonte: UOL

O desligamento de parte da subestação Milton Fornasaro, da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (CTEEP), localizada na zona oeste da capital paulista, provocou a interrupção do fornecimento de energia elétrica em partes das regiões oeste e sul de São Paulo. A falta de alimentação elétrica causou a paralisação da circulação dos trens da Linha 4-Amarela do Metrô por cerca de 30 minutos.
Segundo a CTEEP, o problema começou às 5h48. Após as providências para recomposição, a carga foi restabelecida às 5h58. A subestação teve a situação completamente normalizada às 6h03. De acordo com a empresa, a fonte de alimentação para a Linha 4 do Metrô foi normalizada em 10 minutos, às 5h58, ao contrário do informado pelo Metrô anteriormente - que acusou o problema de falta de luz no período das 8h às 8h30. Até às 9h40 de hoje, a assessoria da Via Quatro, concessionária que administra a Linha 4, não havia informado o horário correto da interrupção da energia.
O problema apareceu na subestação Milton Fornasaro, segundo a CTEEP, durante atividades de substituição de equipamentos que estavam sendo executadas, com previsão de término às 6h de hoje, seguindo o planejamento realizado em conjunto com o Operador Nacional do Sistema (ONS).
Durante o processo de finalização do trabalho, houve o desligamento indevido de parte da subestação pela atuação do sistema de proteção. Segundo a CTEEP, as obras e atividades de manutenção nas instalações são realizadas normalmente durante a noite, quando a demanda de energia elétrica é menor e o processo de normalização ocorre antes das 6 horas da manhã. Segundo a CTEEP, a subestação já está operando normalmente.
Por conta da interrupção na transmissão de energia, trechos dos municípios de Barueri, Cajamar, Osasco, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba e Taboão da Serra, na Grande São Paulo, e parte dos bairros de Alto de Pinheiros, Anhanguera, Barra Funda, Butantã, Campo Limpo, Consolação, Jaguaré, Jardim Paulista, Lapa, Morumbi, Vila Leopoldina e Vila Sônia, nas zonas sul e oeste da cidade, ficaram sem luz por cerca de 15 minutos, segundo a AES/Eletropaulo.

6 comentários:

Allef disse...

Diego, como é feito o deslocamento de trens entre as linhas do Metrô e da CPTM? É através de caminhões, transportando um carro de cada vez?

Diego Silva disse...

Allef, o deslocamento dos trens entre as linhas do Metrô e da CPTM dependem de uma operação especial, que ocorre no fim da operação comercial. Os trens das linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha podem circular nas linhas da CPTM por serem da mesma bitola. Dentro do pátio de Engenheiro São Paulo (CPTM), existe uma linha que entra nos domínios do Metrô, dando acesso ao pátio do Belém. Os principais deslocamentos acontecem ali. Do contrário, através de carretas, levando um carro por vez.

Allef Alves disse...

Ah, entendi! Obrigado pela explicação!

Allef Alves disse...

Sabe se há grandes diferenças entre a rede aérea usada na Linha 5 e nas linhas da CPTM? Tipo: Um trem da Linha 5 poderia rodar na Linha 9, por exemplo? Porque a única diferença que notei foi a altura dos cabos. (pode parecer uma pergunta boba, mas é que é uma dúvida que sempre tive!)

Diego Silva disse...

Allef, um trem da Linha 5 não poderia circular na Linha 9 por um motivo simples: a diferença na bitola. As linhas da CPTM são de bitola larga (1,60m), enquanto que as linhas 4-Amarela e 5-Lilás do Metrô usam bitola 'standart' (1,435 m). A altura dos cabos de alta tensão não seriam um grande impedimento, visto que os pantógrafos podem subir até determinada altura.

Allef Alves disse...

Ah. Visualmente eu achava que as bitolas eram as mesmas. Obrigado, Diego e sucesso nos estudos com a CPTM e a área ferroviária!

Postar um comentário

Seguidores