terça-feira, 20 de setembro de 2011

Metrô poderá ter VLT cearense

Fonte: Revista Ferroviária

Liderando a comitiva do Estado de São Paulo ao Ceará no dia de ontem, o secretário dos Transportes Metropolitanos paulista, Jurandir Fernandes, admitiu que sua visita à fábrica de Veículos Leves sobre Trilhos (VLT) da Bom Sinal, no Cariri, visa uma possível contratação dos carros cearenses para atender ao mercado daquela unidade federativa. Já o diretor comercial da empresa de Barbalha, Márcio Florenzano, garantiu que, em 2012, será fechado um contrato de "cerca de R$ 60 milhões de reais", a partir de negociações iniciadas neste contato.
A expectativa, segundo contou Florenzano, deve-se ao transporte férreo paulista não dispor de muitos veículos movidos a diesel, os quais são a especialidade da produção da Bom Sinal e podem ser utilizados nas linhas turísticas paulistas. "Esse é o foco que eu quero atacar, pois eles ainda tem cerca de 10 projetos diferentes", declarou, mencionando interesse também nos trechos regionais que estão sendo estudados em São Paulo, pelos quais a capital será ligada às cidades do interior.
Modernização
Já o secretário daquele Estado disse esperar uma "modernização na questão da eletrificação", pela qual, segundo ele, será "um passo importante para ampliar o mercado" consumidor da empresa cearense.
Fernandes ressaltou o uso da rede elétrica como fundamental para conceder robustez ao carro, principalmente quando este é usado em um tráfego muito intenso, onde trens e VLTs correm próximos uns dos outros. "O fundamental é que o VLT cearense evolua para ser um veículo elétrico, por que aí ele fica muito mais aceito que o diesel. Se ele for diesel-elétrico, também serve", afirmou. A partir desta visita, segundo ele, irá acompanhar a "evolução" da produção cearense.
Atualmente, o secretário dos Transportes Metropolitanos de São Paulo contou que foram comprados mais de 54 VLTs para o atendimento à linha da região leste da cidade, mais 27 para cobrir a região do Morumbi e outros 20 para atender ao ABC Paulista.
"Só aí tem mais de uma centena de carros, e cada um deles tem entre quatro e sete vagões, então vamos ter mais de 400 carros. E cada carro destes fica na ordem de R$ 2 milhões, então, estamos falando de algo em torno de R$ 800 milhões", contabilizou, enfatizando que o montante conta apenas com o orçamento destinado ao "material rodante", ou seja, os vagões propriamente ditos. Ainda faz parte do todo necessário para o funcionamento dos trechos "a parte de energia, automação e sinalização, o que faz este valor quase dobrar".
Mais projetos
De olho em demandas como esta, a Bom Sinal espera conquistar diretores paulistas e fechar negócios para as próximas linhas em estudo de São Paulo. Por vir, estão listados o VLT da Baixada Santista e outras cidades do interior, as quais também optaram por este tipo de veículo. "Então, nós temos que verificar como o sistema daqui (do Ceará), evoluindo para eletricidade, pode servir", declarou Fernandes. A comitiva compareceu à estação com maior índice de conclusão, a São Benedito, no Centro, onde representantes paulistas conheceram os trechos pelos quais a linha Oeste do Metrofor passa e as outras ainda em estágio inicial.
Competitividade
"O fundamental é que o VLT cearense evolua para ser um veículo elétrico". Jurandir Fernandes, secretário dos Transportes Metropolitanos de SP.
Parangaba-Mucuripe - Licitação de novo trecho em dez dias
Anfitrião no encontro promovido pela Companhia Cearense de Transportes Metropolitano (Metrofor) e a pasta que dirige, o secretário de Infraestrutura do Estado do Ceará (Seinfra), Adail Fontenele, anunciou, durante a visita da comitiva paulista, a licitação do trecho Parangaba-Mucuripe do VLT. De acordo com ele, o documento deve ser divulgado nos próximos dez dias. Fontenele ainda afirmou que a outra linha do Metrô de Fortaleza, a que atenderá o lado leste da cidade, terá atividades divulgadas até o final deste ano.
Ao todo, a obra está estimada em cerca de R$ 3 bilhões e precisará, segundo o secretário, "cerca de seis anos de obras 24h por dia". Outro diferencial desta linha é que ela será totalmente submersa, ou seja, por baixo das principais avenidas da área nobre da cidade, como a Santos Dumont e a Antonio Sales.
A estimativa do secretário é de que as obras que ligarão o Centro da Capital ao bairro Edson Queiroz deverão começar entre fevereiro e março de 2012. "Até lá esperamos todos os procedimentos administrativos estarem resolvidos e a equação financeira também montada", declarou.
Ajuda do Metrô de SP
A participação mais acentuada de representantes do Metrô de São Paulo também é almejada pela Seinfra. Além do intercâmbio esperado desde o começo do ano, uma consultoria técnica deve fazer parte entre os dois governos. "É que o nosso trecho é exatamente igual a um trecho deles, o mesmo procedimento, o tipo de máquina que vai ser usada é exatamente o mesmo também. Então, é uma obra que temos muito a copiar do que foi feito por lá", declarou.
Desde o começo do ano, uma parceria foi fechada com os paulistas para treinamento de pessoal e consultoria. No entanto, ainda é esperada a publicação no diário oficial. Já a parceria com o Metrô de Recife teve duas turmas de operários treinadas, totalizando 35 pessoas.
"Eles vão começar a operação assistida e a primeira parte da operação comercial. Logicamente que estes funcionários não são suficientes. E aí faremos as licitações de terceirização", garantiu o presidente da Metrofor, Rômulo Fortes.
Até março
"Esperamos todos os procedimentos administrativos estarem resolvidos". Adail Fontenele, secretário de Infraestrutura do Ceará (Seinfra).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores