quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Sé ficará menos cheia com abertura de Luz e República

Estação Luz - Linha 4-Amarela (Foto de Ernesto Rodrigues)
Fonte: Jornal da Tarde

Estação da Sé, 18h. Mesmo quem não frequenta o lugar regularmente sabe o que vai encontrar lá nesse horário: multidão, filas, empurrões, trombadas e vagões lotados. O Metrô acredita, porém, que os passageiros sentirão menos desconforto daqui um mês. A inauguração das estações Luz e República, da Linha 4-Amarela, prevista para o fim de setembro, deve fazer com que o número de pessoas que passam pela Sé caia até 20%.
O Jornal da Tarde visitou as duas novas estações na quinta-feira, dia 11, e encontrou operários trabalhando nos últimos detalhes de acabamento. Os terminais seguem o padrão de outros prédios da Linha 4. Na Luz, os arquitetos optaram por aproveitar a iluminação natural. Os parapeitos e as laterais das escadas rolantes são de vidro, o chão é claro e paredes e vigas foram revestidas com cerâmica colorida.
A partir das inaugurações, a quantidade de passageiros da Linha 4 deve subir quase quatro vezes – de 190 mil pessoas por dia para cerca de 700 mil. Parte dessas pessoas sairá das demais linhas. Na Sé, é como se um a cada cinco passageiros deixasse de passar por lá. A mesma redução deve ser notada nas estações Paraíso e Ana Rosa, que permitem baldeação entre as linhas 1-Azul e 2-Verde. Já na Consolação, que liga as linhas Verde e Amarela, o movimento pode cair 33%, diz o Metrô.
“A sobrecarga no metrô de hoje se origina na falta de outras linhas. A abertura de novos trechos, como a Linha Amarela, vai reduzindo a concentração de pessoas nos ramais já existentes, principalmente onde há baldeação, pois as pessoas encontram outros caminhos para seus trajetos”, avalia o professor de engenharia Creso de Franco Peixoto, da Fundação Educacional Inaciana (FEI).
Passageiros que aguardavam a chance de entrar em um trem na plataforma sentido Corinthians-Itaquera da Sé na sexta-feira, por volta das 18h15, receberam a notícia com descrença. “Espero que diminua mesmo (o número de passageiros na estação), porque do jeito que está, fica difícil aguentar pegar esse metrô todo dia”, reclamou a auxiliar de escritório Marina de Jesus Silva, de 26 anos, que esperou quatro trens para entrar.
Marina trabalha em um escritório perto da Avenida Paulista, região central, e mora na Vila Matilde, zona leste. Hoje, pega o metrô na Brigadeiro (Linha 2), faz baldeação no Paraíso (para entrar na Linha 1) e na Sé, de onde segue pela Linha 3. A partir do fim de setembro, ela poderá ir até a Consolação, pegar a Linha 4 até a República e seguir até a Vila Matilde.
“O Metrô está ganhando cara de rede. Vai ocorrer uma melhor distribuição da demanda”, afirma o presidente da Associação dos Engenheiros e Arquitetos do Metrô (Ameaesp), José Geraldo Baião. O dia de setembro em que as estações Luz e República serão inauguradas ainda não foi definido. Quando os terminais forem abertos, a Linha 4 passará a funcionar em horário comercial, das 4h40 à meia-noite – atualmente, os trens param de rodar às 21h.

2 comentários:

Daniel disse...

"A partir do fim de setembro, ela poderá ir até a Consolação, pegar a Linha 4 até a República e seguir até a Vila Matilde."

Nossa, o tempo do trabalho de Marina até a casa dela e o stress cairão bastante com a linha amarela. Acredito que o tempo que ela levará entre as estações Vila Matilde e Consolação agora será cerca de uns 25 minutos.

Diego Silva disse...

Perto disso. A Linha 4-Amarela irá beneficiar muitos usuários.

Postar um comentário

Seguidores